🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
REBRANDING DE GUERRA

Putin não pode mais usar Zara! Entenda o que aconteceu para o presidente russo trocar de “roupa”

O chefe do Kremlin trocou a marca do grupo espanhol Inditex, com mais de 500 lojas no país, pela Maag — saiba a razão para a mudança

Carolina Gama
27 de abril de 2023
18:04 - atualizado às 16:51
O presidente da Russia, Vladimir Putin
O presidente da Russia, Vladimir Putin - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente russo, Vladimir Putin, não é conhecido por ser um ícone fashion, mas nesta quinta-feira (27) virou notícia por conta da moda. O chefe do Kremlin ficou sem a Zara — agora ele pode ser visto trajando um look da Maag — nome dado à marca espanhola, que foi rebatizada em Moscou. 

A Maag faz parte das mais de 500 lojas que a gigante espanhola do varejo de moda Inditex vendeu em outubro do ano passado.

Além da Zara, a Inditex também é dona das marcas Pull&Bear, Massimo Dutti, Bershka, Stradivarius e Oysho.

Depois da invasão da Ucrânia realizada por Putin, a Inditex interrompeu as operações na Rússia. Logo depois, acabou vendendo essas mais de 500 lojas para um comprador dos Emirados Árabes Unidos.

Putin sem Zara

Das 502 lojas da Inditex na Rússia, 86 são da Zara. Quando suspendeu as atividades no país por conta da invasão, a rede deixou de vender tanto em loja física como on-line. 

Ao sair da Rússia definitivamente, o grupo deixa para trás cerca de 8,5% do lucro operacional obtido no país de Putin. 

A Rússia é um mercado importante para a Inditex, aparecendo, até então, como o segundo maior mercado do grupo em número de lojas, perdendo só para a Espanha. A Ucrânia, por exemplo, tem 79 lojas do grupo — cujas atividades foram reduzidas por conta da guerra. 

Em comunicado à Comissão Nacional do Mercado de Valores Mobiliários da Espanha, a Inditex informa que vai priorizar a força de trabalho de mais de 9 mil pessoas no país e que desenvolverá junto a esses funcionários um plano de suporte especial, mas não fornece detalhes. 

  • Ainda tem dúvidas sobre como fazer a declaração do Imposto de Renda 2023? O Seu Dinheiro preparou um guia completo e exclusivo com o passo a passo para que você “se livre” logo dessa obrigação – e sem passar estresse. [BAIXE GRATUITAMENTE AQUI]

Outras marcas também mudaram de nome

Não foi só a Zara que mudou de nome para operar na Rússia sob nova direção. Na terça-feira (25), a versão renomeada do KFC reabriu no centro de Moscou com o nome de Rostic's.

A rede de fast-food foi lançada originalmente na Rússia em 1993 e fez parceria com o KFC em 2005 — a gigante do frango frito tinha mais de 1.000 restaurantes na Rússia antes da guerra.

Outra rede de fast-food também foi substituída. O McDonald's vendeu mais de 800 restaurantes na Rússia para o empresário Alexander Govor — que substituiu os Arcos Dourados por uma letra M estilizada, feita de duas batatas fritas e um ponto. 

A Starbucks também voltou a operar na Rússia sob novo nome e direção. A agora Stars Coffee manteve o logotipo com a imagem de uma mulher com uma estrela acima da cabeça.

Uma rede especializada em donuts conhecida como Krispy Kreme também foi remodelada com a guerra. As novas lojas — chamadas Krunchy Dream — estão operando sob o Grupo Novikov, de propriedade de Arkady Novikov, ex-franqueado da Krispy Kreme na Rússia. 

Putin ainda dá acesso a produtos proibidos 

Milhares de empresas deixaram de operar na Rússia por conta da guerra — e isso não é força de expressão. Um levantamento da Universidade de Yale indica que mais de mil marcas não estão mais no país de Putin.

Nike, McDonald's, Starbucks, HP… não foram poucos os grandes nomes que saíram do país com a invasão da Ucrânia — muito por conta dos efeitos das sanções internacionais e possíveis retaliações dos EUA e dos seus aliados. 

Ainda assim, os russos continuam tendo acesso a esses produtos. Uma reportagem da Reuters de fevereiro deste ano, quando a guerra completou um ano, mostrou que as rotas de abastecimento tiveram que mudar, mas os produtos continuam chegando — até porque o governo russo facilita ao máximo esse processo, ignorando eventuais irregularidades que a importação possa ocasionar.

O que também ajuda a manter o mercado russo abastecido é a importação paralela, que envolve, na maioria dos casos, países da União Econômica Eurasiática (UEE), cujos membros — Armênia, Belarus, Cazaquistão e Quirguistão — compartilham uma união aduaneira com Moscou. 

A China, a mais importante aliada política de Putin, também ajuda a levar determinados produtos aos russos. Entre eles a Coca-Cola, que parou de produzir na Rússia, mas continua chegando ao país.

*Com informações da BBC, CNBC e Reuters

Compartilhe

GUERRA QUENTE

Por essa nem Putin esperava: a previsão que coloca a Rússia à frente da maior economia do mundo

17 de abril de 2024 - 18:41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou as projeções para a economia russa e os números revelam o segredo de Putin para manter o país em expansão

COM OU SEM CHAMPANHE?

O maior bilionário do planeta ficou quase R$ 30 bilhões mais rico hoje. O que fez a fortuna do dono da Dior e da Louis Vuitton disparar?

17 de abril de 2024 - 17:55

O patrimônio do magnata de luxo francês acompanha a valorização das ações da LVMH; conheça os números do conglomerado que animaram o mercado hoje

DECRETO CONTINUA

Milei tem vitória no “STF” da Argentina e mantém decreto em vigor, mas batalha ainda não terminou  

17 de abril de 2024 - 10:31

Mesmo que a Corte resolvesse barrar o DNU, Milei ainda tem uma carta na manga: ele poderá indicar até dois novos juízes para o tribunal

MAGNATA INDONÉSIO

Como este bilionário que você provavelmente não conhece transformou uma fortuna de US$ 5 bilhões em US$ 51 bilhões de em um ano

16 de abril de 2024 - 19:33

O magnata asiático da indústria de energia conseguiu multiplicar a sua fortuna em dez vezes em um ano; entenda o que aconteceu

ELON MUSK TINHA RAZÃO?

Invasão da China: como Biden e Trump querem frear os elétricos chineses liderados pela BYD nos EUA

16 de abril de 2024 - 18:58

Os veículos elétricos ainda não são vendidos no país, mas despertam cada vez mais preocupação de políticos e empresários do segmento, que colocam planos para barrar a maré vermelha à prova

A VIDA VAI MELHORAR (?)

Segura, Javier Milei: Argentina terá inflação de “apenas” 150% em 2024, mas contração econômica será maior, diz FMI

16 de abril de 2024 - 16:47

As projeções para 2025 melhoram, com a expectativa de que a inflação fique em 45% no ano e a atividade econômica cresça 5% em relação a 2024

ÁGUA NO CHOPE DO MERCADO

Juros em alta? Presidente do Fed fala pela primeira vez após dado de inflação e dá sinal claro do que vai acontecer nos EUA — bolsas sentem

16 de abril de 2024 - 15:35

A declaração de Powell voltou a sacudir os mercados: Wall Street devolveu ganhos, com o S&P 500 no vermelho, e os yields (rendimentos) dos títulos do Tesouro norte-americano voltaram a disparar

SEM BANHO-MARIA

Fogo alto: o revide de Israel contra o Irã coloca Netanyahu em uma panela de pressão — mas há uma saída possível

16 de abril de 2024 - 14:34

O mundo se pergunta quando Israel vai revidar à ofensiva iraniana e uma autoridade do país dá uma pista do que pode acontecer daqui para frente

OS ALVOS DO BILIONÁRIO

‘Petróleo branco’, níquel e satélites: conheça interesses de Elon Musk no Brasil

15 de abril de 2024 - 19:06

Entre seus principais alvos está a mineração, que abastece suas indústrias com materiais necessários para produção

O PRATO QUE SE COME FRIO

A resposta de Israel ao Irã ainda não veio: por que você deveria estar preocupado mesmo assim

15 de abril de 2024 - 16:59

Os preços do petróleo ainda rondam patamares elevados e algumas das principais bolsas do mundo operaram em queda nesta segunda-feira (15)

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar