Menu
2019-09-16T06:11:16+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Volatilidade inesperada

Ataque a instalações sauditas de petróleo agita mercados antes do Fed

16 de setembro de 2019
6:11
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais iniciam a semana sob o inesperado peso da volatilidade depois dos ataques perpetrados no fim de semana por rebeldes iemenitas contra instalações sauditas de petróleo.

Bombardeios aparentemente realizados com mísseis e a ajuda de drones resultaram na paralisação de metade da produção de petróleo da Arábia Saudita, retirando de circulação mais de 5% da produção mundial da commodity. Como resultado, os contratos futuros de petróleo iniciaram a semana com altas superiores a 10%.

Rebeldes iemenitas reivindicaram a autoria dos ataques de sábado e funcionários do governo dos Estados Unidos, aliados dos sauditas, apressaram-se em responsabilizar o Irã em vista do alinhamento da insurgência houthi com Teerã.

Os norte-americanos, no entanto, não apresentaram até o momento provas para sustentar suas alegações. Já o governo iraniano nega qualquer vínculo com as explosões, apesar de sua conhecida proximidade com os rebeldes.

Mudanças no tabuleiro do Oriente Médio?

As reivindicações, acusações e negativas parecem seguir um roteiro pré-definido enquanto a volatilidade no Oriente Médio só faz crescer. Com o apoio dos Estados Unidos, a Arábia Saudita vinha bombardeando há anos alvos rebeldes no Iêmen sem sofrer reações dignas de nota.

O ataque rebelde do fim de semana, além de demonstrar capacidade de resposta estratégica e a vulnerabilidade das instalações sauditas de petróleo, tem o potencial de resultar em uma virada de jogo no tabuleiro do Oriente Médio no caso de ir além de uma reação pontual, elevando temores em relação a uma escalada no conflito.

O governo saudita afirma que “em breve” um terço da produção afetada estará normalizada. Por sua vez, especialistas advertem que o restabelecimento da produção saudita deve ocorrer somente dentro de algumas semanas.

Ainda assim, os bombardeios trazem à tona uma volatilidade inesperada em uma semana que tenderia a avançar em compasso de espera até a tarde de quarta-feira, quando o Federal Reserve Bank dos Estados Unidos anunciará sua decisão de política monetária.

Analistas advertem que a alta do petróleo provocada pelos ataques tem o potencial de sinalizar aumento das pressões inflacionárias e disseminar aversão generalizada ao risco, contendo o momento de juros baixos nos Estados Unidos, estabelecendo um limite aos mercados de ações e fortalecendo o dólar contra as demais moedas.

Não bastasse a tensão geopolítica, os dados chineses de produção industrial e vendas no varejo referentes a agosto registraram desaceleração e vieram abaixo da expectativa dos analistas. Como resultado, as principais bolsas de valores asiáticas fecharam hoje em baixa. Já os mercados de ações europeus abriram em queda generalizada.

Com isso, os ativos financeiros locais devem abrir a semana sob intensa pressão dos eventos externos, com os investidores de olho nos sinais da pesquisa Focus sobre as expectativas econômicas dos agentes do mercado financeiro e do IGP-10 da Fundação Getúlio Vargas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

De olho na economia

Armínio Fraga vê ‘obscurantismo’ e ambiente ‘envenenado’ como entraves à economia

Fraga destacou que o Brasil nunca investiu tão pouco na sua história e que para destravar o investimento será preciso dar mais clareza em áreas que vão além da econômica, como “temas de natureza distributiva”

Novidades à vista?

Petrobras negocia potencial consórcio para leilão de pré-sal, diz presidente

Muitas das maiores petroleiras do mundo, entre elas ExxonMobil, Royal Dutch Shell e BP, além da própria Petrobras, estão registradas para participar da disputa, marcada para 6 de novembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

As duas faces do dólar

No filme “As duas faces de um crime”, o eterno canastrão Richard Gere faz o advogado oportunista que defende um jovem acusado de assassinato. A coisa complica quando ele descobre que o garoto interpretado por Edward Norton sofre de múltiplas personalidades. Eu me lembro do filme toda vez que tento encontrar alguma explicação para o […]

Na gringa

Campos Neto: O que foi prometido está sendo entregue

Em encontros no exterior, presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, passa a mensagem de que existe um plano de reinvenção do país com dinheiro privado

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: O cabo de guerra no PSL

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Situação delicada

Papéis da Boeing caem 7% em NY com notícia de que companhia pode ter “enganado” FAA

De acordo com o periódico, o piloto Mark Forkner teria reclamado que o sistema conhecido como MCAS, na sigla em inglês, o teria deixado em apuros dois anos antes dos acidentes que tiraram a vida de várias pessoas

Boas novas

Ações da Eletrobras sobem após MME dizer que pode encaminhar PL sobre privatização da empresa até início de novembro

De , a proposta do governo federal para a privatização da Eletrobras ainda é a capitalização, com a diluição da participação da União na holding elétrica

nos eua

Reservas são vistas como seguro e não se fala em mudar isso, diz presidente do BC

Campos Neto mencionou que o que se lê sobre os altos custos para se manter as reservas internacionais no Brasil “não é a realidade” e que nos últimos 15 anos, os custos se igualaram às receitas

no velho continente

Há ‘sinais leves’ de supervalorização dos mercados, diz presidente do Banco Central Europeu

Draghi destaca ainda que o setor financeiro não bancário da zona do euro continua tomando risco, mas pontua que a resiliência do setor bancário permanece “sólida”

entrevista

‘Huck vai deixar de ser celebridade e ser líder?’, questiona FHC

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) assiste com ceticismo as articulações do apresentador global

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements