Menu
2019-08-01T15:28:21+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Cautela oficial

Bancos Centrais buscam proteção e compram 374 toneladas de ouro em 2019

Volume de ouro adquirido ao longo do primeiro semestre é o maior desde 2010. Segundo trimestre concentrou a compra de 224 toneladas. Demanda de investidores também foi alta

1 de agosto de 2019
11:21 - atualizado às 15:28
ouro barras
Barras de ouro - Imagem: Shutterstock

Escrevi outro dia sobre como um dos maiores investidores do mundo, Ray Dalio, da Bridgewater, enxergava o ouro como melhor opção de proteção e investimento dentro um novo cenário de juros baixos ou negativos e crescentes tensões sociais e políticas. E quem também está usando ouro como proteção e pelos mesmos motivos são os Bancos Centrais.

Levamento do Word Gold Council (WGC) mostrou que essas instituições compraram 374,1 toneladas de ouro no primeiro semestre, maior demanda desde que os BCs voltaram a comprar ouro em 2010. Esse movimento não é novidade, já que 2018 tinha encerrado com o maior volume de compras dos últimos 50 anos. Um onça (28,35 grama) de ouro em Nova York chegou a bater US$ 1,4 mil dólar no período.

Desse montante do semestre, 224,4 toneladas foram adquiridas ao longo do segundo trimestre, alta de 47% sobre igual período do ano passado. Não por acaso, um trimestre marcado por aumento nas tensões comerciais e geopolíticas, que levantaram dúvidas sobre a capacidade de crescimento da economia mundial.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Quem comprou?

Segundo a WGC, a demanda foi diversificada, com nove BCs comprando ouro ao longo do segundo trimestre. Mas o BC da Polônia foi destaque ao entesourar 100 toneladas no período. Para dar parâmetro, ao longo de todo o ano de 2018, o país tinha adquirido 25,7 toneladas. O presidente do BC polonês, Adam Glapiński, explicou que a compra foi “estratégia”, buscando resguardar o sistema financeiro do país.

Nas contas do WGC, essa compra da Polônia foi a maior já realizada desde novembro de 2009, quando a Índia comprou 200 toneladas do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Com tal movimento, a Polônia desbancou a Rússia, que faz anos vem comprado ouro. No trimestre, o BC russo tomou mais 38,7 toneladas, elevando o total do ano a 94 toneladas. O estoque de ouro russo é de 2.207 toneladas, ou algo como 19% das reservas internacionais do país.

A China fez a compra de 74 toneladas ao longo do semestre. Também compraram ouro os BCs da Turquia (60,6 toneladas), Cazaquistão (24,9 toneladas), Índia (17,7 toneladas), Equador (10,6 toneladas), Colômbia (6,1 toneladas) e Quirguistão (2 toneladas).

Ranking

O WGC também apresentou uma atualização das maiores reservas de ouro, considerando os países que reportam esses números. Estados Unidos são líderes isolados, com mais de 8 mil toneladas, que perfazem 76% de suas reservas.

O leitor deve estar se perguntando do Brasil e do nosso Banco Central (BC) no meio disso. Pelos últimos dados disponíveis, as reservas de ouro não correspondem a 1% das nossas reservas internacionais, de US$ 485 bilhões.

Ouro como investimento

Nas contas do WGC a demanda por ouro como investimento teve uma modesta alta de 1% no segundo trimestres em comparação com 2018. Mas uma olhada mais atenta mostra uma interessante divisão.

A demanda por ouro via fundos de índice (ETF) chegou a 67,2 toneladas, o dobro das 33,8 toneladas do segundo semestre do ano passado. O estoque subiu a 2.548 toneladas, maior dos últimos seis anos. Em termos financeiros, o estoque sob administração subiu a US$ 115,4 bilhões, maior desde abril de 2013.

O “furo” no grupo de investimentos veio principalmente da China, onde ouro em barras e moedas é tradição. No trimestre, a demanda por lá foi de 49,5 toneladas, queda de 30% em comparação com as 69,5 toneladas do segundo trimestre de 2018, e menor volume desde 2016.

A WGC fala em realização de lucros, depois que o ouro bateu, em junho, o maior preço em mais de seis anos no mercado chinês. Aceno do BC chinês de que manterá a estabilidade da moeda, também conteve a demanda por lá.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements