Menu
2019-04-05T15:40:17+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Que bicho é esse?

Marcação a mercado: o “fenômeno” que pode fazer você perder dinheiro ou ter retornos de dois dígitos com renda fixa e fundos

Não entende por que seus títulos públicos valorizaram tanto? Ou então porque o seu fundo de debêntures incentivadas está dando retorno negativo? A marcação a mercado explica

16 de março de 2019
5:30 - atualizado às 15:40
pescaria renda fixa
Marcação a mercado possibilita gestão ativa, mas não deve assustar quem investe passivamente. - Imagem: Pomb

Você abre o seu extrato do Tesouro Direto e percebe que o seu saldo em Tesouro IPCA+ está menor do que na semana anterior. Ué, mas não é renda fixa? Eu já não contratei uma rentabilidade de x% acima do IPCA? Quando pergunta para o seu assessor de investimentos ou faz uma rápida pesquisa no Google, descobre o nome do “fenômeno” responsável pelo resultado negativo: a marcação a mercado.

Mas afinal, que negócio é esse? Se você ainda não entende o que é essa tal de marcação a mercado de que tanto falam por aí, hoje é o seu dia.

A marcação a mercado é a atualização, normalmente diária, do preço de um ativo de renda fixa ou da cota de um fundo de investimento. Grosso modo, ela permite que você saiba o preço de mercado atual do ativo, isto é, quanto obteria se o vendesse ou o resgatasse hoje.

Embora seja comum a todos os títulos de renda fixa e fundos de investimento, a marcação a mercado fica mais evidente para quem investe em títulos públicos e debêntures prefixados ou atrelados à inflação, bem como nos fundos que aplicam nesses ativos.

Isso porque muita gente se surpreende ao ver seu saldo eventualmente minguar nesses investimentos, uma vez que a maioria das pessoas não espera que seja possível perder dinheiro na renda fixa. Mas é.

Marcação a mercado na renda fixa

Os títulos de renda fixa, públicos ou privados, têm a sua rentabilidade já conhecida no momento do investimento. Eles podem ser pós-fixados, pagando a variação de uma taxa de juros (Selic/DI); prefixados, pagando um percentual pré-determinado; ou uma mistura das duas coisas, pagando uma taxa prefixada e a variação de um índice de inflação.

A marcação a mercado dos títulos pós-fixados atrelados às taxas básicas de juros em geral não gera sobressaltos nos investidores. Como o valor aplicado nesses ativos é atualizado diariamente pela Selic ou pela taxa DI, a tendência é que os preços - e o saldo investido - cresçam diariamente.

Assim, no vencimento, o investidor recebe um valor maior do que investiu, em termos nominais. Mas seu retorno também será positivo caso ele faça a venda ou resgate do papel antes do vencimento. Ao menos é assim que funciona num país em que as taxas de juros são positivas, como no Brasil.

Agora, a marcação a mercado de títulos prefixados e atrelados à inflação pode causar muita confusão nos investidores.

Estou falando de títulos públicos como o Tesouro IPCA+ e o Tesouro Prefixado (NTN-Bs, LTNs e NTN-Fs), bem como as debêntures, títulos de dívida emitidos por empresas. Ao menos para ficar em exemplos que costumam ser mais acessados pela pessoa física.

A marcação a mercado desses papéis evidencia que seus preços podem tanto subir quanto cair. Isso se deve à maneira como esses títulos de renda fixa são precificados, isto é, como seus preços são calculados.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Eu já expliquei aqui no Seu Dinheiro a lógica de precificação dos títulos públicos e privados de renda fixa, caso você ainda não esteja familiarizado com ela.

Mas, resumidamente, os preços atuais desses títulos são determinados pela remuneração que eles pagam; esta, por sua vez, é influenciada pelas expectativas do mercado para as taxas de juros - notadamente a taxa DI - até a data de vencimento de cada título.

Estes papéis já pagam uma quantia definida no vencimento. Seu preço de mercado atual consiste no seu preço futuro descontada a sua remuneração no vencimento.

Assim, se a expectativa é de uma taxa de juros mais alta, as remunerações dos títulos tendem a subir, e seus preços atuais tendem a cair; quando a expectativa é de queda nos juros, as remunerações dos títulos tendem a cair, e seus preços atuais sobem.

A marcação a mercado é simplesmente o processo que atualiza diariamente essas perspectivas de mercado nos preços dos títulos.

Se você ficar com um título prefixado ou atrelado à inflação até o vencimento, receberá exatamente a rentabilidade acordada na hora da compra. Mas se o vender antes do final do prazo, pode receber um retorno maior ou menor - em certos casos, até negativos. Afinal, o título é vendido sempre pelo seu preço de mercado atual.

Essa volatilidade dos papéis de renda fixa permite que os investidores possam ter não só retornos passivos, como também negociar os títulos ativamente, obtendo retornos dignos de bolsa. Nesta outra matéria, eu falei sobre a hora certa de comprar títulos públicos.

Em suma, sua carteira de títulos de renda fixa será marcada a mercado. Mas se sua intenção for ficar com os papéis até o vencimento, você não precisa se preocupar muito com isso.

Marcação a mercado dos fundos de investimento

Os fundos de investimento têm seu patrimônio dividido em cotas, pedacinhos que são comprados pelos investidores, os cotistas.

Assim como os títulos de renda fixa, as cotas dos fundos de investimento também sofrem marcação a mercado, para que os cotistas sempre recebam a remuneração correta no resgate, sem que haja transferência de lucro ou prejuízo entre eles

A marcação a mercado, portanto, garante que as cotas dos fundos sejam sempre negociadas pelo seu valor de mercado.

O preço da cota de um fundo numa determinada data reflete o preço de mercado de todos os ativos que compõem a carteira do fundo naquele dia. Basicamente, o preço da cota é o resultado da marcação a mercado da carteira do fundo.

Assim, somam-se os valores diários de todos os ativos da carteira, e este resultado é dividido pelo número de cotas. Vem daí o desempenho positivo ou negativo dos fundos de investimento.

Os preços de mercado diários de alguns ativos são divulgados publicamente. É o caso dos preços dos títulos públicos, divulgados diariamente pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Ou ainda dos preços das ações, baseados nos valores médios diários de negociação dos papéis, divulgados pela B3.

Fundos que investem em outros fundos tomam por base os preços das cotas dos fundos nos quais investem. Já os ativos que não são negociados em mercado regulado ou que não tenham liquidez devem ser precificados pelo administrador do fundo.

A marcação a mercado das cotas de um fundo de ações, por exemplo, é mais intuitiva para os investidores, uma vez que todos estamos acostumados a ver os preços das ações a subirem e descerem todos os dias.

O preço da cota de um fundo de ações em determinada data simplesmente resulta da valorização ou desvalorização das ações que compõem sua carteira naquele dia.

Já os fundos de renda fixa e os multimercados que investem que títulos de renda fixa prefixados e atrelados à inflação sofrem a flutuação típica dos preços desse tipo de ativo.

É o caso dos fundos IMA-B, também chamados de fundos de inflação, ou dos fundos de debêntures incentivadas, cada vez mais populares entre as pessoas físicas.

Alguns desses fundos focam em lucrar com a valorização dos papéis da carteira, fazendo gestão ativa dos títulos; outros focam em lucrar com a rentabilidade contratada, levando os títulos até o vencimento. Mas mesmo estes últimos precisam passar pela marcação a mercado, tendo o preço das suas cotas atualizado todos os dias.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De olho na Previdência

Onyx: “relatório da reforma vai permitir país incluir palavrinha previsibilidade”

“O Brasil estará equilibrado pelos próximos 10 anos ou 15 anos”, acrescentou Lorenzoni, apesar de Guedes ter dito na semana passada que, com o texto de Moreira, o próximo governo já teria de fazer outra reforma

perdido com os centavos?

Novo cofrinho de poupança? Neon anuncia função de investimento de trocados em CDB

Função que começa a ser implantada neste mês permitirá que usuários destinem parte de pagamentos no débito para aplicações automáticas em CDB

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

em busca do primeiro bilhão

Como Rihanna se tornou a artista feminina da música mais rica do mundo

Cantora pop acumulou uma fortuna de US$ 600 milhões, mas para isso ela teve de investir mais do que em música

segue o jogo

Caso Levy não atinge a Câmara, diz Rodrigo Maia

Maia fez o comentário em entrevista à emissora BandNews ao ser questionado sobre o pedido de demissão do agora ex-presidente do BNDES Joaquim Levy

Cortar ou não cortar?

Ex-diretores do BC se dividem sobre juros

Os que defendem ao menos um aceno ao corte no comunicado dão ênfase à avaliação da modelagem que considera a longa permanência da taxa de desemprego elevada e a ociosidade da economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements