Menu
2018-10-08T09:17:13-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Contenção de gastos

Futuro presidente herdará BNDES com orçamento apertado

Presidente do BNDES diz que orçamento do Tesouro Nacional não abre espaço para cobrir “subsídios pesados”

8 de outubro de 2018
9:09 - atualizado às 9:17
Dyogo Oliveira
Segundo o presidente do BNDES, instituição não tem orçamento para subsídios pesados - Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil -

O próximo presidente da república herdará um Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) menor e menos capaz de bancar subsídios pesados. Isso é o que disse o presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, ao Estado de S. Paulo.

Segundo Oliveira, a reorientação política do banco, conduzida durante o governo do presidente Michel Temer, "veio para ficar" e afirmou que não há espaço no orçamento do Tesouro Nacional para uma mudança na Taxa de Longo Prazo (TLP), que substitui a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP).

"Uma coisa é subsidiar com uma taxa de juros de 15% e aí dar subsídio para baixar para 9%, 7% ou como se chegou a fazer a 2,5%. Outra coisa é fazer com taxa de 6,5%. Vai baixar para zero?", pondera. Segundo ele, um projeto que não é viável com uma taxa de 6,5% precisa ser melhor avaliado.

Empréstimos

Anteriormente com empréstimos equivalentes a 4,3% do Produto Interno Bruto (PIB), o BNDES deve fechar o ano com esse valor chegando a 1%.  A reorientação também alterou o perfil de empresas financiadas. A previsão é que ao final de 2018 os desembolsos para as micro e pequenas empresas feche em 49% do volume de financiamento do banco e 41% para infraestrutura.

No auge, entre 2012 e 2013, o financiamento para as micro e pequenas empresas não passava de 20% e só começou a subir em 2016 com a nova orientação. Esse é o perfil que o banco dever seguir para frente, na avaliação de Oliveira.

O presidente do BNDES lembra que antes havia uma concentração de recursos em grandes projetos e aplicações em empresas que tinham acesso ao mercado de capitais e que acabavam fazendo "arbitragem" no mercado com o dinheiro do BNDES: "Pegava o dinheiro barato e aplicava no mercado ganhando com a diferença de mercado."

Projeção

A estimativa de orçamento do banco é de chegar a R$ 1 trilhão em investimentos entre 2018 e 2021, valor que não tinha sido alcançado desde 2014. Ele admite que a baixa demanda, após quatro anos de recessão, é o grande nó do banco. Ele avalia que após as eleições o investimento volta se houver uma agenda econômica que alimente a confiança.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

CRISE PESADA

Desemprego é recorde e pode piorar

Total de postos extintos supera os 11,5 milhões e taxa de desemprego no trimestre até julho é a pior da série histórica da Pnad

esquenta dos mercados

Otimismo com novo pacote de estímulo nos Estados Unidos anima bolsas globais

No Brasil, os investidores seguem atentos ao noticiário em Brasília e nas novidades envolvendo a forma de financiamento do Renda Cidadã

DINHEIRO NO BOLSO

SulAmérica vai pagar R$ 75 milhões em JCP aos acionistas

Valores estão previstos para serem pagos a partir de 16 de abril de 2021, em uma parcela única

OFERTA NA BOLSA

Natura anuncia oferta global de ações de R$ 6,2 bilhões

Empresa quer levantar recursos para acelerar o crescimento nos próximos três anos e reduzir o endividamento em dólar

Gestão na crise

Com alta das taxas, Armor Capital vê oportunidade para entrar “aos poucos” em prefixados

Anúncio do Renda Cidadã é negativo e aumentou o risco fiscal, mas os juros não devem subir para os patamares que o mercado negocia hoje, diz Alfredo Menezes, CEO da Armor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements