Menu
2019-11-26T12:59:07-03:00
De olho no futuro

‘Vamos agir para aumentar a concorrência’, diz diretor do BC

Apelidado de “zap de pagamentos”, vai permitir transferência online para quitação de contas, sem usar dinheiro e cartão

26 de novembro de 2019
12:59
Pagamento
Imagem: Shutterstock

O Banco Central aposta na tecnologia para fazer com que o custo de crédito caia para o cliente. Em 2020, a instituição quer tirar do papel uma série de propostas, como o novo pagamento instantâneo. Apelidado de "zap de pagamentos", vai permitir transferência online para quitação de contas, sem usar dinheiro e cartão. O avanço das fintechs (startups que oferecem inovações de serviços financeiros) e o open banking (troca de informações de dados dos clientes entre as instituições, inclusive fintechs) também vão contribuir para baixar o chamado spread bancário (diferença entre o custo de captação dos bancos e a taxa cobrada dos clientes), segundo o diretor do BC João Manoel Pinho de Mello.

Ele diz que não é possível estipular um prazo para que o custo fique menor para o consumidor, mas que vê pressão competitiva por "todos os lados". Os juros, porém, ainda seguem em nível elevado mesmo com a taxa básica (que baliza as outras operações) no menor nível da história. "Estamos enxergando e vamos enxergar cada vez mais os efeitos sobre as taxas no tomador na ponta e no spread", diz ao jornal O Estado de S. Paulo.

A guerra pelo cliente está mais intensa por qual razão?
Quando se vai resolvendo alguns problemas, outros vão ficando mais evidentes, mesmo que eles já existissem antes. Como estamos com a taxa de juros em níveis históricos, inflação baixa e sistema financeiro sólido, isso traz à tona o objetivo de eficiência. Estamos agindo para aumentar a concorrência para que a população tenha acesso a produtos a um preço melhor. É um conjunto. Vamos atacá-los todos. Não tem um grande vilão.

Mas a população vê os bancos como o maior vilão.
Os bancos prestam um serviço num ambiente historicamente de alto risco, que condicionou um tipo de estrutura no setor bancário. Tentar encontrar um vilão é uma maneira simplista de resolver problemas complicados. Temos, sim, de atacar as causas do problema, a inadimplência, fomentar a entrada de novos participantes, dar chance para todo mundo competir. A fórmula é meio conhecida: competição e segurança. Estamos empurrando essa fórmula já há alguns anos e agora, certamente, é uma agenda central.

Há resistências?
Pode haver resistências? Sempre pode. Nosso papel é fazer com que a tecnologia atinja seu potencial máximo de entregar produtos melhores. Credores terão mais informações sobre os devedores para diminuir o risco de fazer crédito e equalizar a informação dos clientes para fomentar a competição.

A pressão sobre os grandes bancos funciona?
Quem perde cliente tem de reagir melhorando seu produto ou baixando o preço. É fato que os bancos já estão sentindo. Esperamos que ocorra cada vez mais. Acreditamos que a entrada das fintechs, que hoje representam uma fração pequena, vai ampliar a gama de produtos disponíveis a preços bons, de modo que todo mundo sinta a pressão competitiva.

Quando vai resultar em juros mais baixos para o consumidor?
Vai acontecer ao longo do tempo. É difícil dar um prazo. Mas já estamos vendo pressão competitiva de todos os lados. Não é à toa que alguns (bancos) tradicionais estão sentindo incômodo. Vai aumentar o tamanho do bolo, vai dar mais negócio para todo mundo.

Como avançar na redução do custo do crédito?
Dá para melhorar em várias dimensões. Boa parte do spread é inadimplência. É arriscado emprestar porque em muitas linhas há muita chance de haver inadimplência. É difícil e custoso executar a garantia. Isso é custo de prover o serviço de crédito. É claro que ele acaba indo para preços. Boa parte da agenda do BC é voltada para dar segurança às garantias. A água não chega à nossa casa limpa. Tem todo um encanamento por trás e estamos trabalhando para desentupi-lo e criar mais tubos para que chegue mais rápido.

Como explicar que o spread não caiu na mesma velocidade da queda da taxa básica?
Se olharmos desde o começo do ciclo de queda da Selic, do segundo semestre de 2016 para cá, produto a produto, veremos, sim, uma queda relevante dos spreads em quase todas as modalidades.

Mas e os produtos mais problemáticos como cheque especial?
Essa impressão que o spread não cai é porque tem alguns produtos, especialmente os emergenciais, como o cheque especial, com spread muito alto. Precisamos entender um pouco esses produtos e ver o que dá para fazer para melhorar o preço. Como o contato da maioria das pessoas é com eles, se tem essa impressão. Mas está acontecendo a queda do spread. Ela está no ritmo que a gente gostaria? Eu diria que dá para melhorar.

De que forma?
Melhorando as garantias, fazendo intervenções como o open banking, que melhora a informação sobre o devedor e equaliza a informação do devedor entre os credores. Temos dois efeitos benéficos: cai o risco de prover o crédito e ajuda o banco, a fintech, que não é o seu banco, a saber sobre você de modo que consegue competir pelo negócio com o seu banco.

Que podemos esperar das mudanças no cheque especial?
Algo na linha do redesenho do cartão de crédito. Estamos estudando o produto. Precisamos tomar decisões com base em evidências e analisando o impacto regulatório. Estamos nesse processo agora. O cheque especial tem uma ineficiência grande. Muitas pessoas têm limite muito alto e não usam e esse limite consome capital do banco. É um custo do banco. Dá para redesenhar. Estamos olhando as opções.

Além das mudanças no cheque especial, o que tem mais na agenda?
Temos o open banking: uma fintech que entrar vai saber sobre mim tanto quanto o meu banco sabe. Precisamos aumentar a quantidade de informação disponível porque faz cair o risco de conceder o crédito e aumenta a competição. A Lei Geral de Proteção de Dados estabeleceu que o dado é de propriedade do indivíduo, e não do seu banco. Haverá vários aplicativos e entrantes oferecendo produtos com base em consentimento. O outro projeto estruturante que é o "pagamento instantâneo" vai permitir fazer transferências (TEDs) 24 horas por dia, sete dias da semana. A primeira fase do novo produto entra em novembro de 2020.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Eletrobras será discutida no 1º semestre, diz Ferreira Júnior

“É a primeira vez que o Brasil vai fazer uma operação desse tamanho, temos que ir com calma”, disse durante palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

ESTÁ DE SAÍDA

Oi anuncia saída de Eurico Teles da presidência

A saída ocorre no mesmo dia em que a companhia foi alvo da 69ª fase da Operação Lava Jato e que investiga supostos repasses financeiros que teriam sido realizados pela Oi / Telemar em favor de empresas do grupo Gamecorp/Gol

Oferta de ações

XP vende ação acima da faixa indicativa no IPO e estreia na Nasdaq valendo R$ 62 bilhões

Preço por ação da XP na oferta realizada na bolsa americana foi definido em US$ 27, acima do teto da faixa estipulada, que variava de US$ 22 a US$ 25, segundo a Broadcast/Estadão

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Rodada decisiva no jogo das tarifas

Além dos números da economia e das empresas, entender pelo menos um pouco sobre relações internacionais tornou-se fundamental para os investidores desde o início da guerra comercial entre Estados Unidos e China. A disputa, que está mais para um jogo de cartas do que para uma guerra propriamente dita, é acompanhada com tensão pelo mercado porque […]

Jogo tenso

Com as cartas da guerra comercial ainda na mesa, o Ibovespa e as bolsas globais fecharam em queda

O Ibovespa teve a segunda baixa consecutiva, refletindo o clima de cautela que tomou conta dos ativos globais nesta terça-feira. Lá fora, os mercados ficaram de olho nas movimentações da guerra comercial — e, ao menos por enquanto, não há nada definido entre EUA e China

DE OLHO NO GRÁFICO

Sinal amarelo para o S&P 500 e 16 ações para ficar de olho

Neste vídeo, eu analiso o S&P 500, o Ibovespa e outros indicadores americanos e indica 16 ações brasileiras para ficar de olho. A contagem regressiva para o fechamento de minha Última Imersão a preço de Black Friday está terminando. Garanta aqui o seu acesso

BANCO

Presidente do BB diz que não há nenhuma negociação sobre venda do banco para concorrente

Ele destacou que “é mentira” que o Banco do Brasil esteja negociando seu controle com outro grupo econômico. “Isso nunca passou por nossa cabeça”, disse Novaes

NOVIDADES À VISTA

Marfrig lança marca própria de hambúrgueres vegetais

Além dos investimentos na parte de produtos de origem vegetal, a Marfrig quer trazer mais dinheiro para o caixa da empresa. A empresa confirmou no começo deste mês que fará uma oferta subsequente de ações (follow-on)

Altas e baixas

Gol, Azul, Itaú e Banco do Brasil: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

O setor aéreo liderou as perdas do Ibovespa nesta terça-feira, com as ações da Gol e da Azul fechando em queda. Itaú e Banco do Brasil também caíram

AÇO E ALUMÍNIO

‘Já foi sobretaxado aço e alumínio? Então, não tem o que discutir’, diz Bolsonaro

Trump escreveu no Twitter no último dia 2, sobre a intenção de aumentar tarifas sobre aço e alumínio de Brasil e Argentina, como forma de compensar a desvalorização da moeda desses países

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements