Menu
2018-12-13T15:18:49-02:00
Estadão Conteúdo
Retornando para a bolsa

BNDES voltará a fazer investimentos em participações acionárias

Novas aplicações do banco de fomento serão limitados a empresas com faturamento anual entre R$ 90 milhões e R$ 1 bilhão

13 de dezembro de 2018
15:18
B3
Foco do BNDES agora será investir em empresas com potencial de crescimento - Imagem: Shutterstock

Desde 2015 fora do mercado, a BNDESPar, empresa de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), está de volta ao jogo, sob novas regras. Novos investimentos serão limitados a empresas com faturamento anual entre R$ 90 milhões e R$ 1 bilhão. A exceção serão as ofertas iniciais (IPOs), nas quais o BNDES poderá entrar comprando até 15% do valor levantado, sem limite de faturamento.

As regras estão na nova política de subscrição de ações, aprovada nesta semana pela diretoria do banco, anunciou nesta quinta-feira, 13, o presidente do BNDES, Dyogo Oliveira. Algumas das mais polêmicas operações do BNDES nos governos do PT foram feitas via BNDESPar, como a compra de participação no frigorífico JBS, com o intuito de financiar a internacionalização do grupo.

A partir de agora, segundo Oliveira, o foco será investir em empresas com potencial de crescimento, conteúdo tecnológico relevante, capazes de agregar valor. "O objetivo é levar essas empresas até a listagem na bolsa de valores", afirmou o presidente do BNDES, em encontro com jornalistas, no Rio.

Oliveira procurou marcar a diferença em relação à atuação anterior da BNDESPar. Segundo o executivo, antes, o BNDES entrava em empresas pré-operacionais, grandes empresas, "com valores vultosos". Pelas novas regras, a BNDESPar focará empresas com "porte médio, médio-grande, com potencial de crescimento", conforme o conceito de empresa "escalável".

Além do limite de faturamento, as regras preveem uma participação máxima de 30% no capital das empresas na quais o BNDES vier a investir. A exceção no caso de IPOs tem o objetivo de fomentar as abertura de capital e a listagem de mais empresas na bolsa, segundo Oliveira.

Em relação à política de desinvestimentos da carteira atual, as regras que já vinham sendo seguidas pela BNDESPar estão mantidas. Segundo a diretora de Investimento do BNDES, Eliane Lustosa, a ideia é vender as participações em empresas cujo investimento esteja "maduro", levando em conta tanto o desenvolvimento da companhia como o retorno financeiro do BNDES.

A diretora reafirmou a meta de vender R$ 12 bilhões em participações acionárias em 2018, mas informou que o valor poderá ser atingido em janeiro ou fevereiro. Recentemente, o presidente Oliveira já informou que, até outubro, foram vendidos R$ 8 bilhões. Em 2017, a BNDESPar vendeu R$ 6,7 bilhões em ações. Segundo Eliane, uma nova meta para 2019 será definida apenas após atingir os R$ 12 bilhões.

"A direção é o desinvestimento, mas se o mercado não sinalizar com preço justo, o banco não vai queimar a sua participação", afirmou Eliane.

A diretora do BNDES disse ainda que o banco poderá contratar bancos de investimento para vender participações em empresas a investidores estratégicos, ou seja, em operações fora da bolsa. Essas operações serão definidas caso a caso, com aprovação da diretoria e em acordo com os órgão de controle, como o Tribunal de Contas da União (TCU).

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

PREÇOS EM ALTA

Projeções para inflação em 2021 continuam se afastando do centro da meta

Relatório Focus mostra que economistas reajustaram expectativas para IPCA pela nona semana consecutiva e esperam dólar acima de R$ 5,10

O melhor do Seu Dinheiro

Papel, celulose e tesoura

O que você diria de uma empresa que teve um prejuízo anual de quase R$ 11 bilhões e ainda assim conseguiu melhorar praticamente em todas as frentes operacionais? Esse é o curioso caso da produtora de papel e celulose Suzano. Com quase toda a receita em dólar, a companhia teve um forte avanço na geração […]

COMO DOMAR O LEÃO

Seu Dinheiro lança Guia do Imposto de Renda 2021 com orientações para preencher a declaração e pagar menos imposto; conheça

Veja como declarar imóveis, dependentes, pensão alimentícia e investimentos. O curso mostra o que mudou no Imposto de Renda 2021 e caminhos legais para pagar menos imposto ou receber uma restituição maior.

"Cheque em branco"

Câmara analisa retirar o limite de R$ 44 bilhões para pagamento de auxílio emergencial

O medo da maioria dos deputados é de que o governo receba um “cheque em branco” e descontrole os gastos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies