🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Micaela Santos
Micaela Santos
É repórter do Seu Dinheiro. Formada pela Universidade São Judas Tadeu (USJT), já passou pela Época Negócios e Canal Meio.
DIA DOS NAMORADOS NO CARTÓRIO

Amor, amor, negócios à parte: busca por proteção de bens faz contratos de namoro baterem recorde; saiba como funciona

O documento tem como objetivo reconhecer e formalizar um relacionamento afetivo e também serve para esclarecer que não existe uma união estável entre o casal

Micaela Santos
Micaela Santos
12 de junho de 2024
6:28 - atualizado às 2:05
Relacionamento, amor
Imagem: Pixabay

Que tal levar a amada ou o amado para o cartório neste dia dos namorados e celebrar um contrato de namoro? Pode não soar muito romântico, mas esse tipo de formalização jurídica vem se popularizando nos últimos anos e gerando debates.

Embora tenha começado a ser firmado nos anos 1990, o contrato de namoro caiu mesmo no gosto dos casais a partir de 2016. De lá para cá, o Brasil já registrou 608 contratos de namoro.

Só no ano passado foram celebrados 126 acordos desse tipo em cartórios no País — o que representa um aumento de 35% em relação a 2022, segundo o Colégio Notarial do Brasil (CNB). De janeiro a maio deste ano, 44 documentos foram contabilizados pela CNB.

O que é um contrato de namoro

O contrato de namoro é firmado pelo casal com o objetivo de reconhecer e formalizar um relacionamento afetivo

O documento também é usado para esclarecer que não existe uma união estável entre o casal. 

Dessa forma, o contrato serve para explicitar que não há obrigação financeira ou de divisão de bens entre as partes, já que a união é reconhecida apenas como um namoro. 

Por que fazer um contrato 

Imagine um casal de namorados que, depois de um tempo, resolve terminar a relação. Pouco depois, um dos dois decide entrar com uma ação de dissolução de união estável. 

Se for comprovado que houve uma união estável, o ex-parceiro terá que dividir seus bens adquiridos durante o tempo em que estiveram juntos. É aí que entra o contrato de namoro. 

A vantagem, nestes casos, é evitar dores de cabeça no futuro. No documento, o casal pode deixar claro que, caso aquela relação se torne uma união estável, ficará estabelecido o regime de bens escolhido: separação total, comunhão total ou comunhão parcial de bens

O que é uma união estável?

Além do casamento civil, a união estável é outra forma de constituição de família por meio da comunhão de duas pessoas reconhecida pela lei brasileira. 

Esse tipo de união é caracterizada como um relacionamento público, contínuo e duradouro entre duas pessoas com o intuito de constituir uma família. 

Atualmente, a legislação brasileira não exige que o casal tenha filhos ou more na mesma casa para caracterizar uma união estável. Também não existe tempo mínimo para que seja reconhecida. 

Contudo, a união estável também vai repercutir nas questões patrimoniais do casal. Então, se você deseja formalizar uma declaração com esse tipo de união, saiba que ela tem como padrão o regime de comunhão parcial de bens

Mas, assim como no casamento civil, o casal pode mudar esse regime para separação ou comunhão total de bens. 

Diferenças entre união estável e namoro

Segundo Caroline Pomjé, advogada da área de Direito de Família e Sucessões do Silveiro Advogados, diferentemente da união estável, no namoro, mesmo que o casal adquira seu patrimônio, os bens não são comunicáveis ao término da relação. 

No caso da união estável, o relacionamento passa a ter a incidência de um regime de bens que, consequentemente, traz a necessidade ou não de partilha.

"Justamente por esse motivo o contrato de namoro tem sido bastante utilizado. Ele serve para deixar explícito que aquele casal, naquele momento, vive apenas um namoro", afirma a advogada. "Consequentemente, esse relacionamento não gera impactos patrimoniais."

Com isso, cada vez mais casais que não pretendem dividir bens entre si e preferem não assumir um compromisso mais profundo passaram a buscar meios jurídicos de evitar o reconhecimento de uma possível união estável. 

Para a advogada, as diferenças entre o namoro e união estável são pequenas: “Muitas vezes, o desejo de constituir família pode ser um sentimento íntimo. Por isso, por meio do contrato de namoro, as partes podem firmar, no documento, que elas não possuem o intuito de constituir família, que seria um dos requisitos para formalização de união estável”, afirma. 

Quando o contrato de namoro perde a validade?

Embora não exista um prazo legal estabelecido, Samir Choaib, advogado tributarista da Choaib, Paiva e Justo Advogados Associados, recomenda que o contrato de namoro seja renovado de seis em seis meses, por exemplo. 

“Isso é para ficar claro que aquele casal continua namorando, porque para virar uma união estável é fácil. Eu posso ir namorando e daqui a seis meses já ter virado uma união estável,“ diz Choaib. 

No entanto, ele ressalta que o contrato perde a validade caso o casal já esteja vivendo uma união estável.

“Não adianta estar vivendo em uma união estável com uma pessoa e fazer um contrato de namoro, pois é facilmente comprovável depois que não era um namoro”, disse. 

Além disso, o contrato também deixa de ser válido caso a relação avance para um casamento. 

Como fazer um contrato de namoro

O contrato de namoro pode ser feito em escritura pública, em Tabelionato de Notas, com possibilidade de registro no cartório de Registro de Títulos e Documentos. Também pode ser realizado de forma particular, com a assinatura de testemunhas e reconhecimento de firma. O casal precisa ser maior de 18 anos. 

Além de cláusulas relacionadas ao patrimônio, o contrato de namoro pode incluir questões relacionadas ao dia a dia do casal, como regras sobre presentes durante o relacionamento e até a guarda de animais de estimação. 

O contrato também pode estabelecer multa ou penalidade desde que não viole algum direito fundamental das partes. 

Embora o documento traga segurança jurídica e resguarde o patrimônio e os direitos de cada um dos envolvidos, o contrato de namoro deve ser visto como uma tranquilidade para o casal, segundo Caroline Pomjé. 

Se o casal ainda não quiser fazer, tudo bem. Não existe nenhuma obrigação em relação a isso. No entanto, se um casal quiser deixar mais explícito qual é a vontade daquele momento, se tem alguma obrigação ou algum direito também, o contrato de namoro surge como uma possibilidade, segundo a advogada. 

"O contato é justamente exercitar o desejo da parte. Então é um aliado, ele não vem como uma obrigação. Traz uma maior clareza, uma maior tranquilidade em alguma medida”, diz.

LEIA TAMBÉM:

Compartilhe

informações compartilhadas

Open Finance, esse grande desconhecido dos brasileiros

17 de julho de 2024 - 19:03

Pesquisa mostra que mais da metade da população nunca ouviu falar do sistema criado pelo Banco Central que permite compartilhamento de dados financeiros

PROTEÇÃO AOS PROPRIETÁRIOS

Nova lei diminui riscos de comprador da casa própria perder imóvel por dívida que não é dele, mas ainda há uma ameaça; entenda

17 de julho de 2024 - 6:07

Especialista em direito imobiliário afirma que nova legislação aumenta segurança jurídica, mas ainda não elimina de vez os riscos

AUTOMÓVEIS

Pequena, média ou grande? Um guia completo das picapes à venda no Brasil

14 de julho de 2024 - 7:26

Seja para trabalhar, levar a família ou apenas desfilar, as picapes partem de R$ 100 mil — e tem chinesa a preço avassalador chegando por aí

NOME SUJO?

20 milhões de brasileiros estão no Serasa e não sabem; veja se você é um deles e limpe seu nome

13 de julho de 2024 - 13:57

Pesquisa do Serasa aponta ainda que 51 milhões de pessoas nunca consultaram a situação do próprio CPF

PONTO A PONTO

IVA, cashback, imposto do pecado, carne na cesta básica: entenda a reforma tributária em 11 pontos

12 de julho de 2024 - 10:12

Regulamentação da reforma tributária passou na Câmara e agora precisa ser aprovada pelo Senado antes de seguir para sanção presidencial

Faz um Pix

Mais um vazamento de dados do Pix; BC diz que, desta vez, informações são de clientes da 99Pay

10 de julho de 2024 - 11:33

Exposição de informações de clientes ocorre num momento em que o meio de pagamento registra recordes sucessivos de uso diário

A DINHEIRISTA

A pensão alimentícia que pago está indo inteira para a mãe do meu filho. Ele nem sequer mora mais no Brasil. Posso pedir reembolso?

8 de julho de 2024 - 11:38

Se fôssemos fazer um ranking de temas que mais recebemos dos leitores de A Dinheirista, pensão alimentícia certamente estaria no top 5. São dezenas de dúvidas na nossa caixa de e-mail, em especial depois de um vídeo sobre o assunto ter viralizado nas redes sociais.  A maioria tem um tópico em comum: é possível pedir […]

ONDE INVESTIR NO SEGUNDO SEMESTRE

Dólar: se você ainda não tem uma parte do patrimônio na moeda norte-americana, a hora de investir é agora

8 de julho de 2024 - 6:07

Seja para bancar uma viagem, quitar alguma dívida em moeda forte ou proteger uma parte do portfólio, especialistas avaliam que é hora de comprar

TRANSFERÊNCIA

Passo a passo: saiba como fazer a portabilidade da dívida do cartão de crédito

6 de julho de 2024 - 10:42

Especialistas e órgãos de defesa do consumidor orientam aos clientes para terem cuidado ao escolher a nova instituição para migrar a dívida do cartão de crédito

Grana no fundo da gaveta

Dinheiro esquecido: Banco Central alerta que ainda há bilhões esperando pelos seus donos; veja se você tem algo a receber

5 de julho de 2024 - 19:15

Após mais de dois anos da criação do sistema de identificação de valores a receber, apenas 32% dos correntistas buscaram seus recursos parados

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar