Menu
2019-07-08T08:51:59+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Onde investir no segundo semestre

No xadrez do mercado de câmbio, o tabuleiro está favorável para o real no 2º semestre de 2019

A reforma da Previdência e um movimento de corte de juros nas principais economias do mundo tendem a mexer com as negociações de câmbio nos próximos meses. Mas esses dois vetores parecem convergir para um fortalecimento do real ante o dólar

7 de julho de 2019
5:45 - atualizado às 8:51
Ilustração de um corredor representando o câmbio
Para especialistas, o real tem espaço para se valorizar em relação ao dólar no segundo semestre - Imagem: Pomb/Seu Dinheiro

O mercado financeiro é, de certa maneira, parecido com um jogo de xadrez: para ter sucesso, é preciso saber bem as regras e estar sempre pensando adiante. Apenas reagir ao cenário que se desenha durante o desenrolar das partidas costuma não ser suficiente para sair vitorioso.

Mas engana-se quem pensa que um novato não pode derrotar um enxadrista experiente, ou que é impossível que um iniciante nos mercados consiga ter ganhos relevantes. É tudo uma questão de possuir as ferramentas certas para analisar o panorama dos investimentos — e, com isso, tomar as decisões corretas, no momento mais adequado.

O xadrez dos mercados é particularmente difícil no tabuleiro do câmbio. Por lá, os jogos são especialmente agitados, com peões, bispos, cavalos e torres movimentando-se de maneira frenética. As negociações de moedas, afinal, são as que possuem mais fatores capazes de influenciar o andamento das partidas.

Assim, antecipar uma jogada certeira no câmbio é uma tarefa árdua, mas não precisa ter medo de entrar para o clube. Nós conversamos com diversos especialistas e ouvimos as melhores estratégias para o mercado de moedas nos próximos meses.

E, apesar das inúmeras variáveis, os agentes do mercado financeiros concordam em um ponto: as peças do real estão bem posicionadas no tabuleiro para o segundo semestre deste ano.

Onde Investir no 2º semestre de 2019

Esta matéria faz parte de uma série de reportagens sobre onde investir no segundo semestre de 2019, com as perspectivas para os diferentes ativos. São eles:

Partida em andamento

Tanto no Brasil quanto no exterior, eventos cruciais estão sendo encaminhados — e o desfecho desses episódios irá definir se é melhor fazer uma jogada ofensiva ou defensiva.

No âmbito doméstico, a reforma da Previdência aparece como linha mestra para as estratégias de câmbio. O cenário-base, de aprovação da proposta, tende a aumentar a confiança dos investidores — tanto locais quanto estrangeiros — e melhorar a situação fiscal do país. Nesse panorama, a tendência é de enfraquecimento do dólar na comparação com o real.

Para Flavio Serrano, economista-chefe do banco chinês Haitong no Brasil, a aprovação de uma reforma "potente" implicaria numa melhora das expectativas, o que resultaria em entrada de recursos e aumento do fluxo de investimentos externos. "Isso contribuiria favoravelmente para um movimento de apreciação [do real]", diz ele.

Posição semelhante é defendida por Luca Bindelli, estrategista-chefe de câmbio do Credit Suisse. Em relatório, ele destaca que, entre as divisas de países emergentes, o real aparece bem posicionado para os próximos meses.

"As reformas sociais parecem estar caminhando na direção certa", escreve Bindelli, ponderando ainda que, com a inflação subindo lentamente no Brasil, as expectativas em relação à política do Banco Central poderiam se tornar mais agressivas.

Assim, o noticiário de Brasília tende a ser decisivo para o comportamento do dólar à vista ao longo de 2019. Caso a tramitação da reforma continue avançando sem grandes entraves — ou seja, dentro de um cronograma razoável e sem movimentos expressivos de desidratação da potência fiscal —, o câmbio tende a reagir no curto prazo, com a moeda americana perdendo força ante o real.

Mas e se a reforma não correr como o planejado? Neste caso, é provável que o movimento contrário aconteça, como destaca Fernando Barroso, diretor da CM Asset. "[A Previdência] é um vetor mais especulativo", diz ele. "Se não acontecer, irá causar um estrago na economia e na relação fiscal, e isso, para o Brasil, seria comprometedor a ponto de ter até uma fuga de capitais".

Peças em movimento

Um segundo grande fator influencia o andamento do xadrez cambial: a política monetária dos principais bancos centrais do mundo. E a tendência, no momento, é de um movimento coordenado de estímulo por parte das autoridades.

Esse cenário tem como pano de fundo a desaceleração econômica global. Na Europa, as principais economias da zona do euro dão sinais de estagnação há meses; na Ásia, a China já começa a sentir os efeitos nocivos da guerra comercial e, no Japão, a atividade tem patinado nos últimos trimestres.

E até mesmo o último porto seguro contra uma recessão, os Estados Unidos, começam a mostrar sinais de fadiga. Os dados econômicos americanos mais recentes indicam uma certa perda de tração por parte da economia do país — o que acendeu uma luz amarela nos mercados globais.

Em meio a esse cenário de desaceleração sincronizada, os BCs começam a colocar as mangas para fora e movimentam suas peças: a ordem do momento é promover ajustes negativos nas taxas de juros ao redor do mundo, de modo a estimular as economias.

Na Europa, por exemplo, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, já sinalizou que cortes de juros estão no radar da instituição; nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed) mostra-se cada vez mais inclinado a reduzir as taxas ainda neste ano, embora a intensidade dessa diminuição ainda esteja em debate.

E qual o resultado disso tudo para o mercado de câmbio? Há duas maneiras de se interpretar.

Barroso, da CM Asset, explica que a adoção de uma política monetária expansionista implica em estímulos fiscais ao crédito e geração de inflação, o que culmina em desvalorização das moedas locais. Assim, um corte de juros por parte do Fed, do BCE e de outras economias fortes tende a enfraquecer essas divisas — e dar força ao real.

Já Serrano, do Haitong, pondera que esse efeito só seria aplicável caso os juros no Brasil permanecessem inalterados enquanto os demais bancos centrais cortam as taxas — o que tende a não acontecer, já que, na última reunião do Copom, o BC deu a entender que uma redução na Selic está condicionada à aprovação da reforma da Previdência.

"Por um lado, você teria um dólar mais fraco, mas, por outro, o diferencial de juros permaneceria praticamente inalterado. A gente não ganharia nem perderia, porque faríamos um movimento correlato", diz Serrano. "Com os dois cortando as taxas, o impacto provavelmente seria neutro [para o câmbio]".

Cerco ao rei

Considerando as incertezas e diversos fatores que podem influenciar os vetores locais e externos, os especialistas ponderam que a tendência é de um enfraquecimento extra do dólar ante o real até o fim do ano.

Os cenários-base considerados levam em conta a aprovação da reforma da Previdência e um movimento de cortes de juros nas principais economias do mundo — e também no Brasil.

A intensidade das economias a serem geradas pela reforma e o timing das reduções de taxas pelos BCs, contudo, não é consenso. Assim, os movimentos da taxa de câmbio ao longo dos próximos meses podem sofrer solavancos — mas, ao fim do ano, a expectativa é de valorização do real ante a divisa americana.

O Credit Suisse traça o cenário mais conservador: a instituição projeta que o dólar estará na faixa de R$ 3,80 daqui a três meses, podendo recuar a R$ 3,70 nos próximos 12 meses.

Já Barroso, da CM Asset, aposta numa taxa de câmbio de cerca de R$ 3,75 ao fim do ano. Serrano, do Haitong, vai além: enxerga o dólar numa faixa entre R$ 3,70 e R$ 3,75 no término de 2019.

"Vemos o real apreciando um pouco em relação ao dólar, talvez mais agora no curto prazo, com um certo otimismo por conta da aprovação da reforma da Previdência", diz o economista do banco chinês. "Mas, no médio prazo, talvez haja alguma instabilidade, por causa da desaceleração econômica global e dos cortes de juros".

Os especialistas, assim, estão mais otimistas que os economistas ouvidos pelo Banco Central para o boletim Focus. Em 25 de junho, o mercado projetava que o dólar encerraria o ano na faixa de R$ 3,80.

Ataques e recuos no primeiro tempo

No primeiro semestre deste ano, o dólar à vista passou por momentos de estresse e alívio. Lá atrás, o cenário era de otimismo em relação à reforma e ao governo Jair Bolsonaro, embora o cenário externo estivesse conturbado.

Mas, nos últimos seis meses, a partida passou por reviravoltas. As crises de articulação política da gestão Boslonaro mexeram com os brios do mercado e trouxeram instabilidade ao dólar. E, lá fora, as idas e vindas da guerra comercial — e a mudança de rota dos bancos centrais — trouxeram uma dose extra de emoção ao jogo.

O saldo disso tudo? O dólar à vista saiu de R$ 3,87 ao fim de 2018 para o nível de R$ 3,84 no término de junho — uma queda acumulada de 0,80% no período. Mas a frieza dos números não traduz com exatidão o que aconteceu.

Afinal, ao fim de janeiro, o dólar chegou a operar na faixa de R$ 3,65 — mas, a partir daí, passou por uma onda de fortalecimento, chegando a R$ 4,10 em maio. E, desde então, com os avanços na tramitação da Previdência, voltou aos níveis de R$ 3,83.

E nada impede que oscilações parecidas ocorram ao longo dos próximos seis meses, embora as ferramentas atualmente disponíveis indiquem que o dólar tende a cair até o fim do ano. Assim, é bom pensar numa estratégia para se proteger contra essas instabilidades — ou para lucrar ainda mais num cenário de queda da divisa americana.

Peça dourada

Na contramão, o ouro é um dos ativos que costumam se valorizar quando a tendência da moeda americana é de queda. Nas projeções feitas pela Genial Investimentos, por exemplo, a moeda pode chegar aos R$ 3,70 no médio prazo.

Diante desse cenário, o ouro entra como um seguro que pode amortecer as possíveis perdas que você tenha na carteira em função das oscilações do câmbio. Quem explica é o responsável pela mesa institucional de futuros da plataforma, Roberto Motta.

“Por conta do cenário externo mais negativo de desaceleração mundial e das perspectivas melhores de ajuste fiscal com a aprovação da Previdência, o dólar deve cair. Com isso, o ouro seria a melhor opção para quem deseja se proteger e diversificar os investimentos porque a cotação tende a subir”, destaca o especialista.

E algumas gestoras já estão de olho no ativo desde o começo do ano. Ricardo Kazan, um dos sócios da Novus Capital, conta que a casa montou uma posição razoável no ouro — e que ela foi responsável por garantir uma das melhores performances de um de seus fundos até agora.

Kazan ainda disse que o foco da gestora está em montar posições que apostam na desvalorização do dólar frente ao real e na consequente subida do ouro.

Para ele, apenas dois fatores poderiam atrapalhar a possível queda do dólar: a não-aprovação da reforma da Previdência ou uma mudança de direção do Fed no corte de juros, com possíveis sinais de que a economia americana não está desacelerando. Porém, Kazan vê ambas as opções como pouco prováveis, diante do cenário para o qual caminha a economia.

De qualquer forma, o investidor deve ter sempre em mente que em um cenário bastante negativo para o economia mundial com dólar desvalorizado em relação ao real, o ouro terá vantagem entre os seguros. E é nele que você deverá se apoiar.

Então é melhor fugir do dólar?

Não é bem assim. Para os investidores, o dólar é um ativo de proteção. Você já percebeu que quando o mercado se assusta, geralmente, o Ibovespa cai e o dólar sobe?

Se você leu as outras matérias do especial do Seu Dinheiro sobre Onde Investir no 2º Semestre você deve ter percebido que o mercado está otimista para a bolsa. Só que o tão sonhado ciclo de alta do Ibovespa depende de fatores que ainda são incertos, como a aprovação de uma reforma da Previdência robusta.

Se ela sair, maravilha, quem comprou bolsa deve ganhar um bom dinheiro. Mas e se o texto não passar no Congresso ou sofrer uma "desidratação" que compromete o ajuste fiscal? Será um duro golpe para o investidor da bolsa. É por isso que é importante você ter alguma posição comprada de dólar na sua carteira para proteger parte do seu dinheiro de um golpe como esse.

Nunca é demais se assegurar antes de entrar de cabeça no xadrez. Uma boa opção é variar os investimentos, movendo ora a peça do câmbio, ora a do ouro, ora os demais ativos. Afinal, nada melhor que ter as peças bem posicionadas para tentar dar um xeque-mate.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

EXCLUSIVO PREMIUM

O rei das emergências: os melhores fundos para a sua reserva de curto prazo

Conheça os três fundos DI que não possuem taxa de administração e saiba até quando é mais interessante investir nesses tipos de fundo ou no Tesouro Selic

Quando o dinheiro morre

O novo paradigma de Ray Dalio e um apelo para a compra de ouro

Gestor da Bridgewater compartilha sua avaliação sobre como a atuação dos BCs, juros negativos e endividamento crescente vão mudar a cara do mercado

Entrevista

Fuja da bolsa americana e compre ouro, diz analista da Crescat

Otavio Costa é um brasileiro que trabalha no mercado americano e se soma à corrente que acredita em recessão nos EUA e problemas de crédito na China. Cenário que faz do ouro a melhor opção no momento

Roupa nova

Banco Inter dará início às negociações com units na bolsa na sexta-feira

Os certificados de ações terão o código BIDI11 e representam duas ações preferenciais (PN) e uma ordinária (ON) do Banco Inter, que também vai aderir ao Nível 2 de governança da bolsa e estuda captar R$ 1 bilhão em uma oferta de ações

Vai uma carona aí?

Uber completa cinco anos de Brasil com 2,6 bilhões de viagens

Se você acha que anda muito de Uber, olha só isso: o usuário que mais usou o Uber no Brasil nesses últimos cinco anos fez mais de 5 mil viagens pelo app, o que corresponde a cerca de 3 viagens de Uber por dia. Haja boleto!

De olho na Venezuela

Bolsonaro: “É importante buscar solução para Venezuela, até Evo se posicionou

Segundo o presidente, não ficou surpreso com o posicionamento de Morales, uma vez que o chefe de Estado boliviano já havia dados sinais positivos quando decidiu prender o italiano Cesare Battisti

Ainda sobre Eduardo

Para Mourão, indicação de Eduardo para embaixada nos EUA está dentro do padrão

“Dentro das regras da escolha para quem não é da carreira diplomática, ele está dentro do padrão. É uma decisão do presidente. Decisão a gente não discute”, disse.

Fracasso de crítica

A base de assinantes da Netflix cresceu menos que o esperado — e o mercado reagiu mal

Os resultados trimestrais da Netflix decepcionaram o mercado, em especial os números de expansão de novos usuários. Como resultado, as ações despencaram no after market de Nova York

Seu Dinheiro na sua noite

Posto Ipiranga entre o FGTS e a reforma

As histórias que mexeram com o Seu Dinheiro hoje

Há limite para o Magalu?

Ações do Magazine Luiza já subiram mais de 30% neste ano. Para o Bradesco BBI, há espaço para mais

Apesar dos ganhos expressivos dos papéis do Magazine Luiza nos últimos anos, o Bradesco BBI acredita que os papéis ainda podem subir mais, uma vez que a empresa possui boas perspectivas para surfar a nova onda do e-commerce

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements