🔴 RENDA MÉDIA DE ATÉ R$238,02 POR DIA COM APENAS 4 CLIQUES – SAIBA COMO

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
MULTIMERCADOS

Ex-colega de Campos Neto no BC, gestor da Itaú Asset aposta em Copom mais rígido com os cortes na Selic daqui para frente

Ex-diretor de política monetária do BC entre 2019 e 2023 — sob o comando de RCN —, o economista Bruno Serra revelou o que espera para os juros no Brasil

Camille Lima
Camille Lima
14 de maio de 2024
19:58 - atualizado às 13:10
campos neto small caps ações selic copom
Imagem: Freepik/Agência Brasil

Para um antigo colega de Roberto Campos Neto, o Banco Central deve ser mais cauteloso nas próximas decisões sobre a taxa básica de juros (Selic) após a polêmica na última decisão. Ex-diretor de política monetária do BC e atual gestor da Itaú Asset, Bruno Serra revelou nesta terça-feira (14) as apostas para os próximos passos do Copom.

Para Serra, o Comitê de Política Monetária precisará ser mais rígido daqui para frente se quiser reconquistar a confiança do mercado.

“O Banco Central foi fazendo um ciclo autopilot de 50 bps e acabou não conseguindo entregar. Agora, o ciclo está limitado porque o mercado está questionando essa credibilidade”, disse o gestor, que esteve no BC entre 2019 e 2023 — sob o comando de Campos Neto.

Vale lembrar que, em uma decisão dividida, o Copom reduziu em 0,25 ponto percentual a Selic na última reunião. Com isso, a taxa básica de juros passou para 10,50% ao ano.

Ainda que o ritmo menor do corte na Selic fosse esperado pelo mercado, no comunicado da reunião anterior o Copom havia sinalizado um corte de magnitude maior, de 0,50 ponto percentual, na reunião de março.

“O cenário ideal para o Banco Central era sinalizar mais cautela. O mercado iria olhar a nova diretoria assumindo e imaginar que eles seriam mais austeros e, assim, a expectativa de inflação ficaria mais contida”, afirmou, durante painel no evento TAG Summit 2024.

Na avaliação de Serra, quanto mais “dovish a autarquia aparentar, mais ela será obrigada a segurar os juros altos por mais tempo.

Responsável pela família de fundos Janeiro, da Itaú Asset, o gestor não revelou se atualmente possui posição comprada ou tomada. Mas sinalizou estar neutro nesse mercado ao afirmar que “não há prêmio” em juros hoje no Brasil.

Além dos juros, a bolsa barata

Para além dos juros no Brasil, a bolsa de valores também foi tema durante o painel sobre fundos multimercados no evento da TAG Investimentos.

Acontece que falar de otimismo com a bolsa brasileira dificilmente remeteria ao fundo multimesas da Itaú Asset. 

Afinal, desde a sua estreia, em outubro de 2023, o Janeiro nunca teve uma posição “long” — equivalente a comprada — no Ibovespa. 

Isto é, até o início de maio. Foi só há duas semanas que o portfólio comandado pelo gestor Bruno Serra passou a construir uma posição — ainda que pequena — em renda variável no Brasil. “Nós começamos a ver valor no Ibovespa”, afirmou Serra.

Segundo o gestor, o Ibovespa começou a ficar barato devido a pressões de “muitas notícias ruins” — especialmente em meio a um processo decisório frágil do lado político econômico, com dívida ainda por convergir e expectativas desancoradas em relação à política monetária.

Para o economista, existe a possibilidade de o fundo Janeiro aumentar a exposição a Brasil.

“Com os preços recentes, começou a saltar aos nossos olhos o desconto do Ibovespa. Mas temos cautela, porque o mercado já queimou muito a mão tentando comprar bolsa. Porém, estamos gostando do case de bolsa brasileira.”

Na visão de Bruno Serra, como o principal índice de ações da bolsa brasileira é o ativo mais alavancado em juros norte-americanos, ele será também o principal beneficiado por um ciclo de cortes de taxas mais profundo.

Compartilhe

APÓS TRAGÉDIA

Com proposta de “arroz estatal”, governo autoriza importação de até 300 mil toneladas; veja a quanto o grão vai chegar à sua mesa

29 de maio de 2024 - 10:31

O executivo autorizou a importação até um milhão de toneladas do cereal beneficiado, com liberação de crédito extraordinário da União de R$ 7,2 bilhões

ANOTE NA AGENDA

A B3 vai abrir no dia de Corpus Christi? Confira o funcionamento da bolsa, dos bancos, dos Correios e do transporte público nesta quinta-feira

29 de maio de 2024 - 8:59

O feriado de Corpus Christi é ponto facultativo em todo o país e pode afetar o funcionamento dos principais serviços públicos. Em São Paulo, feriadão conta ainda com dois grandes eventos: a Marcha para Jesus e a Parada LGBT+

NA CALADA DA NOITE

Atenção cliente da Shein, AliExpress e Shopee: Câmara aprova projeto que taxa suas “comprinhas” internacionais em 20%

29 de maio de 2024 - 7:52

Além disso, há um limite de US$ 3 mil para as remessas, segundo o parecer do relator, o deputado Átila Lira (PP-PI)

LOTERIAS

Lotofácil deixa gostinho de ‘quero mais’; Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 80 milhões

29 de maio de 2024 - 5:51

Seis apostas vão dividir o prêmio principal do concurso 3115 da Lotofácil, mas não convém reclamar da sorte; Caixa já está recebendo apostas para Quina de São João

UMA NO CRAVO, OUTRA NA FERRADURA

FMI piora projeção para o PIB do Brasil em 2024 e melhora para 2025, mas impacto das chuvas no RS ainda não está na conta

28 de maio de 2024 - 11:58

FMI apresentou revisão de projeções para o PIB do Brasil em documento divulgado nesta terça-feira

LOTERIAS

Bolão fatura o primeiro prêmio da Lotofácil na semana; Mega-Sena corre hoje valendo R$ 75 milhões

28 de maio de 2024 - 5:40

Enquanto Lotofácil justifica mais uma vez a fama de loteria menos difícil da Caixa, já é possível apostar na Quina de São João

mercado imobiliário

Minha Casa Minha Vida aumenta vendas e lucros da construção civil

27 de maio de 2024 - 19:25

Dados são de pesquisa elaborada pela CBIC sobre o 1º trimestre de 2024

política monetária

Não há pressão grande para Fed cortar juros nos EUA, afirma Campos Neto

27 de maio de 2024 - 17:34

Para ele, apesar dos juros altos, economias do mundo estão surpreendendo para cima

ASTRONÔMICOS

Bancos estão descumprindo a lei? Juro rotativo do cartão sobe para 423,5% ao ano — mesmo após Congresso limitar taxas a 100% 

27 de maio de 2024 - 13:13

As taxas apresentadas pelo BC podem sugerir, portanto, que os bancos estejam descumprindo a lei, mas o que acontece é apenas um registro estatístico

Conteúdo Empiricus

Como ‘travar’ um retorno real de 7% ao ano até 2042? Confira lista de ativos que podem se beneficiar do 2º maior juro real do mundo

27 de maio de 2024 - 10:00

Juro real do Brasil chega aos 6,54% e abre oportunidade para os investidores buscarem retornos reais de 7% ao ano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar