Você pode ter uma renda semanal de até 500 dólares na sua conta; descubra como aqui

Cotações por TradingView
2019-04-04T14:12:51-03:00
Estadão Conteúdo
Ajuste fiscal

Bolsonaro tenta nova saída para cessão onerosa

Assinatura do acordo é fundamental para viabilizar megaleilão de óleo excedente nas áreas da cessão onerosa, o que pode render R$ 100 bilhões

27 de novembro de 2018
8:42 - atualizado às 14:12
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (PSL) - Imagem: Igo Estrela/Ag. Estado

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe vão nesta terça-feira, 27, ao Tribunal de Contas da União (TCU) discutir a possibilidade de assinar o acordo de revisão da cessão onerosa do pré-sal entre União e Petrobras sem precisar da aprovação do projeto de lei que tramita no Senado.

A assinatura do acordo é fundamental para viabilizar o megaleilão de óleo excedente das áreas da cessão onerosa que pode render R$ 100 bilhões, recurso considerado crucial para o ajuste fiscal em 2019.

A cessão onerosa foi um acordo fechado em 2010 entre a União e a petroleira, que permitiu à estatal explorar, sem licitação, 5 bilhões de barris de petróleo em campos do pré-sal na Bacia de Santos. Projeto que está previsto para ser votado nesta terça no Senado estabelece regras para o leilão do petróleo excedente do pré-sal. Pelo texto, não há repartição desses recursos com Estados e municípios.

Há duas semanas, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, afirmou que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, e o futuro ministro da Economia aceitaram repassar parte dos valores obtidos no leilão para Estados e municípios.

A avaliação é que o debate em torno da divisão dos recursos com Estados e municípios já atrapalhou o calendário e há risco de perda muito grande de receitas numa negociação acelerada em dezembro, ao fim da legislatura. O entendimento é que a votação está contaminada pela eleição para as presidências do Senado e, principalmente, da Câmara. Há risco de ver a arrecadação "minguar" em um embate de forças políticas.

Preparação

Segundo o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou, uma reunião técnica no TCU com representantes de Guedes nesta segunda-feira, 26, serviu de preparação para a estratégia que pode ser adotada nos próximos dias. A avaliação é que o projeto de lei, embora dê conforto ao governo, não é fundamental para a assinatura do acordo. O projeto de lei surgiu justamente para dar segurança aos técnicos, que temiam ser processados pelo TCU caso o acordo fosse considerado desfavorável. Se o TCU der aval ao acordo, mesmo sem o projeto de lei aprovado pelo Senado, esse problema estará resolvido.

Com o novo acordo assinado, o leilão dos excedentes da cessão onerosa pode ser marcado, e o projeto de lei poderia ser votado em 2019, em um cenário mais favorável para o novo governo, já com a posse dos senadores eleitos neste ano. O governo atual é contrário à edição de uma Medida Provisória (MP) para fazer a divisão dos recursos aos governos regionais sem contrapartidas de ajuste fiscal.

O fundamental, para o governo, é aprovar o leilão da cessão onerosa ainda neste ano, na última reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), marcada para 17 de dezembro. Se não for aprovada até 31 de dezembro, a rodada terá de ficar para 2020, já que será analisada sob uma nova regra do TCU. Essa instrução normativa, que entra em vigor em 1.º de janeiro de 2019, exige que toda a documentação referente a leilões seja enviada à Corte de contas 150 dias antes da data prevista para a publicação do edital, um processo mais moroso que o atual.

Com o leilão aprovado neste ano, a previsão é que ele possa ser realizado entre maio e junho de 2019. Paralelamente a isso, o TCU pode avaliar os termos do acordo de revisão entre União e Petrobrás também nos primeiros três meses do ano, antes, portanto, da licitação. A avaliação é que não há tempo de assinar o contrato até o fim deste ano, já que a última reunião plenária de ministros do TCU ocorre em 5 de dezembro. O importante é que o acordo seja formalizado antes da data do leilão.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DIA 38

Os bombeiros chegaram: ata do Copom e Alckmin tentam baixar a temperatura da relação entre Lula e Campos Neto

7 de fevereiro de 2023 - 20:42

Do outro lado, parlamentares do PSOL e do PT querem apresentar requerimento para convidar o presidente do BC a comparecer em uma audiência pública na Câmara para explicar as razões dos juros altos

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Super Quarta fora de época, as melhores ações de atacarejo e o que pensa o Credit Suisse sobre o Nubank; confira os destaques do dia

7 de fevereiro de 2023 - 19:38

Não estamos na quarta-feira e nem houve decisão dupla de política monetária, mas o dia (07) foi marcado por uma inegável energia de Super Quarta. No Brasil e nos Estados Unidos só se falou sobre os juros e o que esperar do futuro.  Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, agradou Wall Street ao não dar […]

OI OU TCHAU?

Qual é o futuro da Oi (OIBR3)? CEO conta o que vai acontecer com a operadora após proteção judicial

7 de fevereiro de 2023 - 19:01

Rodrigo Abreu deu as explicações após os executivos da empresa saírem de reunião em Brasília com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel)

Balanço 2022

Provisões contra calote da Americanas afetam lucro do Itaú, mas banco ainda registra recorde no ano

7 de fevereiro de 2023 - 18:36

Assim como o Santander, Itaú evitou se referir nominalmente à Americanas na divulgação de resultados e citou “evento subsequente”

MUNDIAL DE CLUBES

Além do Mundial: veja o que mais o Flamengo perdeu com papelão no Marrocos

7 de fevereiro de 2023 - 18:30

Para além da derrota em campo, o Flamengo deixou de ganhar uma soma expressiva ao não se classificar para a final do Mundial de Clubes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies