Menu
2019-04-16T12:52:44+00:00
Expectativas altas

Mourão: confiança na economia irá se recuperar com a aprovação da reforma

Hamilton Mourão se reuniu com o vice-presidente norte-americano, Mike Pence, gerando estranheza em autoridades norte-americanas. Segundo Mourão, a ideia era fazer um “aproveitamento de êxito” e tirar vantagem do que ele considerou como o momento de empatia entre Trump e Bolsonaro.

9 de abril de 2019
7:46 - atualizado às 12:52
Hamilton Mourão nos Estados Unidos
Hamilton Mourão durante viagem aos Estados Unidos - Imagem: Romério Cunha/VPR/Agência Brasil

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, afirmou nesta segunda-feira,8, que a confiança da população na economia vai se recuperar quando o Congresso aprovar a reforma da Previdência. Ele novamente afirmou que o governo "não tem varinha de condão". "Pode ser que as expectativas das pessoas estivessem muito altas", afirmou.

"Para o Brasil avançar, ele precisa das reformas e inicialmente a da Previdência faz parte desse pacote", avaliou o vice-presidente. "Nós temos clareza do que queremos, precisamos dessas reformas, independente de serem populares ou não e temos que ter paciência para negociar com Congresso", afirmou Mourão a jornalistas.

Antes, ele se reuniu com o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence. Na reunião, Mourão disse ter comentado com o americano que há mais de 30 partidos diferentes no Brasil e por isso é preciso de "diálogo permanente" com o Congresso. Segundo ele, o americano brincou: "talvez aqui eu preferisse ter esses 30 do que dois".

Antes de desembarcar em Washington, Mourão passou com Boston, para participar do Brazil Conference, evento organizado por estudantes brasileiros das universidades de Harvard e do MIT. Segundo Mourão, no local ele teve uma conversa "muito boa" com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que também participava do evento. "Temos muita convergência de pensamento e posições", disse Mourão sobre Toffoli.

Ele não quis comentar a prisão dos dez militares do Exército em flagrante pelo envolvimento no fuzilamento do carro de uma família em Guadalupe, na zona norte do Rio, no domingo, 7. O músico Evaldo Rosa dos Santos, de 46 anos, morreu depois que o carro foi alvejado por mais de 80 tiros.

"Estou tomando conhecimento agora, o que eu soube pela manhã é que uma patrulha do Exército tinha sido emboscada por uma quadrilha de narcotráfico. Foi o último dado que eu sabia", afirmou Mourão, que disse não ter conhecimento sobre a prisão.

Mike e Tony

Na entrevista aos jornalistas, Mourão respondeu perguntas em português, inglês e espanhol. No início da conversa com a imprensa, o assessor de Mourão avisou que o vice-presidente estaria apto a responder perguntas nas três línguas. "E em francês", emendou Mourão. O vice-presidente disse que a intenção da visita a Pence, em Washington, era abrir caminho de diálogo entre os dois. "Nós criamos aquele sentimento de que posso pegar um telefone e ligar para ele. Eu chamo ele de Mike, ele chama de Tony e está tudo bem", disse Mourão.

A visita do vice-presidente, menos de 20 dias depois da passagem do presidente Jair Bolsonaro pelos Estados Unidos para encontro com Trump, gerou estranheza em parte das autoridades americanas. Segundo Mourão, a ideia era fazer um "aproveitamento de êxito" e tirar vantagem do que ele considerou como o momento de empatia entre Trump e Bolsonaro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Disputa com Centauro

Magazine Luiza contra-ataca e eleva oferta pela Netshoes para US$ 93 milhões

A varejista decidiu elevar a oferta pelo site de produtos esportivos para US$ 3,00 por ação depois que a Centauro entrou na disputa com uma oferta hostil lançada na quinta-feira

Nas ruas do país

“Pergunta para o povo”, diz Bolsonaro, sobre manifestações

Perguntado sobre a quantidade de pessoas nas ruas, Bolsonaro declarou que as “imagens valem mais do que mil palavras”

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements