Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Novo ciclo

Crédito cresce 5,5% em 2018 e marca primeira alta real desde 2014

Desempenho reverte quedas nominais de 0,5% em 2017 e de 3,5% em 2016. Crédito livre e bancos privados puxam a recuperação

29 de janeiro de 2019
11:09
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Depois de dois anos de contração nominal e três de retração real (descontada a inflação), o mercado de crédito apresentou recuperação em 2018. A alta nominal do estoque foi de 5,5%, para R$ 3,26 trilhões. Em termos reais o avanço foi de 1,7%.

Em comparação com o Produto Interno Bruto (PIB) esse estoque representa 47,4%, breve alta em comparação com os 47,2% de 2017, e interrompendo uma sequência de dois anos de retração. Na máxima recente, o crédito/PIB esteve ao redor de 53%.

Os dados de 2018 mostram uma profunda transformação do mercado, que parece estar em condições de experimentar um novo ciclo de crescimento sustentado depois da “ressaca” promovida pelo exagero de atuação estatal que se observou desde a crise de 2008.

O crescimento do ano é creditado exclusivamente ao mercado livre, que teve crescimento de 11,2%, para R$ 1,762 trilhão, maior desde 2012, enquanto o crédito direcionado recuou 0,6%. A perda dinamismo do crédito direcionado vem desde o fim de 2016 e reflete não as condições de mercado, mas sim uma decisão do governo que reduzir o tamanho do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e deixar de usar os demais bancos públicos como instrumento de política para fiscal.

O conjunto dos bancos públicos completou o terceiro ano seguido de retração, com a carteira encolhendo 0,5%, para R$ 1,664 trilhão. Os privados nacionais tiveram crescimento de 11,7%, para R$ 1,110 trilhão, melhor resultado desde meados de 2012. Os estrangeiros tiveram avanço de 14,2%, para R$ 485 bilhões.

No auge das políticas anticíclicas de Guido Mantega e Dilma Rousseff, a expansão da carteira dos bancos públicos chegou a ser de 40%. O movimento foi liderado pela expansão, em mesmo ritmo, do crédito do BNDES, que fecha 2018 com baixa de 8,9%, marcando o terceiro ano de retração.

A tese é que quanto maior o crédito direcionado, que é definido pelo governo, maior o custo do dinheiro para os demais tomadores que não têm acesso às linhas do BNDES e de outros programas governamentais. É a teoria da “meia entrada”, quem acessa o crédito direcionado paga meia entrada nos juros, enquanto o restante paga a entrada inteira e mais um pouco para compensar esse favorecimento a setores escolhidos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Juros

A taxa média de juro do sistema fechou o ano em 23,3% contra 25,6% no fim de 2017 e 32,2% no encerramento de 2016. Considerando os recursos livres para as pessoas físicas, a taxa média ficou em 35,6%, recuando de 40,3% em 2017 e de 51,8% em 2016.

O famigerado spread, diferença entre o custo do dinheiro para o banco e para o tomador final, encerrou o ano em 17 pontos percentuais, contra 18,9 pontos um ano antes. Já a taxa de captação dos bancos foi de 6,3% ao ano, recuando de 6,7% em 2017.

Inadimplência

A taxa média de calotes fechou 2018 em 2,9%, entres as menores da série histórica. Olhando a inadimplência com recursos livres para pessoas físicas, a taxa foi de 3,8%, também entre as menores, recuando de 4,9% em 2017 e 5,6% em 2016.

No lado das empresas, os dados mostram um retorno às médias históricas depois de um período taxas recordes e calotes na linha dos 6%. A taxa média fechou o ano em 2,7%, sugerindo uma “limpeza” de balanços, que já vem permitindo uma retomada do crédito, que avançou 11,3%, para R$ 974 bilhões, considerando recursos livres.

Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu