Menu
2018-11-01T11:39:17-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Mercados de ações emergentes perderam US$ 17,1 bilhões em outubro

Estimativa do Instituto Internacional de Finanças (IIF) aponta maior retirada de dinheiro desde agosto de 2013. Seria uma boa oportunidade de compra?

1 de novembro de 2018
11:39
mercados emergentes
Imagem: Shutterstock

Os mercados de ações dos países emergentes sofreram o maior saque de recursos desde agosto de 2013, quando o Federal Reserve (Fed), banco central americano, acenou que começaria a subir sua taxa de juros e retirar outros estímulos monetários.

As estimativas do Instituto Internacional de Finanças (IIF), que reúne mais de 450 bancos de 70 países, mostram uma saída bruta de US$ 17,1 bilhões dos portfólios de ações emergentes no mês passado, que foi marcado por um sentimento de fuga global de risco. Tal retirada está entre as quatro maiores já registradas desde que o acompanhamento começou em 2005.

Por outro lado, nota a IIF, os mercados de dívida emergentes conseguiram captar US$ 9,5 bilhões, em função das maiores taxas de juros. Assim, o resultado líquido do fluxo de recursos em ações e dívida emergente terminou o mês negativo em US$ 7,6 bilhões.

As movimentações se concentraram nos mercados da China, onde preocupações com a guerra comercial e menor crescimento resultaram em um saque de US$ 12,3 bilhões dos emergentes da Ásia.

Em seu relatório, a IIF pondera que um mês de saídas tão volumosas, além de ser um evento raro tende a representar uma oportunidade de compra.

Nos últimos quatro episódios de saídas superiores a US$ 10 bilhões, os 12 meses subsequentes registraram uma média de US$ 65 bilhões em novos ingressos, o que é visto como um bom indicativo de ativos baratos em um mercado “sobrevendido”.

“Conforme os investidores avaliam os riscos do aperto monetário do Fed e o potencial disruptivo da guerra comercial sobre as cadeias globais de fornecimento, essa venda pode ser uma boa oportunidade para se caças pechinchas ou uma armadilha de valor”, diz a IIF em seu relatório.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Inflação

Brasileiros acreditam que inflação será de 5,2% nos próximos 12 meses

Em janeiro, 14,2% dos consumidores projetaram valores abaixo do limite inferior da meta de inflação para 2021 (3,75%)

Alta nos preços

Preço do diesel no Brasil está entre os que mais subiram no mundo, diz estudo

Segundo o documento, na 1ª semana deste mês, o diesel ficou mais caro em 6 dos 7 países analisados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies