🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
"União e reconstrução" é o lema

Posse: Lula parte para o ataque em primeiro discurso como presidente empossado e faz críticas ao teto de gastos e ao governo Bolsonaro

Em cerimônia marcada por simboliismos e diversas quebras de protocolo, Lula criticou o teto de gastos e deu um panorama do que será o seu terceiro mandato

Jasmine Olga
Jasmine Olga
1 de janeiro de 2023
18:55 - atualizado às 19:01
Luiz Inácio Lula da Silva recebe a faixa presidencial de representantes da sociedade civil
O presidente Lula sobe a rampa do Palácio do Planalto e recebe a faixa durante posse de seu 3° mandato, na cidade de Brasília, DF, neste domingo, 01. - Imagem: André Ribeiro / Futura Press / Estadão Conteúdo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o vice-presidente Geraldo Alckmin estão oficialmente empossados e prontos para iniciar os trabalhos do novo governo após uma cerimônia de posse marcada pela forte participação popular e simbolismo cheio de emoção. 

Na ausência de Jair Bolsonaro, que se recusou a fazer a tradicional transferência da faixa presidencial, o item simbólico foi entregue ao novo presidente por membros da sociedade civil, representantes de minorias e pautas importantes para o governo do petista — em um sinal de que o "povo" reconduziu Lula ao Planalto.

Embora o ex-presidente não tenha sido citado nominalmente nenhuma vez, Bolsonaro não foi esquecido — e nem deve ser tão cedo. 

Em seu primeiro discurso após a assinatura do termo de posse, Lula optou por um tom duro em suas críticas ao governo de Bolsonaro, sem poupar sinalizações de que irregularidades na condução da crise do coronavírus serão investigadas e julgadas. 

Isso sem falar nas críticas com relação ao abandono de diversos setores de grande importância social e ao orçamento — sem que essas questões fossem tratadas como prioridades, o que levou o governo eleito a costurar a PEC da transição para adequar recursos para suas promessas de campanha. 

O presidente eleito fez dois discursos muito semelhantes em conteúdo, mas em sua fala ao Congresso, no primeiro pronunciamento, aproveitou para desenhar o panorama geral do que espera que seja o seu governo — dando grande destaque para a recuperação do poder de compra do brasileiro e na defesa de minorias como mulheres, negros e povos originários. 

Além de prometer derrubar as normas que facilitam o acesso à munições e armas, Lula também se comprometeu a reverter os sigilos impostos por seu antecessor, assim como reinstalar as ferramentas de transparência do governo. 

Ao longo de sua fala, que teve duração de cerca de 30 minutos, o presidente passou por diversos temas — defesa da democracia e do sistema eleitoral brasileiro, agradecimento à frente  ampla que o ajudou a ser eleito e a sua luta para que o seu novo mandato seja marcado pelas mesmas conquistas sociais das duas primeiras vezes em que ocupou o Planalto. 

O discurso denso também abarcou alguns temas de grande importância para o mercado financeiro e que devem repercutir nos próximos dias nos corredores da Faria Lima. 

Ao falar sobre medidas econômicas tomadas nos últimos quatro anos, Lula acusou o governo Bolsonaro de ter utilizado as empresas públicas apenas para agradar os acionistas privados, deixando de lado o seu caráter social e o papel no desenvolvimento da economia. 

O presidente recém-empossado também voltou a ser crítico ao teto de gastos — chamando-o de “estupidez” e afirmando que a regra será revogada. Sobre as estatais, o discurso deixou claro que o objetivo da nova gestão será utilizá-las como apoio para estimular o crescimento da economia. 

Lula, no entanto, tentou responder algumas críticas também. Ao falar sobre a preocupação dos economistas com os gastos públicos, ele reforçou que os seus primeiros mandatos foram marcados pela responsabilidade fiscal e que será preciso construir um orçamento com equilíbrio para suprir todas as demandas sociais e de crescimento sem comprometer as contas públicas. 

Confira alguns trechos sobre os principais temas abordados por Lula em seu discurso de posse:

Economia 

“O diagnóstico que recebemos do Gabinete de Transição é estarrecedor. Esvaziaram os recursos da Saúde. Desmontaram a Educação, a Cultura, a Ciência e a Tecnologia. Destruíram a proteção ao Meio Ambiente. Não deixaram recursos para a merenda escolar, a vacinação, a segurança pública”. 

“Vamos recompor os orçamentos da Saúde para garantir a assistência básica, a Farmácia Popular, promover o acesso à medicina especializada. Vamos recompor os orçamentos da Educação, investir em mais universidades, no ensino técnico, na universalização do acesso à internet, na ampliação das creches e no ensino público em tempo integral”. 

“O modelo que propomos, aprovado nas urnas, exige, sim, compromisso com a responsabilidade, a credibilidade e a previsibilidade; e disso não vamos abrir mão. Foi com realismo orçamentário, fiscal e monetário, buscando a estabilidade, controlando a inflação e respeitando contratos que governamos este país”. 

“Dilapidaram estatais e bancos públicos, os recursos foram raptados para saciar rentistas”. 

Meio ambiente

"Incentivaremos, sim, a prosperidade na terra. Liberdade e oportunidade de criar, plantar e colher continuará sendo nosso objetivo. O que não podemos admitir é que seja uma terra sem lei. Não vamos tolerar a violência contra os pequenos, o desmatamento e a degradação do ambiente, que tanto mal já fizeram ao País”. 

"Nossa meta é alcançar desmatamento zero na Amazônia e emissão zero de gases do efeito estufa na matriz elétrica, além de estimular o reaproveitamento de pastagens degradadas. O Brasil não precisa desmatar para manter e ampliar sua estratégica fronteira agrícola"

Pós-eleições

“Não carregamos nenhum ânimo de revanche contra os que tentaram subjugar a Nação a seus desígnios pessoais e ideológicos, mas vamos garantir o primado da lei. Quem errou responderá por seus erros, com amplo direito de defesa, dentro do devido processo legal". 

"Ao ódio, responderemos com amor. À mentira, com verdade. Ao terror e à violência, responderemos com a Lei e suas mais duras consequências”. 

Direitos humanos

“É inaceitável que continuamos a conviver com preconceito, discriminação e racismo. Ninguém será cidadão ou cidadã de segunda classe. Ninguém terá mais ou menos amparo do Estado, ninguém será obrigado a enfrentar mais obstáculos pela cor de sua pele".

Compartilhe

PEC das Praias

Inconstitucional. É o que diz juiz do RN sobre taxa para terreno de marinha

11 de junho de 2024 - 16:04

Para o juiz, demarcação dos terrenos de marinha leva em conta informações do Brasil Imperial

GOVERNABILIDADE

Governo de Lula em perigo? Como a crise com o Congresso colocou a gestão do petista em situação “de risco”

10 de junho de 2024 - 18:02

Segundo levantamento, o I-Gov de Lula chegou ao pior patamar registrado ao longo do mandato, atingindo 40,4% em maio

DURANTE VIAGEM A PEQUIM

“O Brasil é a China dos Trópicos”: por que Alckmin usou uma frase criada há 65 anos para descrever a relação entre os dois países

7 de junho de 2024 - 16:33

Em visita a Pequim, o vice-presidente recorreu a uma frase criada pelo sociólogo Gilberto Freire para falar sobre o momento de parceria estratégica com a China

UM DRIBLE NO JABUTI

Vai ou não vai ter taxação das comprinhas da Shein, Shopee e AliExpress? Entenda de uma vez por todas o “jabuti” que será (ou não) votado no Senado hoje

5 de junho de 2024 - 10:27

O projeto de taxar as varejistas estrangeiras uniu parlamentares da oposição e da situação, que pedem uma alíquota de 20% sobre as compras feitas no exterior

ELEIÇÕES 2024

Com apoio de Lula, João Campos lidera intenções de voto no Recife; veja quem é o candidato de Bolsonaro na capital pernambucana

2 de junho de 2024 - 9:00

Além de Bolsonaro, Campos vai enfrentar candidatos apoiados pela governadora Raquel Lyra na disputa pela reeleição na prefeitura do Recife

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Quem é o melhor padrinho político na eleição para prefeitura de São Paulo? Eleitores de Lula e Bolsonaro reeditam disputa com Boulos e Nunes

1 de junho de 2024 - 16:47

Porém, o levantamento ainda indica que, seja quem for, o apoio dos protagonistas do pleito de 2022 não será capaz de transferir nem metade dos votos aos candidatos apoiados

COM A PALAVRA

Quem irá suceder a presidência na Câmara? Vice-presidente Alckmin elenca 4 “ótimos nomes” — e fala sobre eleições de 2026

1 de junho de 2024 - 14:12

A eleição acontecerá em fevereiro de 2025; como Lira já está em seu 2º mandato, não poderá concorrer novamente

BLUSINHAS MAIS CARAS

Foi pouco? Executivo diz que redução de 25% para 20% na taxação de compras internacionais em lojas como Shein, Shopee e AliExpress foi “diminuição injusta”

1 de junho de 2024 - 9:33

Apesar de diferente do ideal para os varejistas locais, a mudança ainda é favorável a eles, já que qualquer outro caminho seria mais vagaroso

COM A PALAVRA

Tarcísio copiou Haddad? Ministro afirma que ajuste fiscal do governo paulista é inspirado em plano da Fazenda

31 de maio de 2024 - 13:01

O ex-prefeito de São Paulo ainda disse que o trabalho de corte de gastos é contínuo

REVÉS NA CÂMARA

Congresso reedita disputa entre Lula e Bolsonaro e provoca derrota ao governo ao votar vetos presidenciais

29 de maio de 2024 - 11:12

Entre os reveses sofridos pelo Planalto estão a derrubada dos vetos presidenciais à “saidinha” de presos do regime semiaberto e vetos à LDO

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar