🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
VISÃO DO GESTOR

Vem IPO pela frente? Nova janela de ofertas de ações deve abrir na B3 até o 2T25, mas Brasil ainda depende de 3 fatores

Para Fabio Nazari, do BTG Pactual, a bolsa brasileira poderá registrar grandes aberturas de capital em até 9 meses. Mas o que ainda está segurando o apetite por novos IPOs? Confira

Camille Lima
Camille Lima
25 de junho de 2024
10:21 - atualizado às 9:26
Fabio Nazari, sócio do BTG Pactual
Fabio Nazari, head de Equity Capital Markets do BTG Pactual, vê uma janela para IPOs no horizonte. - Imagem: Divulgação/BTG

A expectativa por uma nova abertura de capital na bolsa brasileira já se arrasta há três anos no mercado doméstico — e os investidores locais deverão esperar mais um pouco para ver outra janela de IPOs se abrir na B3, segundo Fabio Nazari, head de Equity Capital Markets do BTG Pactual.

“Tem muito discurso de banco dizendo que o mercado americano voltou, mas eu discordo. Agora estamos vendo um número próximo de 50 IPOs por ano nos Estados Unidos, o que é um décimo do que estava sendo feito. Ou seja, é quase nada em relação aos EUA antes, e é normal que a gente não veja nada acontecendo no Brasil também”, disse Nazari, durante evento de relações com investidores realizado na segunda-feira (24).

Na avaliação do gestor, a possibilidade de uma nova rodada de ofertas públicas iniciais de ações foi postergada outra vez em meio a mais um adiamento da previsão de início do ciclo de cortes de juros nos Estados Unidos.

Se no início do ano o mercado apostava em até sete quedas de juros pelo Federal Reserve, o banco central norte-americano frustrou as esperanças dos investidores e sinalizou que o mercado deve registrar apenas uma diminuição nas taxas — e só em dezembro, se vier.

“Nós não temos a entrada de dinheiro novo. A gente está em uma hemorragia muito lenta, e isso faz com que o investidor não tenha pressa de comprar. Afinal, ele não precisa comprar hoje, porque sabe que amanhã o papel vai estar ainda mais fraco”, disse Nazari.

A situação das empresas brasileiras hoje

Para o economista do BTG, ainda que o mercado de capitais brasileiro esteja vivenciando uma desidratação, especialmente no que diz respeito a novos IPOs, a indústria de ações brasileiro já atingiu o fundo — o que motiva uma perspectiva mais positiva daqui para frente.

“Não tem mais nada, estamos no osso mesmo. O mercado está barato, as empresas estão bem e melhorando. Existe risco, já que o ruído fiscal por aqui aumenta o custo de capital das empresas brasileiras, mas mesmo assim, quando olhamos a capacidade brasileira de agregar investidores e atrair fluxo gringo, a gente está numa condiçao diferente.”

Na avaliação do gestor, a falta de concorrência é uma das principais atratividades do Brasil para os investidores estrangeiros atualmente. 

Sem China, Rússia e Turquia na competição, os gringos voltam-se para os emergentes — que têm dificuldades próprias, segundo Nazari.

“O México até atrai, mas não tem o tamanho do Brasil. Enquanto isso, o Peru, o Chile e a Colômbia não têm mercados de capitais internacionalizados, são pequenos e fechados, e a Argentina ainda é uma opcionalidade. Então só sobra gente contra a Índia, que está valendo mais ou menos 22 vezes o lucro, enquanto nós estamos próximos de 7 vezes.”

Segundo Nazari, as empresas brasileiras também aproveitaram a janela fechada para ofertas de ações para arrumar a casa e buscar outras maneiras de financiamento — com destaque para novas emissões de dívida.

“Quem estava um pouco mais estressado já tomou atitudes para poder desalavancar. Ou seja, quem precisava levantar capital, já levantou, seja por meio de operações estruturadas ou por alongamento de dívidas. A turma já se organizou”, destacou o gestor.

Vem IPO pela frente

O gestor do BTG Pactual vê uma nova janela se abrindo para os mercados globais de ações assim que os juros dos Estados Unidos começarem a dar sinal de redução — e o Brasil deve estar bem posicionado para abocanhar essa oportunidade.

Porém, como os investidores locais — que correspondem a 70% da demanda para o mercado doméstico — estão machucados, será necessário “confiar no gringo”, afirmou Nazari, no evento.

“A janela para IPO não vai abrir esse ano, não adianta. O mercado está barato, a 120 mil pontos eu não consigo convencer nenhum empresário a vender sua empresa pela primeira vez, o gringo ainda nao veio e a gente vai precisar dele.”

De acordo com Fabio Nazari, o mercado brasileiro ainda precisa de três fatores para vivenciar uma nova oportunidade de ofertas de ações na B3: uma condição de valuation mais rica, dinheiro novo e uma abrangência de investidores.

“A gente não tem nenhum dos três hoje e eu não acho que a gente vai ter esse ano ainda. Quiçá se começar a ver o mercado um pouco mais caro, isso começa a puxar a fila”, projetou o economista.

“Conforme o mercado subir, você começa a ver interesse por essas operações e a indústria passa a ficar mais movimentada. Se tem fluxo, o mercado vai precificando para cima e fazendo mais transações. Até que, a um dado momento, o próprio investidor começará a receber recursos com a alta da bolsa e começaremos a ver dinheiro novo”, acrescentou.

Quais são as empresas que devem ir à B3 para um IPO?

Para o head de ações do BTG Pactual, é possível que o mercado de ações brasileiro comece a ver novas aberturas de capital em seis a nove meses, contados a partir de agora.

“Esse dinheiro novo só deve vir depois da queda de juros nos Estados Unidos, e eu acredito que é uma janela que eventualmente pode se abrir entre o primeiro e segundo trimestre do ano que vem”, disse Nazari.

E quais são as empresas que devem aproveitar a nova janela para estrear na B3? Para o gestor, as “piscinas grandes” devem liderar a entrada de novos IPOs na bolsa brasileira — que seriam aquelas ofertas capazes de movimentar entre US$ 700 milhões e R$ 1 bilhão.

“Esses são os caras que abrem o portão para IPOs. A partir dali, começaremos a ver operações médias de R$ 1,5 bilhão, mas não acredito que vamos começar a ver operações pequenas de imediato”, afirmou.

Segundo o economista, os investidores ainda deverão acompanhar uma série de ofertas de ações que “não deveriam sair” — essas devem acontecer só no final da curva, depois que as boas empresas estrearem na B3, nas projeções de Nazari.

Compartilhe

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: semana das big techs divide espaço com inflação e PIB dos EUA e congelamento de despesas; fique por dentro

22 de julho de 2024 - 7:01

Ganha destaque a próxima divulgação do Boletim Focus, com expectativas em relação a mudanças após o anúncio de R$ 15 bi em contingenciamento de despesas do governo

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Bradesco Asset revela cinco apostas em ações para lucrar na bolsa brasileira — e um setor para manter distância

22 de julho de 2024 - 6:04

Ao Seu Dinheiro, Rodrigo Santoro Geraldes conta que a gestora também possui quatro apostas na carteira de ações fora do Ibovespa

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar