Menu
André Franco
Crypto News
André Franco
É engenheiro e especialista em criptomoedas da Empiricus
2018-11-24T18:26:00-02:00
Criptoativos

‘Kindzinho’, o primeiro criptoanalista do mundo

Abu Yusef Ya’qub ibn Is-haq ibn as-Sabbah ibn omram ibn Ismail al-Kindi é o nome dele

24 de novembro de 2018
18:21 - atualizado às 18:26
Bitcoin
Imagem: Shutterstock

Não, eu não bati com os cotovelos ou com a testa no teclado para digitar a linha acima. Esse é apenas o belíssimo nome do grandíssimo primeiro criptoanalista do mundo.

Ou, se você preferir, pode ser também o grandíssimo nome do belíssimo primeiro criptoanalista do mundo, fica a seu critério. Se é que me entende.

No entanto, “Kindizinho” não é um analista de cripto do século 21. Ele é do tempo em que cripto se referia apenas à criptografia, e não a criptoativos.

Foi em berço árabe que nasceu a criptoanálise aliada aos próprios estudos da criptografia em si.

Ou seja, enquanto um grupo tentava criar as suas técnicas para enviar mensagem entre batalhões, mitigando o risco de que ela fosse interceptada e entendida (estudo de criptografia), outro grupo tentava fazer exatamente essa interpretação de mensagens criptografadas (estudo da criptoanálise).

É uma batalha entre bactéria e antibiótico, na qual as vitórias para ambos os lados são apenas momentâneas.

Quero dizer que o ciclo funciona da seguinte forma: primeiro temos os criptógrafos que criam alguma criptografia “inquebrável”, que perdura como segura por vários anos.

Então, um criptoanalista descobre uma forma de entender a mensagem da criptografia e vence a batalha momentaneamente.

Novamente, os criptógrafos são instigados a criar uma nova criptografia “inquebrável”. E assim esse universo persiste em um loop infinito.

E al-Kindi ficou famoso por ter descoberto como decifrar uma das cifras (ou criptografias) mais famosas, a Cifra de César.

Ela consistia em uma substituição simples de letras, como por exemplo trocar todas as letras de uma mensagem pela letra seguinte no alfabeto. Dessa forma, a mensagem “ALÔ” se tornaria “BMP”.

Kindizinho fez, então, uma análise de frequência de letras para decifrar a mensagem.

É bem simples. Na língua portuguesa, por exemplo, a letra “A” é a que mais aparece, cerca de 15 por cento em uma frase.

Com isso em mente, a letra que mais se repetisse em uma frase seria decifrada como A e, então, era apenas questão de tempo até se entender a mensagem inteira.

E estou falando isso para você, porque toda a nossa confiança e potencial no universo dos criptoativos estão pautados na evolução que a criptografia teve e também na vitória momentânea que está tendo sobre os criptoanalistas.

Existe um risco visível de a criptoanálise vencer no médio/longo prazo. Trata-se da evolução do computador quântico que possivelmente pode reverter as transações dentro do blockchain.

No entanto, as poucas unidades desses computadores, que ainda estão em beta, estão nas mãos de empresas e governos responsáveis.

Isso gera tranquilidade de alguma forma.

Mesmo assim, a máxima de investir apenas o que você pode perder vale a pena nesse quesito também.

Regra de bolso dada, vamos ao mercado.

O bitcoin segue sofrendo e, ainda assim, aumentando sua dominância. Isso mostra que, apesar de ele ser o ponto onde toda queda começa, continua figurando como o ativo com menor risco do universo cripto.

O investidor que topa o risco cripto ainda concentra sua aposta no principal ativo em market cap.

E se você encara dessa mesma forma, a black friday também existe em cripto.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Mercados azedos

Mau humor: Ibovespa cai quase 1% e destoa do exterior; dólar vai à máxima em dois meses

A manutenção dos juros dos EUA no patamar de 1,50% a 1,75% foi pouco repercutida pelo Ibovespa, que fechou em queda firme e voltou ao nível dos 115 mil pontos — o dólar subiu a R$ 4,22

Reposicionamento

BNDES não tem pressa de vender ações e quer fomentar indústria de fundos

Presidente do banco, Gustavo Montezano, disse que BNDESPar venderá ações aos poucos durante três anos, à medida que mercado for absorvendo; objetivo é que carteira chegue perto de zero

OLHO NOS JUROS

FED decide manter juros entre 1,50% e 1,75%

No comunicado, o banco ressaltou que a atual política monetária é “apropriada para suportar a expansão econômica, condições mais fortes do mercado de trabalho e o retorno da inflação para perto da meta de 2%”

Privatização à vista

Objetivo é privatizar Eletrobrás no 2º semestre de 2020, diz o presidente Wilson Ferreira

Meta para o primeiro semestre é aprofundar a conversa com o Senado e aprovar capitalização no Congresso.

Rebatendo as críticas

Nenhum governo tem prática tão liberal quanto este, diz Salim Mattar

Secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro disse que gasta 80% do tempo para “descontruir o legado” que foi deixado por gestões anteriores

Nova cartada do bilionário

Warren Buffett vende seu império de jornais por US$ 140 milhões e deixa o setor de imprensa

A Berkshire Hathaway, conglomerado de investimentos administrado por Warren Buffett, vendeu hoje sua divisão de jornais à Lee Enterprises

Caixa vai fazer “road show” de IPO da Caixa Seguridade em todos os Estados

O banco pretende fazer a abertura de capital das subsidiárias de seguridade e de cartões neste ano. As outras duas unidades – loterias e gestora de fundos – devem demorar um pouco mais

martelo batido

CVM fecha acordo de R$ 450 mil em caso envolvendo executivos da Biosev

Processo era movido contra três ex-executivos da processadora de cana-de-açúcar; cada um vai ter que pagar R$ 150 mil

pingos os is

Investigação não encontrou irregularidades e não há mais nada a esclarecer, diz presidente do BNDES

Auditoria custou R$ 42,7 milhões; investigações internas do banco não encontraram nenhuma irregularidade nas operações

hora do balanço

Bancos liberam mais crédito no Brasil, mas custo segue elevado

Taxas de juros cobradas de empresas e famílias seguiram em níveis elevados. segundo dados do BC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements