🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Dólar avança mais de 1% na semana marcada por Copom e inflação; Ibovespa cai aos 127 mil pontos

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
10 de maio de 2024
7:46 - atualizado às 17:47

RESUMO DO DIA: Com a semana marcada pela decisão do Copom, a chave de ouro para encerrar não poderia ser outra: a inflação de abril. Esperado pelo mercado para calibrar as expectativas sobre os juros daqui para frente, o IPCA acelerou em relação a março, pouco acima do esperado.

Com isso, o Ibovespa terminou em queda de 0,46%, aos 127.599 pontos. Na semana, o principal índice da bolsa brasileira recuou 0,71%.

Já o dólar segue acima dos R$ 5,10. A moeda norte-americana fechou o dia a R$ 5,1583 com avanço de 0,30% no mercado à vista. Na semana, a valorização sobre o real foi de 1,75%.

Além do IPCA, os balanços trimestrais seguiram agitando o mercado acionário brasileiro. Magazine Luiza (MGLU3) foi o grande destaque do dia com resultados acima do esperado, mas que não agradaram o mercado. Alpargatas, por sua vez, liderou a ponta positiva do Ibovespa — também em reação aos números do primeiro trimestre.

Mas a estrela da semana não teve a tração dos resultados recentes. A Rede D'Or é a ação que mais valorizou, com apoio do acordo bilionário com o Bradesco Seguros para criar uma nova rede de hospitais, a Atlântica D'Or.

Lá fora, os dados sobre confiança do consumidor jogaram um banho de água fria no mercado norte-americano, com aumento das expectativas de inflação. Mesmo assim, os índices seguiram em tom positivo, com destaque para Dow Jones que avançou oito dias consecutivos.

Confira o que movimentou os mercados nesta sexta-feira (10): 

MAIORES ALTAS E QUEDAS DA SEMANA

Na semana, a Rede D'Or avançou mais de 14% após a companhia anunciar a parceria com o Bradesco Seguros para a criação de uma nova rede de hospitais, a Atlântica D'Or.

Confira as maiores altas do Ibovespa na semana:

CÓDIGONOMEULTVARSEM
RDOR3Rede D'Or ONR$ 30,7014,47%
BRFS3BRF ONR$ 18,329,57%
VAMO3Vamos ONR$ 8,057,62%
ALPA4Alpargatas PNR$ 10,295,21%
HAPV3Hapvida ONR$ 4,055,19%

Na ponta negativa, Braskem recuou quase 18% com foco no balanço do primeiro trimestre.

Confira as maiores baixas do Ibovespa na semana:

CÓDIGONOMEULTVARSEM
BRKM5Braskem PNR$ 19,06-17,31%
IRBR3IRB Brasil ONR$ 38,80-12,81%
SUZB3Suzano ONR$ 51,76-12,52%
VIVT3Telefônica Brasil ONR$ 45,23-10,17%
COGN3Cogna ONR$ 2,07-10,00%

MAIORES ALTAS E QUEDAS DO IBOVESPA

Na ponta positiva, a Alpargatas lideraram os ganhos do Ibovespa com reação ao balanço do primeiro trimestre.

A companhia registrou lucro líquido consolidado de R$ 24,7 milhões entre janeiro e março, revertendo prejuízo de R$ 199,7 milhões registrado em igual período de 2023.

Confira as maiores altas do Ibovespa:

CÓDIGONOMEULTVAR
ALPA4Alpargatas PNR$ 10,293,31%
RAIL3Rumo ONR$ 21,032,79%
BBAS3Banco do Brasil ONR$ 27,621,77%
BEEF3Minerva ONR$ 6,341,60%
BBSE3BB Seguridade ONR$ 33,131,56%

Na ponta negativa, Magazine Luiza caiu também em reação ao balanço. Veja os números em detalhes na matéria.

Confira as maiores quedas do Ibovespa hoje:

CÓDIGONOMEULTVAR
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 1,54-7,78%
RENT3Localiza ONR$ 47,01-5,13%
PETZ3Petz ONR$ 4,55-4,61%
COGN3Cogna ONR$ 2,07-4,61%
MRFG3Marfrig ONR$ 9,96-4,23%
FECHAMENTO DO IBOVESPA

O Ibovespa fecha em baixa de 0,46%, aos 127.599,57 pontos.

O principal índice da bolsa brasileira recuou com dados de inflação acima do esperado, dois dias após a decisão dividida do Copom sobre o corte de 0,25 ponto percentual na taxa Selic.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve alta de 0,38% em abril, após avançar 0,16% em março. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A inflação veio acima da mediana das projeções do mercado, de 0,33%, e próximo ao teto das estimativas (+0,40%).

No ano, a inflação acumula alta de 1,80% e, nos últimos 12 meses, avanço de 3,69% em abril — ante 3,93% até março, mas acima das expectativas de 3,65%.

FECHAMENTO DE NOVA YORK

As bolsas de Nova York terminaram o pregão sem direção única, com dados de confiança do consumidor e aumento das expectativas de inflação.

A confiança do consumidor caiu a 67,4 em maio nos Estados Unidos, segundo dados preliminares divulgados pela Universidade de Michigan. O resultado veio abaixo da previsão de 76,9 dos analistas pela FactSet.

A expectativa de inflação em um ano sobe a 3,5% no mesmo período. Para cinco anos, a expectativa de inflação avançou a 3,1% em maio.

Confira como fecharam os índices de Nova York:

  • Dow Jones: +0,32%, aos 39.512,84 pontos;
  • S&P 500: +0,16%, aos 5.222,68 pontos;
  • Nasdaq: -0,03%, aos 16.340,87 pontos.

Em destaque, Dow Jones encerrou em alta pela oitava vez consecutiva. Na semana, o índice avançou 2,16%, sendo a melhor semana desde dezembro e a quarta semana de ganhos. S&P 500 avançou 1,85% e Nasdaq teve alta de 1,14%.

FECHAMENTO DO DÓLAR

O dólar terminou o pregão a R$ 5,1583, com alta de 0,30% no mercado à vista.

FECHAMENTO DO PETRÓLEO

O petróleo terminou a sessão em queda, após avançar duas vezes consecutivas. As preocupações sobre a demanda global da commodity e a continuidade das tensões geopolíticas pressionaram o desempenho.

Os contratos mais líquidos do petróleo Brent, com vencimento para julho, recuaram 1,30%, a US$ 82,79 o barril na Intercontinental Exchange (ICE). Na semana, a queda foi de 0,20%.

Já os contratos mais líquidos do petróleo WTI, com vencimento em junho, tiveram baixa de 1,26%, a US$ 78,26 o barril na New York Mercantile Exchange (Nymex). Na semana, o recuo foi de 0,19%.

SUZANO (SUZB3) RECUA APÓS BALANÇO

Em meio às especulações de uma nova aquisição, a Suzano (SUBZ3) preferiu manter o silêncio mesmo após a divulgação dos resultados do primeiro trimestre. 

Os executivos esquivaram-se ao máximo das perguntas de analistas e jornalistas sobre a possível compra da International Paper — revelada pela Reuters nesta semana — nas teleconferências realizadas pela companhia nesta sexta-feira (10). 

“Não comentamos sobre isso [processos de sondagem de aquisições], nunca fizemos e não pretendemos fazer. O posicionamento da companhia é claro em não comentar sobre esse tipo de operação”, afirmou Walter Schalka, presidente da Suzano — que já está de saída do comando da empresa. 

 “Estamos em uma indústria intensiva em capital e sempre fazemos uma análise profunda sobre as oportunidades que vemos para o futuro”, afirmou Schalka. “Não queremos crescer por crescer.”

Leia mais.

REAÇÃO AO BALANÇO: DIRECIONAL (DIRR3)

O lucro líquido operacional da Direcional (DIRR3) avançou 72% no primeiro trimestre de 2024, para R$ 120,1 milhões. Esse crescimento na comparação com igual período do ano passado exclui eventuais efeitos não recorrentes do trimestre.

Já o lucro líquido consolidado da companhia totalizou R$ 150 milhões de janeiro a março deste ano, avanço de 156% na base anual. Segundo a companhia, o valor foi recorde para o trimestre.

Em reação, as ações da Direcional (DIRR3) são as única do setor de construção que operam em alta. DIRR3 avança 2,35%, a R$ 25,23.

JUROS FUTUROS EM ALTA

Os juros futuros (DIs) operam em alta em toda a curva, na esteira dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, os Treasurys, e ainda em reação ao IPCA de abril — que acelerou acima do esperado.

Confira o desempenho dos DIs agora:

CÓDIGONOME ULT FEC
DI1F25DI Jan/2510,29%10,25%
DI1F26DI Jan/2610,55%10,48%
DI1F27DI Jan/2710,93%10,85%
DI1F28DI Jan/2811,25%11,18%
DI1F29DI Jan/2911,47%11,41%
DI1F30DI Jan/3011,62%11,57%
DI1F31DI Jan/3111,71%11,65%
DI1F32DI Jan/3211,69%11,72%
DI1F33DI Jan/3311,79%11,73%
MAGAZINE LUIZA (MGLU3) QUER AMPLIAR VENDAS A CRÉDITO E FAZ APORTE DE R$ 1 BILHÃO COM ITAÚ; AÇÃO CAI 8% NA B3

Após deixar para trás os dias de prejuízo, o Magazine Luiza (MGLU3) decidiu apostar na volta do crédito para impulsionar os próximos resultados, mas desta vez não será no "carnezinho gostoso". A varejista anunciou um aporte de R$ 1 bilhão na Luizacred, a divisão de cartões de crédito que possui em sociedade com o Itaú, que vai entrar com metade do valor.

“A gente sai desse mundo pós-covid com a realidade de que o crescimento das vendas tem que vir acompanhado do aumento do lucro”, disse Fred Trajano, CEO do Magalu, durante teleconferência com analistas para comentar os resultados do primeiro trimestre de 2024.

Trajano classificou o balanço como um “feito histórico” em meio a um contexto macroeconômico ainda restritivo para o varejo brasileiro, com “juros elevados e impostos crescentes”. “O macro estava pior no ano passado, mas ainda não está ideal”, afirmou.

Apesar do resultado ter vindo acima do esperado, as ações do Magazine Luiza (MGLU3) reagiram mal ao balanço. Os papéis fecharam em forte queda de 7,78% na B3, a R$ 1,54. No ano, a desvalorização chega a 27%.

Leia mais.

DESTAQUE DO IBOVESPA

O principal índice da B3 opera em queda, com cautela dos mercados sobre inflação nos EUA e IPCA de abril acima das expectativas no Brasil.

Na ponta positiva, a Alpargatas, que sobe em reação ao balanço do 1T24. O Banco do Brasil também acelera e reverte as perdas do pregão anterior. Confira:

CÓDIGONOMEULTVAR
ALPA4Alpargatas PNR$ 10,343,82%
RAIL3Rumo ONR$ 21,113,18%
BBAS3Banco do Brasil ONR$ 27,631,81%
ITUB4Itaú Unibanco PNR$ 32,801,61%
BEEF3Minerva ONR$ 6,341,60%

Já na ponta negativa, o destaque fica por conta da Locaweb, que apontou desaceleração na receita do 1T24. Veja as principais quedas do Ibovespa hoje:

CÓDIGONOMEULTVAR
LWSA3Locaweb ONR$ 4,69-8,58%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 1,54-7,78%
PETZ3Petz ONR$ 4,56-4,40%
CYRE3Cyrela ONR$ 20,51-3,80%
RENT3Localiza ONR$ 47,97-3,19%
FECHAMENTO NA EUROPA

As bolsas na zona do euro encerraram o pregão desta sexta-feira (10) em alta. Os índices foram na contramão de Wall Street e subiram com ata do Banco Central Europeu (BCE), que indicou possível alívio no ciclo de juros na região

Confira:

  • FTSE 100 (Londres): +0,61%
  • CAC 40 (Paris): +0,38%
  • DAX (Frankfurt): +0,44%
  • Euro Stoxx 600: +0,81%
COMO ANDAM OS MERCADOS

O Ibovespa vinha ignorando dados do IPCA de abril acima do esperado, acompanhando o bom desempenho das bolsas em NY.

No entanto, o índice de sentimento do consumidor nos EUA, realizado pela Universidade de Michigan, mostrou expectativas de aceleração da inflação norte-americana. Segundo o relatório, houve crescimento de 3,2% para 3,5% na prévia de maio.

Os resultados pesam nas bolsas de NY, que desaceleraram os ganhos. O Ibovespa acompanha o tom em Wal Street e passa a operar em queda.

Já o dólar à vista ganha fôlego e sobe.

GIRO DO MERCADO

O Magazine Luiza (MGLU3) encerrou o primeiro trimestre de 2024 com lucro líquido ajustado de R$ 29,8 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 391,2 milhões do mesmo período do ano passado, mostra documento enviado ao mercado nesta quinta-feira (09).

A jornalista Paula Comassetto convida Renan Dantas, do Money Times, para um programa especial para comentar os números da varejista.

Phil Soares, analista chefe da Órama Investimentos, revela sua avaliação do resultado e comenta sobre o que levou a melhora dos números.

Acompanhe:

EXPECTATIVAS NOS EUA

O sentimento do consumidor caiu a 67,4 em maio nos Estados Unidos, segundo dados preliminares divulgados há pouco pela Universidade de Michigan. O resultado veio abaixo da previsão de 76,9 dos analistas pela FactSet.

A expectativa de inflação em um ano sobe a 3,5% no mesmo período. Para cinco anos, a expectativa de inflação avançou a 3,1% em maio.

Em reação, as bolsas de Nova York reduziram os ganhos, mas continuam em território positivo.

ALPARGATAS (ALPA3) SALTA 9%

As ações da Alpargatas (ALPA3) operam em alta de 9,14%, a R$ 10,87, e lideram a ponta positiva do Ibovespa.

Os papéis reagem aos números do balanço da dona da Havaianas. A companhia registrou lucro líquido consolidado de R$ 24,7 milhões no primeiro trimestre deste ano, revertendo prejuízo de R$ 199,7 milhões registrado em igual período de 2023.

ABERTURA DE NOVA YORK

As bolsas de Nova York operam em alta após a abertura.

Os investidores acompanham novas declarações de dirigentes do Federal Reserve (Fed). Há ainda o rescaldo da renovação das expectativas para corte dos juros depois de dados semanais de desemprego e de atividade do setor de serviços mais fraca.

Confira o desempenho das bolsas de Nova York após a abertura:

  • S&P 500: +0,41%, aos 5.235,42 pontos;
  • Dow Jones: +0,48%, aos 39.576,36 pontos;
  • Nasdaq: +0,44%, aos 16.146,74 pontos.
SOBE E DESCE DO IBOVESPA

Confira as maiores altas do Ibovespa:

CÓDIGONOMEULTVAR
ALPA4Alpargatas PNR$ 10,788,23%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 1,733,59%
RENT3Localiza ONR$ 51,303,53%
RAIL3Rumo ONR$ 21,123,23%
CSNA3CSN ONR$ 14,313,10%

Confira as maiores baixas do Ibovespa após abertura:

CÓDIGONOMEULTVAR
LWSA3LWSA ONR$ 4,89-4,68%
SUZB3Suzano ONR$ 52,01-1,31%
PCAR3GPA ONR$ 3,09-1,28%
SMTO3São MartinhoR$ 28,83-1,20%
EGIE3Engie ONR$ 43,29-1,10%
REAÇÃO AO BALANÇO (SUZB3) CAI 5%

As ações da Suzano (SUZB3) abriu em queda de 5,03%, a R$ 50,05, em reação ao balanço do primeiro trimestre e durante a teleconferência com investidores.

O lucro líquido da Suzano no primeiro trimestre de 2024 somou R$ 220 milhões, o que representa uma queda de 96% ante o mesmo período de 2023 e recuo de 95% na comparação com o trimestre anterior.

ABERTURA DO IBOVESPA

O Ibovespa opera em alta de 0,28%, aos 128.618 pontos após a abertura.

Apesar da inflação acima do esperado para abril, o principal índice da bolsa brasileira acompanha o tom positivo dos índices de Nova York.

Por aqui, os investidores seguem monitorando dos impactos da crise climática no Rio Grande do Sul.

ADRS DE VALE E PETROBRAS

Os recibos de ações (ADRs) de Vale e Petrobras operam em alta no pré-mercado em Nova York, na esteira dos índices futuros.

  • Vale (VALE): +0,80%, a US$ 12,67
  • Petrobras (PBR): +0,35%, a US$ 17,29
MERCADO DE COMMODITIES

O mercado de commodities opera sem direção única.

O minério de ferro teve alta de 0,34%, a US$ 120,93 a tonelada em Dalian, na China.

Já os contratos mais líquidos do petróleo Brent operam em alta de 0,46%, a US$ 84,29 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

MATHEUS SPIESS: MERCADO EM 5 MINUTOS

CALIBRANDO AS POSIÇÕES: O QUE PODE MUDAR O HUMOR NO CURTO PRAZO?

Após a acentuada correção observada ontem no Brasil, que contrastou com o clima mais otimista no exterior, hoje voltamos nossa atenção para os dados consolidados de inflação de abril.

Embora importantes, estes dados são agora menos cruciais do que a ata do Copom, que será divulgada na próxima semana, devido ao comunicado confuso do Copom na quarta-feira passada, que revelou desacordo interno significativo, como discutimos ontem.

Lá fora, os mercados apresentam uma tendência de alta nesta manhã, com os mercados europeus e os futuros americanos subindo.

No Reino Unido, inclusive, o ânimo foi impulsionado pelo crescimento do PIB no primeiro trimestre, que superou as expectativas, tirando o país da recessão técnica.

Curiosamente, parece que os bancos centrais europeus poderão iniciar cortes de juros antes do Federal Reserve nos EUA. O Banco da Inglaterra, por exemplo, está avançando cautelosamente em direção a uma política monetária mais flexível, apesar dos sinais de um PIB mais robusto, já que a inflação ainda deve continuar desacelerando.

O Banco Central Europeu (BCE) deve seguir uma trajetória semelhante, com expectativa de redução dos juros entre junho e agosto.

Na agenda de hoje, destacam-se também as falas programadas de cinco membros do Fed nesta sexta-feira, que podem introduzir volatilidade nos mercados de títulos do Tesouro. Além disso, o índice de sentimento do consumidor de maio, medido pela Universidade de Michigan, é outro dado relevante do dia.

A ver…

00:52 — Qual a chance de minimizar o humor negativo?

No Brasil, como mencionei anteriormente, o destaque do dia é o IPCA de abril, que acelerou para 0,38%, ante 0,16% em março.

Se o resultado ficasse abaixo do esperado, similar ao observado no IPCA-15, poderia aliviar o pessimismo gerado pela divisão do Copom, em meio a incertezas sobre a futura composição do Banco Central a partir de janeiro de 2025, quando Roberto Campos Neto e mais dois diretores serão substituídos por indicados do presidente Lula — na semana que vem, também teremos inflação ao consumidor americano (CPI, na sigla em inglês) do mês de abril, que poderia ajudar o sentimento internacional, inclusive no Brasil, caso venha abaixo do esperado.

A insegurança do mercado levou a uma elevação na curva de juros, valorização do dólar e queda da Bolsa para 128 mil pontos (o desempenho geral foi pior do que o sugerido pelo Ibovespa, parcialmente compensado por um dia positivo para a Petrobras e a Vale).

Está claro que ainda não chegamos ao fim do ciclo monetário e o Banco Central ainda pode realizar dois ou três cortes de 25 pontos-base cada, dependendo dos dados econômicos locais e internacionais.

Uma postura mais cautelosa já era antecipada, especialmente após os eventos trágicos no Rio Grande do Sul, onde há propostas para que dividendos da Petrobras sejam destinados a um fundo para desastres.

Entretanto, a comunicação falha do Banco Central, acompanhada de indicações preocupantes de que a instituição poderia adotar uma postura mais política em um momento crucial para ancorar expectativas, exacerbou as tensões.

Segundo relatos, até mesmo os diretores do BC ficaram surpresos com a reação do mercado.

Felizmente, terão a oportunidade de esclarecer a situação na próxima terça-feira, quando será divulgada a ata da reunião. Vamos ver se eles conseguem virar o jogo. O curto prazo segue ruim.

01:47 — Bons sinais para os mercados

Nos EUA, o mercado de ações continuou sua recuperação em maio ontem, após os dados de pedidos iniciais de auxílio-desemprego superarem as previsões.

O S&P 500 aproximou-se de menos de 1% de seu máximo histórico, alcançando seu nível mais alto desde o início de abril.

Após um mês desafiador, o mercado está estendendo uma retomada impulsionada pela expectativa de que o Federal Reserve possa cortar as taxas de juros ainda este ano.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego, que mencionei, subiram para 231 mil na semana passada, um valor acima das expectativas de consenso e o mais alto desde o verão passado.

Embora a magnitude do aumento tenha surpreendido muitos, um crescimento semanal era esperado, especialmente considerando que este é um padrão comum após as férias escolares em Nova York.

De fato, mais da metade do aumento não ajustado sazonalmente a nível nacional originou-se de Nova York, com mais de 10 mil solicitações na semana.

Portanto, mesmo que não seja garantido que o número ajustado sazonalmente volte para 210 mil na próxima semana, já há motivos para prever uma redução significativa nos pedidos olhando para frente.

Para hoje, declarações de membros do Fed estão no foco, como ocorreu ontem com a presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly.

Além disso, a agenda inclui a pesquisa sobre o sentimento do consumidor de maio, destacando as expectativas dos consumidores sobre a inflação para o próximo ano.

02:38 — Visão europeia

Os parlamentares europeus aprovaram nos últimos dias uma significativa revisão das regras orçamentárias da União Europeia. O novo esquema pretende tornar as regras mais transparentes, propícias ao investimento, adaptáveis às condições específicas de cada país e mais flexíveis.

O principal objetivo é preservar a capacidade de investimento dos governos. Sob as novas regras, países com dívida superior a 90% do PIB devem reduzi-la em média 1% ao ano, enquanto aqueles com dívida entre 60% e 90% do PIB devem diminuí-la em 0,5% ao ano.

Caso o déficit de um país exceda 3% do PIB, ele deverá ser reduzido durante períodos de crescimento econômico para alcançar 1,5%, além de estabelecer uma reserva de gastos para tempos econômicos adversos.

As regras também estendem o período para alcançar os objetivos do plano nacional de quatro para sete anos, marcando um avanço no cenário fiscal europeu.

Além disso, outro movimento notável da União Europeia, embora ainda preliminar, é o plano de usar parte dos US$ 225 bilhões em ativos financeiros russos para financiar ajuda militar e humanitária para a Ucrânia (este plano se concentraria nos rendimentos gerados por esses ativos).

A medida ainda necessita ser votada e oficialmente aprovada por todos os 27 países-membros, mas já representa um passo importante.

O acordo propõe liberar até US$ 3,2 bilhões anualmente para Kiev, dos quais 90% podem ser destinados à compra de munições e outros equipamentos militares — com a primeira parcela dos fundos podendo chegar à Ucrânia já em julho.

Apesar de haver controvérsias sobre a legalidade de se apropriar de propriedades russas, essa estratégia destaca-se como uma forma de apoiar financeiramente a Ucrânia sem impor altos custos financeiros diretos, semelhante ao que ocorre nos EUA.

03:24 — Eleições africanas

Após três décadas sob o governo do Congresso Nacional Africano (ANC), a África do Sul se aproxima de um possível ponto de inflexão político nas eleições deste mês.

O partido, que foi liderado por Nelson Mandela e desempenhou um papel crucial no combate ao apartheid, promovendo a revogação das leis racistas e impulsionando o desenvolvimento econômico, bem como a expansão do acesso à saúde e à educação, enfrenta agora um momento crítico.

Entretanto, a performance do ANC na última década deixou a desejar: a economia estagnou em meio a constantes apagões de energia e problemas logísticos que comprometeram a produtividade do país; o desemprego atingiu 32%; e os níveis de crime e corrupção se tornaram elevadíssimos.

Pesquisas recentes indicam que o apoio ao ANC caiu para menos de 40%, uma redução drástica de cerca de 20 pontos percentuais desde cinco anos atrás, marcando o pior desempenho desde o término do regime de minoria branca.

Portanto, é bastante provável que o partido perca sua maioria parlamentar nas eleições de 29 de maio, necessitando formar alianças para se manter no poder.

Uma preocupação particular reside na possibilidade de uma coalizão com o partido Combatentes pela Liberdade Econômica (EFF), que defende a nacionalização das minas e a estatização de todas as terras. Tal aliança poderia representar um caminho desastroso para um país que já enfrenta múltiplas adversidades.

04:13 — Inteligência Artificial como arma

Está emergindo um debate entre as grandes potências militares globais sobre a necessidade de estabelecer salvaguardas para a implementação da inteligência artificial (IA) em operações militares.

Embora já existam esforços para assegurar o uso seguro da IA em geral, torna-se cada vez mais urgente expandir essa discussão para abranger seu uso em contextos bélicos, onde o risco para vidas humanas é substancial.

Sim, a regulação da IA é reconhecida como uma necessidade crítica, mas até o momento, pouca atenção foi dedicada especificamente às implicações de seu uso no âmbito militar, um campo que provavelmente se expandirá nos próximos anos sob o conceito de "DefTech" (tecnologia de defesa).

Considere os riscos potenciais, como a possibilidade de uma pessoa ser erroneamente identificada como alvo legítimo para um ataque de drone, ou os tipos de aplicações de IA vistos na Ucrânia, onde reconhecimento facial e outros dados são utilizados no campo de batalha sem regulamentações claras.

Assim, é crucial que as discussões sobre a segurança da IA não apenas abordem seu uso seguro em geral, mas também se concentrem especificamente nas práticas adequadas de uso da IA em contextos de guerra, combate e conflito, em linha com o que fizemos com as armas nucleares.

É vital que existam diretrizes claras, estabelecidas por nações democráticas, que assegurem que o uso da IA em operações militares esteja alinhado com o direito internacional e humanitário, promovendo uma ordem global baseada em regras.

ABERTURA DOS JUROS FUTUROS

Os juros futuros (DIs) operam com alta em toda a curva, acompanhando o avanço dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, os Treasurys.

Além disso, o mercado reage à inflação de abril, acima do esperado. O IPCA avançou 0,38% em abril ante 0,16% em março, maior que as projeções de 0,33% para o mês.

Confira o desempenho dos DIs na abertura:

CÓDIGONOME ABE FEC
DI1F25DI Jan/2510,26%10,25%
DI1F26DI Jan/2610,51%10,48%
DI1F27DI Jan/2710,86%10,85%
DI1F28DI Jan/2811,19%11,18%
DI1F29DI Jan/2911,44%11,41%
DI1F30DI Jan/3011,58%11,57%
DI1F31DI Jan/3111,66%11,65%
DI1F32DI Jan/3211,69%11,72%
DI1F33DI Jan/3311,73%11,73%
ABERTURA DO IBOVESPA FUTURO

O Ibovespa opera em leve queda de 0,10%, aos 129.525 pontos após a abertura.

ABERTURA DO DÓLAR

O dólar abriu a R$ 5,1403, com queda de 0,05% no mercado à vista.

INFLAÇÃO DE ABRIL

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve alta de 0,38% em abril, após avançar 0,16% em março. Os dados foram divulgados há pouco pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A inflação veio acima da mediana das projeções do mercado, de 0,33%, e próximo ao teto das estimativas (+0,40%).

Os grupos de Saúde e cuidados pessoais e de Alimentação e bebidas foram os destaques do índice em abril.

No ano, a inflação acumula alta de 1,80% e, nos últimos 12 meses, avanço de 3,69% em abril — ante 3,93% até março, mas acima das expectativas de 3,65%.

FUTUROS DE NOVA YORK SINALIZAM NOVA ALTA NA ABERTURA

Os índices futuros das bolsas de valores de Nova York sinalizam uma nova abertura em alta hoje.

Na véspera, dados de auxílio-desemprego dos EUA reforçaram esperanças de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) começará a reduzir juros na segunda metade do ano.

Hoje, os investidores monitoram comentários de diversos dirigentes do Fed, além de dados sobre confiança do consumidor e expectativas de inflação.

Confira:

  • S&P 500 futuro: +0,36%
  • Dow Jones futuro: +0,29%
  • Nasdaq futuro: +0,45%
BOLSAS DA EUROPA ABREM EM ALTA

As principais bolsas de valores da Europa abriram em alta nesta sexta-feira.

Os investidores repercutem o crescimento maior do que o esperado do PIB do Reino Unido. A economia britânica teria saído da recessão, segundo dados preliminares.

Com isso, os índices de ações operam perto das máximas históricas.

Confira:

  • DAX (Frankfurt): +0,66%
  • FTSE 100 (Londres): +0,80%
  • CAC 40 (Paris): +0,81%
  • Stoxx 600: +0,80%
ECONOMIA DO REINO UNIDO CRESCE E SAI DE RECESSÃO

A economia do Reino Unido saiu da situação de recessão técnica. É o que sugerem dados preliminares da ONS, como é conhecida a agência de estatísticas do país

O Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido avançou 0,6% no primeiro trimestre de 2024 ante os três meses anteriores. Analistas esperavam alta de 0,3%.

O Reino Unido vinha de dois trimestres seguidos de contração econômica na comparação trimestral. Essa situação é conhecida como “recessão técnica”.

Já na comparação anual, o PIB do Reino Unido teve alta de 0,2% no primeiro trimestre. Analistas esperavam estabilidade nessa base de comparação.

BOLSAS DA ÁSIA FECHAM MAJORITARIAMENTE EM ALTA

As principais bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira, acompanhando os ganhos da véspera em Wall Street.

A bolsa de Hong Kong subiu 2,30%, liderando as altas na região. O índice Hang Seng atingiu o maior patamar desde agosto do ano passado em meio a notícias segundo as quais a China estaria cogitando a possibilidade de isentar investidores individuais do pagamento de impostos sobre dividendos obtidos com ações de Hong Kong.

Em outras partes da Ásia, as bolsas de Tóquio, Seul e Taiwan avançaram +0,49%, +0,57% e +0,72%, respectivamente.

Já a bolsa de Xangai subiu apenas 0,01% diante da cautela antes dos dados de inflação previstos para o fim da noite de hoje.

Veja como fecharam as bolsas asiáticas hoje.

  • Xangai: +0,01%
  • Hong Kong: +2,30%
  • Tóquio: +0,49%
  • Seul: +0,57%
  • Taiwan: +0,72%
O QUE ROLOU NOS MERCADOS ONTEM?

A ressaca da decisão do Copom trouxe uma baita dor de cabeça aos investidores: não pelo corte de 0,25 ponto percentual na taxa Selic, mas sim pela divisão entre os diretores.

O remédio agora é esperar a ata da reunião na próxima semana para buscar novas pistas sobre a trajetória da política monetária brasileira.

Com a reação ao Copom, o Ibovespa terminou o pregão com baixa de 1%, aos 128.188 pontos. Já o dólar à vista ganhou força e fechou o dia a R$ 5,1428, com alta de 1,01%.

No cenário corporativo, a temporada de balanços segue agitada, com destaques para Casas Bahia, Lojas Renner, Cogna e Banco do Brasil.

Além disso, Rede D'Or brilhou após anunciar uma parceria com o Bradesco Seguro para a criação de uma nova rede de hospitais, a Atlântica D'Or.

Os impactos da crise climática no Rio Grande do Sul e as medidas do governo permaneceram no radar.

Lá fora, os principais índices de ações de Nova York renovaram máximas com dado de atividade (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços mais fraco do que o esperado.

As atenções também se voltaram à decisão de política monetária do Banco Central da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), que manteve os juros inalterados pela sexta vez consecutiva.

Confira o que movimentou os mercados nesta quinta-feira (9).

Compartilhe

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar