Menu
2019-11-13T08:58:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
OLHO NOS NÚMEROS

MRV, Copel e Cogna: os balanços que movimentam os mercados nesta quarta-feira

Maratona de números promete movimentar a bolsa. Para que você não perca nenhum detalhe importante dos resultados, o Seu Dinheiro separou os principais números de cada empresa

13 de novembro de 2019
8:56 - atualizado às 8:58
balanço relatório crescimento
Imagem: Shutterstock

A temporada de resultados empresariais do terceiro trimestre de 2019 segue nesta quarta-feira (13) com grandes destaques da bolsa. Entre a noite de ontem e a manhã de hoje ao menos três empresas divulgaram seus resultados.

A maratona de números ajuda a movimentar a bolsa brasileira. Ontem, o Ibovespa terminou o dia em baixa de 1,49%, aos 106.751,11 pontos. O dólar à vista fechou em alta de 0,57%, a R$ 4,1665. Veja como deve ser o dia dos mercados na Bula.

Mas para que você não perca nenhum detalhe importante dos resultados trimestrais das empresas, o Seu Dinheiro separou os principais números de cada companhia. Confira como foi o trimestre de MRV, Copel e Cogna.

MRV

A MRV, maior operadora do Minha Casa Minha Vida (MCMV), teve uma queda em seu lucro líquido no terceiro trimestre deste ano devido a redução do valor médio de subsídio por imóvel dentro do programa habitacional após uma mudança de regra no fim do ano passado, aumento no preço do aço e do concreto, entre outras coisas. A incorporadora ainda teve uma expansão do uso de mão de obra próprio no lugar de terceirizados. Em paralelo, a companhia passou a adotar o modelo de paredes de concreto em substituição à alvenaria tradicional, o que gerou uma perda de produtividade temporária para aprendizado por parte das equipes. Esses fatores provocaram uma queda de 3,6 pontos porcentuais na margem bruta, que recuou para 29,5%.

  • Lucro líquido: R$ 160 milhões (↓8%)
  • Ebitda (potencial de geração de caixa): R$ 248 milhões (↑4,2%)
  • Receita: R$ 1,569 bilhão (↑16,1%)

Copel

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) registrou lucro líquido de R$ 613 milhões no terceiro trimestre deste ano, o que representou um avanço de 42,4% em relação ao mesmo trimestre de 2018. Segundo a companhia, o resultado é explicado, em grande parte, por itens não recorrentes referentes à reversão de R$ 183,6 milhões de impairment de ativos de geração, ao resultado do trânsito em julgado da ação em que a Compagas discutia a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Pasep e Cofins, com efeito de R$ 100,9 milhões na receita operacional, e pelo resultado positivo de R$ 82,8 milhões referente ao valor justo na compra e venda de energia da Copel Comercialização, parcialmente compensados pelo registro de R$ 136,5 milhões com impairment e baixas dos valores decorrentes de desativação de ativos de telecomunicações.
  • Lucro líquido: R$ 613 milhões (↑42,4%)
  • Ebitda (potencial de geração de caixa): R$ 1,201 bilhão (↑40,5%)
  • Receita: R$ 4,253 bilhões (↓1,3%)

*Mais informações em breve

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

UM DOS IPOs DO ANO

Presidente da XP diz que não descarta listar a companhia na bolsa brasileira

O executivo disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou “como disruptora do mercado local, democratizando investimentos”

POLÍTICA

Justiça derruba suspensão de deputados do PSL; Joice pode perder liderança

Nesta quarta-feira, Joice foi confirmada líder do PSL na Câmara e em sua primeira coletiva no cargo afirmou que vai buscar uma pacificação na bancada

Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A última superquarta do ano

Nesta última superquarta de 2019, o mercado ficou em compasso de espera pelas decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, e do Banco Central brasileiro. No meio da tarde, o Fed anunciou a manutenção das taxas de juros, interrompendo um ciclo de três reduções consecutivas. Mas como o resultado já […]

Sessão tranquila

Sem surpresas com o Fed, dólar cai a R$ 4,11 e Ibovespa fecha em leve alta

A primeira parte do script imaginado pelos mercados foi cumprida à risca: o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa de juros no país na faixa de 1,50% e 1,75% ao ano, conforme era esperado pelos agentes financeiros. E, sem nenhuma surpresa, o dólar à vista encontrou espaço para continuar caindo, enquanto […]

Menor juro da história

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,5% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central cortou a Selic mais uma vez

Juros

Banco Central reduz juros para 4,5% ao ano, mas não garante novos cortes

Com a nova redução de 0,5 ponto percentual em decisão unânime tomada pelo Copom, a Selic renova a mínima histórica

Antes tarde do que nunca?

No dia do IPO da XP, CVM lança proposta para facilitar listagem de BDR

Se já estivesse em vigor, a regra permitiria a listagem de recibos de ações da XP na bolsa brasileira. CVM também pretende liberar investimento em BDR para o varejo

SEM BUROCRACIAS

Em evento na CNI, Bolsonaro faz acenos ao empresariado ao criticar “burocracias”

“Cada instrução normativa deve ser muito bem pensada. Deve atender ao interesse do Brasil. Não de grupos”, disse o presidente

MAIS MAGRINHA

Venda de 51% da Gaspetro com 20 distribuidoras deverá ser por IPO, diz Petrobras

“As conversas continuam com a Mitsui e a nossa expectativa é realizar a transação no mercado de capitais. Em 2015 a Petrobras vendeu 49% da empresa para a Mitsui e agora vamos vender nossa parte em bolsa”, disse Castello Branco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements