Menu
2019-10-24T13:53:55+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
fazendo as contas

BNDES desembolsa R$ 38 bilhões no ano até setembro

Cifra representa queda nominal (sem descontar a inflação) de 13% ante igual período de 2018. Em termos reais, o tombo foi de 15,8%

24 de outubro de 2019
13:53
BNDES
Imagem: Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberou R$ 38,032 bilhões no período de janeiro a setembro, queda nominal (sem descontar a inflação) de 13% ante igual período de 2018. Em termos reais, o tombo foi de 15,8%, levando o banco de fomento ao tamanho que tinha na década de 1990.

Em valores constantes, os desembolsos acumulados em 2019 até setembro registraram o menor valor desde 1999, quando foram liberados R$ 38,085 bilhões. O freio no BNDES foi visto também nas aprovações de novas operações e nas consultas, primeira etapa do processo de pedido de crédito no banco, indicador normalmente usado como termômetro do apetite das empresas por investimentos.

As aprovações somaram R$ 32,305 bilhões, queda nominal de 35% em relação aos nove primeiros meses de 2018. Em termos reais, a queda foi de 37,6%, levando o total aprovado no acumulado de janeiro a setembro para o menor nível para esse período desde 1995, quando foram aprovados R$ 29,191 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Procura por crédito

Nos dados das consultas, a procura por crédito para investimentos registrou recorde de baixa na série histórica do BNDES, iniciada em 1995.

De janeiro a setembro deste ano, foram R$ 40,211 bilhões em consultas, queda nominal de 49% ante igual período de 2018. Em valores constantes, a queda de 51,2% deixou as consultas R$ 12 bilhões abaixo dos R$ 52,392 bilhões registrados de janeiro a setembro de 1995.

A desagregação dos desembolsos do BNDES até setembro deste ano mostram que o freio no tamanho do banco de fomento passou por uma maior prioridade aos projetos de infraestrutura. Para esse setor, o banco liberou R$ 17,357 bilhões, queda nominal de 1% em relação a igual período de 2018.

As quedas nominais nos desembolsos foram bem mais elevadas nos projetos industriais (22%, para R$ 6,320 bilhões) e para empresas de comércio e serviços (51%, para R$ 4,157 bilhões). Na contramão, o setor agropecuário recebeu R$ 10,198 bilhões do BNDES, alta nominal de 9% em relação aos nove primeiros meses de 2018.

*Com  Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O vai e vem dos mercados

Bolsas de Nova York fecham sem direção única, com S&P 500 em patamar recorde de fechamento

O índice Dow Jones fechou estável, em 27.784,61 pontos, o Nasdaq teve leve recuo de 0,04%, a 8.479,02 pontos, e o S&P 500 subiu 0,09%, a 3.096,82 pontos

Seu Dinheiro na sua noite

Show dos atrasados

Uma importante tradição da internet brasileira foi quebrada neste ano. Estou falando do #ShowDosAtrasados do Enem. As imagens de pessoas desesperadas chegando para a prova depois do horário simplesmente não aconteceram. Mas, no mercado financeiro, os atrasados de sempre não decepcionaram. Que o diga a agência de classificação de risco Fitch, que decidiu hoje manter […]

Investimento em ação

Petrobras inicia produção de petróleo e gás natural na plataforma P-68

Plataforma, do tipo FPSO, está localizada a aproximadamente 230 km da costa do Estado do Rio de Janeiro

220% do PIB

Dívida de países emergentes vai a US$ 71,4 trilhões e tem novo recorde histórico

Dados do IIF mostram que Chile, Coreia do Sul e Argentina foram os mercados onde os passivos mais aumentaram na comparação ano a ano

Definindo estratégias

Em encontro do PT, Lula diz que partido não nasceu para ser sigla de apoio

Comentário foi feito em meio a discussões de que o PT poderia compor candidaturas de outros partidos de esquerda nas eleições municipais do ano que vem

320% do PIB

Dívida global bate novo recorde a US$ 250 trilhões

Levantamento é do Instituto Internacional de Finanças (IIF) que estima que endividamento vai continuar subindo até o fim do ano

Tesourada mexicana

Banco Central do México corta taxa de juros em 25 pontos-base, para 7,5%

Decisão foi tomada por maioria, mas dois dirigentes votaram por um corte maior, a 7,25% ao ano

SUGESTÃO DE LEITURA

Eu falei para minha irmã comprar…

Essa ação é considerada uma “oportunidade de uma vida” ou mesmo “a verdadeira Magazine Luiza”. Os leitores do Seu Dinheiro podem consultar esse conteúdo de graça.

Dúvidas atrás de dúvidas

Bolsas da Europa fecham em queda, com incertezas sobre acordo entre EUA e China

Apesar de resultados econômicos positivos da Alemanha, a cautela no mercado também foi alimentada por dados fracos no Reino Unido e na China

Joia reluzente

A Vivara cresceu no trimestre e já começa a entregar uma das promessas do IPO

A Vivara mostrou crescimento da receita líquida e um aumento importante nas vendas do e-commerce — resultados que deram força às ações da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements