Menu
2019-04-04T14:09:35-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Sob pressão

Governo italiano reforça déficit e disputa com UE esquenta ainda mais

País disse que não vai ceder às pressões da União Europeia para cortar gastos

3 de outubro de 2018
9:40 - atualizado às 14:09
Itália e União Europeia
Imagem: shutterstock

A disputa entre a Itália e a União Europeia deve esquentar ainda mais nesta quarta-feira, 3, após o governo ressaltar ontem à noite que manteria seus gastos elevados, mesmo que isso trouxesse um déficit orçamentário ao país e fosse contra o bloco.

Segundo o vice-premiê do país, Luigi Di Maio, Roma não vai ceder às pressões da UE e deverá ter um déficit público referente a 2,4% de seu Produto Interno Bruto (PIB) em 2019. Di Maio disse ainda que "não vai recuar um milímetro dos gastos", mas que o governo pretender agir para reduzir esse número até 2021.

'Não me importo'

O outro vice-premiê italiano, Matteo Salvini, confirmou os planos da administração e não poupou críticas à UE. "Eu não me importo com as ameaças da Europa. Nos próximos anos, nós planejamos reduzir o déficit e a dívida", disse o também ministro do Interior.

Ontem, Salvini atacou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sugerindo que ele tem problema com bebidas alcoólicas. "Eu falo com pessoas sóbrias que não fazem comparações que não estão nem no céu ou na terra", comentou Salvini, ao ser questionado sobre declarações de Juncker de que a Itália poderia enfrentar quadro similar ao da crise da Grécia.

'Sob controle'

Na segunda-feira, o ministro da economia, Giovanni Tria, disse ter sido avisado por colegas da zona europeia que os plano orçamentário italiano fere as regras do bloco. Em resposta, o ministro disse que o plano promoveria um crescimento de 1,6% à Itália em 2019, mantendo dessa forma as finanças públicas "sob controle".

Já o Comissário de Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, não pensa da mesma forma. Para ele, a estratégia é "um desvio muito significativo com relação ao compromisso assumido" pelos governos anteriores.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

quer investir?

Locaweb desdobra ações para facilitar entrada de novos acionistas

Papéis serão desdobrados na proporção de um para quatro novos, depois de acumularem alta de mais de 400% desde estreia

o melhor do seu dinheiro

Bitcoin: novos investidores te podem curtir numa boa

Tal como Caetano ao encarar Sampa, chamei de mau gosto o que vi quando tomei conhecimento do bitcoin pela primeira vez. Afinal, que valor poderia ter uma autoproclamada moeda criada por um programador anônimo e que não era reconhecida por nenhum governo? Ainda não havia para mim o Seu Dinheiro, e toda a referência que […]

Esquenta dos mercados

Mercado amanhece cauteloso na expectativa por Fed e big techs

Fed deve ter uma mensagem dovish, o que garante os estímulos monetários que sustentam a liquidez global e fazem a festa dos emergentes.

Eleição na Câmara

Lira diz que pautará privatização da Eletrobras se proposta tiver apoio da maioria

Segundo candidato à presidência da Câmara, proposta não foi votada porque Maia fechou acordo com a oposição

nada mal

Lucro da Cielo vem acima do esperado no 4º tri, apesar de queda de 68,3% em 2020

Empresa foi duramente afetada pela pandemia, mas corte de custos e retomada da economia ajudam no desempenho no fim do ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies