🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2.000,00 POR DIA – VEJA COMO

O dragão está adormecido, mas ainda é prematuro dizer que a China atingiu seu ápice

O Congresso Nacional do Povo da China marca um momento crucial para o governo de Xi Jinping apresentar estratégias econômicas para 2024

5 de março de 2024
7:31 - atualizado às 10:17
China derruba cotações do petróleo hoje
Imagem: Shutterstock

Nesta terça-feira, o Congresso Nacional do Povo da China deu início a um evento decisivo, no qual o governo de Xi Jinping, presidente do país, apresentará ao longo dos próximos dias suas estratégias para o desenvolvimento econômico da China em 2024.

Este encontro oferece aos líderes chineses uma chance de remodelar o discurso sobre sua economia, que enfrenta desafios consideráveis.

Uma mudança notável este ano é o cancelamento do briefing tradicionalmente conduzido pelo primeiro-ministro Li Qiang logo no final de semana que antecede a ocasião, uma ocorrência inédita desde 1993.

Esse briefing costumava ser uma oportunidade precoce para investidores e observadores internacionais obterem insights sobre as políticas governamentais.

A ausência dessa comunicação preliminar indica um reforço no centralismo de Xi Jinping e adia a revelação das metas econômicas anuais até a divulgação do relatório de trabalho na terça-feira.

  • LEIA TAMBÉM: Casa de análise libera carteira gratuita de ações americanas pra você buscar lucros dolarizados em 2024. Clique aqui e acesse.

China anuncia meta de crescimento para 2024

A China confirmou hoje a expectativa dominante entre os economistas, de que a meta de crescimento seria estabelecida em torno de 5%.

Um objetivo mais ambicioso, ainda que de mesma amplitude, se comparado ao ano anterior, que seguiu à recuperação pós-pandêmica. Isso sugere a introdução de novos estímulos para fomentar o crescimento.

No entanto, considerando os desafios do setor imobiliário e a queda no consumo interno, não se descartava a possibilidade de uma meta mais cautelosa, em torno de 4,5%, indicando um pacote de estímulo mais moderado, o que poderia decepcionar os mercados.

O foco também se volta para a previsão do déficit fiscal, estimado em 3,3% do PIB.

Com a economia chinesa mostrando uma recuperação fragmentada — avanço na produção industrial, mas retração no consumo interno —, pode ser necessário um aumento no estímulo fiscal e no setor imobiliário, especialmente se a demanda externa enfraquecer.

Flexibilização da política monetária da China é esperada

Em relação à política monetária, os detalhes serão sutis, exigindo uma leitura atenta para identificar possíveis ajustes. Espera-se uma inclinação para a flexibilização, embora a postura oficial continue a ser descrita como “prudente”.

Podemos antecipar uma possível ênfase renovada na sincronia entre a política monetária e os alvos de desenvolvimento econômico e estabilidade de preços no próximo relatório.

Diferentemente do ano anterior, que focou somente no “crescimento econômico nominal” sem mencionar explicitamente os níveis de preços, este ano poderá trazer alterações nesse aspecto.

Terminologias diferentes como “novas forças produtivas” e “crescimento de alta qualidade” serão cruciais, indicando onde os investimentos governamentais estão sendo canalizados — notadamente para setores inovadores como veículos elétricos, baterias e energias renováveis.

Estes investimentos, embora promovam a inovação, também intensificam o problema de supercapacidade nessas áreas e exacerbam as tensões comerciais com nações como os Estados Unidos e a Europa.

Uma China em desaceleração

Este foco renovado surge em um contexto onde a economia chinesa, após décadas de expansão acelerada, encara agora uma desaceleração notável.

Esta fase é caracterizada por uma crise imobiliária agravante, pressões deflacionárias, uma desvalorização de US$ 6 trilhões no mercado acionário em 18 meses, e um crescimento do desemprego, principalmente entre os jovens.

Entre 1980 e 2022, a China viu seu PIB per capita, em comparação com os Estados Unidos, crescer de 2% para 28%, um reflexo de seu rápido desenvolvimento industrial e de suas exportações manufatureiras.

Essa era de crescimento vertiginoso chegou ao fim.

A desaceleração chinesa tem implicações globais, afetando a demanda por produtos e serviços internacionais e reduzindo os investimentos chineses no exterior, como em projetos de infraestrutura na África e em portos europeus.

Multinacionais que contavam com o mercado chinês para crescimento agora encaram desafios significativos.

Adicionalmente, a economia da China é frequentemente criticada por sua excessiva dependência de exportações, salários reprimidos e uma moeda subvalorizada, fatores que contribuíram para crises econômicas anteriores, incluindo dívidas insustentáveis, dependência de exportações e deflação.

Enquanto o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China demonstra sinais de enfraquecimento, o fluxo de investimentos estrangeiros no país diminui a uma velocidade alarmante e o mercado de ações enfrenta uma desvalorização dramática, ultrapassando a marca de US$ 6 trilhões.

Mesmo com dados oficiais apontando para um crescimento de 5,2% em 2023, há ceticismo quanto à precisão desses números, com suspeitas de que possam ter sido inflados por autoridades locais.

Leia também

Teria a China chegado ao ápice?

Em meio a debates em Washington, surge a teoria de que o auge do desenvolvimento chinês pode ter sido ultrapassado, o que por sua vez, reafirma a posição de liderança global dos Estados Unidos.

Contudo, a desaceleração econômica da China não implica necessariamente em uma redução de sua influência geopolítica.

A China preserva sua proeminência industrial, demonstrada pelo seu consumo de eletricidade, que excede o dos Estados Unidos desde 2010, evidenciando a robustez de sua economia industrial.

Além disso, sua expansão de influência econômica na Ásia e no Pacífico, principalmente por meio da Iniciativa do Cinturão e Rota, coloca-a à frente dos Estados Unidos em termos de influência regional.

Adicionalmente, a China tem fortalecido sua presença militar na região da Ásia-Pacífico, contrastando com a atenção dos Estados Unidos voltada para outras áreas.

O país também lidera na cadeia de suprimentos de tecnologias sustentáveis, incluindo turbinas eólicas, painéis solares e veículos elétricos, posicionando-se estrategicamente para moldar o futuro da energia verde no cenário mundial.

Influência geopolítica chinesa segue crescendo

Apesar dos desafios econômicos enfrentados, a influência geopolítica da China e sua liderança na transição para tecnologias verdes seguem em ascensão.

A atual conjuntura global, repleta de incertezas e riscos, sugere que é prematuro declarar que a China atingiu seu ápice.

O desafio crucial para Xi Jinping é prevenir que as adversidades econômicas se convertam em um descontentamento generalizado entre a população.

Para o governo chinês, torna-se imperativo redobrar esforços para modernizar a infraestrutura industrial e impulsionar o desenvolvimento de novas forças produtivas, visando superar a estagnação econômica que aflige modelos econômicos asiáticos similares.

Compartilhe

CRYPTO INSIGHTS

O mercado de criptomoedas está influenciando as eleições nos EUA? O que o ETF de ethereum (ETH) tem a ver com a política americana

21 de maio de 2024 - 20:05

Nesta semana uma votação crucial está prevista para acontecer em Washington e pode remodelar o panorama regulatório para os ativos digitais nos Estados Unidos

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Dez anos de “O Fim do Brasil”

20 de maio de 2024 - 20:01

Dez anos de lançamento de “O Fim do Brasil” e, afinal, a que fim chegou a economia do Brasil? Estamos em queda livre em direção ao pior?

Especial IR

Me mudei para Portugal, mas não entreguei a Declaração de Saída Definitiva do País; como regularizar a situação?

18 de maio de 2024 - 8:00

Documento serve para encerrar as obrigações fiscais do contribuinte no Brasil, mas este leitor não a entregou e agora recebeu uma herança

SEXTOU COM O RUY

A Petrobras (PETR4) desabou mais uma vez: surge uma barganha na bolsa com dividendos bilionários?

17 de maio de 2024 - 6:04

Nas últimas várias trocas no comando da Petrobras, não tivemos grandes mudanças no dia a dia da companhia, o que inclusive permitiu ótimos pagamentos de dividendos nos últimos anos, mesmo com CEOs distintos — será que agora também vai ser assim?

CRYPTO INSIGHTS

Os sinais favoritos para entender o curto prazo do bitcoin (BTC)

14 de maio de 2024 - 19:17

A tendência macroeconômica é de expansão de liquidez, e os indicadores de curto prazo que mais gosto estão favorecendo a tese de que estamos próximos do fundo local para a mais recente correção do mercado

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Vai piorar antes de melhorar? Milei começa a arrumar uma Argentina economicamente destruída

14 de maio de 2024 - 6:01

Em poucos meses, Milei conseguiu diminuir inflação, cortar os juros e aumentar reservas do Banco Central da Argentina, mas custo social é alto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: O real vai morrer aos 30?

13 de maio de 2024 - 20:01

A decisão do Copom na semana passada foi inequivocamente ruim. Quando você tem um colegiado dividido entre os “novos” e os “velhos”, alimentam-se os piores medos. O Copom deveria saber disso.

Especial IR

Dúvidas cruéis sobre declaração de ações no IR: isenção, retificação, mudança de ticker, prejuízos e investimento no exterior

11 de maio de 2024 - 8:00

A Dinheirista responde algumas das suas dúvidas mais cabeludas sobre como declarar ações no imposto de renda

SEXTOU COM O RUY

Bolsa barata não basta: enquanto os astros locais não se alinham, esses ativos são indispensáveis para a sua carteira

10 de maio de 2024 - 6:07

Eu sei que você não tem sangue de barata para deixar todo o patrimônio em ações brasileiras – eu também não me sinto confortável em ver os meus ativos caindo. Mas há opções para amenizar as turbulências internas.

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Selic — uma decisão com base em dados, não em datas

8 de maio de 2024 - 16:42

Hoje em dia, ao que parece, tudo tem que terminar cedo, e bebidas alcoólicas são proibidas. Por conseguinte, os debates deram lugar a decisões secas e comunicados pragmáticos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar