Menu
2018-12-05T16:27:11+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Audiência Pública

Atuação firme do BC garantiu queda da inflação e juros na mínima histórica, diz Ilan

No Senado, presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, destaca importância de reformas e de medidas tomadas para ampliar a concorrência no sistema financeiro. Ilan também falou de sua saída e fez uma confissão

5 de dezembro de 2018
11:02 - atualizado às 16:27
Ilan-Goldfajn-CAE-DEZ-18
Presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn, participa de audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), no Senado Federal, em Brasília. - Imagem: Beto Nociti/BCB

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, destacou a atuação firme do Banco Central (BC) como fator que permitiu a queda da inflação e das expectativas e a consequente redução da Selic para a mínima histórica de 6,5% ao ano.

Ilan foi à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE), mas o quórum estava baixo. A sessão começou apenas com o senador Valdir Raupp (MDB-RO) na área destinada aos parlamenteares. Volume, mesmo, só dos colegas jornalistas, mais de dez, no fundo da sala da comissão.

“A atuação firme e transparente do Banco Central nos momentos de maior volatilidade ao longo do ano foi fundamental para a manutenção da funcionalidade de nossos mercados e amorteceu os impactos desses choques sobre preços”, disse.

Essa atuação permitiu, segundo Ilan, a consolidação da inflação em torno da meta e a ancoragem das expectativas de inflação. A consolidação das taxas de juros em níveis historicamente baixos, e a sustentação do processo gradual de recuperação da economia.

Em seu discurso, Ilan falou sobre o cenário desafiador para as economias emergentes agora em 2018. A normalização da política monetária americana provocou um choque de natureza global, mas afetou cada economia de acordo com suas características particulares.

Entre essas características, Ilan destacou a necessidade de financiamento externo e a existência ou não de Banco Central com autonomia. Como exemplo, citou dúvidas sobre essa autonomia do BC na Argentina e na Turquia, países que sofreram mais com a turbulência internacional.

Sobre inflação, Ilan mostrou dados para respaldar a avaliação de que a inflação está na meta e as expectativas ancorada e lembrou que quando chegou ao BC, com inflação de quase 11%, os preços “teimavam em ficar em alta” apesar de as condições serem condizentes com a inflação caindo.

Nesse ponto ele destacou a importância do controle das expectativas e do compromisso do BC em levar a inflação para meta. Atualmente, disse Ilan, tanto os analistas quanto quem negocia no mercado acreditam que a inflação estará na meta nos próximos anos.

Reformas

Ilan afirmou, no entanto, que esses resultados ligados a inflação baixa e juros em mínima histórica só vão poder se manter se continuar o processo de aprovação e implementação de reformas, notadamente as medidas de ajuste fiscal. Esses ajustes são necessários para o funcionamento pleno da política monetária e para a redução da taxa de juro estrutural.

Uma frustração com a continuidade dessa agenda de ajustes e reformas faz parte do balanço de risco do BC e poderia levar a uma retirada de estímulo monetário, ou seja, elevação da Selic.

Ainda de acordo com Ilan, o crescimento esperado de 2,4% para 2019, pode ser ainda maior a depender do andamento das reformas.

Ilan também agradeceu o compromisso da CAE e do Senado com as medidas microeconômicas propostas pela Agenda BC mais, que busca elevar a concorrência no sistema financeiro, como regulamentação da fintechs de crédito e a criação da Letra Imobiliária Garantida (LIG).

Saída do BC

Na sessão de perguntas e respostas, o senador Garibaldi Alves (MDB-RN) fez uma pergunta “atrevida”, segundo ele mesmo, a Ilan. O senador queria saber o motivo de Ilan deixar a presidência do BC.

Ilan voltou a dizer que sua saída foi uma decisão de ordem pessoal, mas acrescentou que vai voltar às origens no setor privado. Ilan foi além e fez uma confissão, dizendo que se o BC tivesse ganhado mandato para seu presidente, talvez não se colocassem as questões pessoais que o levaram a anunciar sua saída da instituição.

Respondendo a perguntas vinda da internet, Ilan alertou sobre o risco dos criptoativos e reforçou que as criptomoedas não podem ser caminho para lavagem de dinheiro.

Ilan foi bastante elogiado pelo presidente da CAE, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e outros membros da comissão que chegaram ao longo da audiência.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Mais casos de corrupção

Líder do governo Bolsonaro no Senado está entre os alvos da Lava Jato com bens bloqueados

Senador Fernando Bezerra Coelho é acusar de cometer desvios em negócios relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras

ninguém mais embarca

Anac anuncia suspensão das operações da Avianca Brasil

Com a medida, estão suspensos todos os voos até que a empresa comprove capacidade operacional para manter as operações com segurança.

Calma, gente

Fala de Guedes sobre eventual saída do cargo não tem tom de ameaça

Ministro Paulo Guedes fez as colocações à “Veja” de forma tranquila, como se disse que: “se não querem meu trabalho, vou-me embora”. Não tem alarme nenhum para ele sair.

Mercado de capitais

Bancos têm R$ 40 bilhões “contratados” em ofertas de ações de empresas na bolsa

Número considera tanto ofertas públicas iniciais de ações (IPO) como de empresas já listadas (follow ons) e pode ser ainda maior, dependendo da aprovação da reforma da Previdência

Deu ruim

Venda da Braskem à Lyondell emperra e complica a situação da Odebrecht

Fator número um para a reticência da Lyondell em comprar a Braskem seria a incerteza gerada pelo projeto de extração de sal-gema em Alagoas

será que ele acertou?

De volta para o futuro: as previsões de George Soros para a política e a economia

Amado e odiado por diferentes grupos, o investidor é o tipo de figura que, ao longo do tempo, adquiriu ares míticos; confira o que Soros já “previu” ao longo do tempo — e o que ele acertou

Próxima etapa do Minha Casa Minha Vida

União doará terrenos para construtoras

Empresa interessada num imóvel do governo terá de se comprometer a bancar a administração condominial de um Minha Casa Minha Vida por 20 ou 30 anos

bateu o martelo!

Cade aprova fatia maior da CaixaPar no Banco Pan

A operação corresponde ao exercício de opção de compra; o BTG, que antes tinha 50,6%, passa a deter também o mesmo porcentual de 41,7%; outros 16,6% do Banco Pan estão distribuídos entre acionistas minoritários.

uma queda atrás da outra

Confiança do comércio cai 54 pontos em maio ante abril, revela FGV

Sondagem do Comércio da FGV também identificou o ambiente político como principal problema a atrapalhar o ambiente de negócios

Exile on Wall Street

Você compraria o seu passado? Ou um portfólio para qualquer maio; ou, ainda, cadê Tereza?

Todos nós sabemos que retornos passados não são garantia de retorno futuro. Um único erro e a gente pode explodir esse negócio — o que, inclusive, me dá um medo avassalador

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements