🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero com especialização em Macroeconomia e Finanças (FGV) e pós-graduação em Mercado Financeiro e de Capitais (PUC-Minas). Com passagens pelo portal R7, revista IstoÉ e os jornais DCI, Agora SP (Grupo Folha), Estadão e Valor Econômico, também trabalhou na comunicação estratégica de gestoras do mercado financeiro.
HISTÓRICO

Conheça a história da Americanas (AMER3), um dos símbolos do varejo nacional que pediu recuperação judicial com um rombo contábil e uma dívida de R$ 43 bilhões

Criada em 1929, a Americanas (AMER3) tentou se renovar com a aposta no comércio eletrônico, mas já enfrentava dificuldades antes da descoberta dos problemas no balanço

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
19 de janeiro de 2023
18:08 - atualizado às 18:09
Americanas efeito congelamento Avenida Brasil
Montagem com fachada de loja da Americanas - Imagem: Pinterest / Montagem Brenda Silva

A derrocada da Americanas (AMER3) surpreende não apenas pelo rombo de R$ 20 bilhões encontrado na varejista, mas também pela velocidade em que tudo aconteceu. Ainda mais para uma empresa quase centenária e que tem os homens mais ricos do país como acionistas de referência. 

Desde o anúncio que levou o então CEO Sérgio Rial a deixar o cargo antes mesmo de esquentar a cadeira, foram necessários somente oito dias para que a varejista entrasse com um pedido de recuperação judicial, formalizado e aceito nesta quinta-feira (19) — tudo muito rápido, urgente e sem solução mágica.

No total, a Americanas declarou uma dívida de R$ 43 bilhões, com o objetivo de protegê-la dos 16.300 credores e tentar garantir sua reestruturação.

A situação só piorou após a revelação de que o caixa disponível da companhia chegou a apenas R$ 800 milhões, deixando claro que a recuperação judicial viria em questão de pouquíssimo tempo, já que boa parte dos recursos estava indisponível para movimentação.

A história da Americanas (AMER3)

Parte da perplexidade do mercado com a Americanas (AMER3) vem não apenas dos valores revelados ou do desconhecimento sobre quão fundo é esse buraco, mas também pelo que a empresa representa, sendo um dos símbolos do varejo brasileiro.

Criada em 1929, já são quase 100 anos de história num país que, como diz a frase atribuída a Tom Jobim, não é para amadores. A varejista foi criada por um grupo de americanos — daí o nome — e teve desde sempre um apelo mais popular.

Mas a Americanas só ganhou os contornos de hoje após a chegada do famoso trio da 3G Capital formado por Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira, em 1982. Juntos, eles tinham a missão de reestruturar a empresa e torná-la rentável e eficiente.

  • Não perca dinheiro em 2023: o Seu Dinheiro conversou com os principais especialistas do mercado financeiro e reuniu neste material as melhores oportunidades de investimentos em ações, BDRs, fundos imobiliários e muito mais. ACESSE AQUI GRATUITAMENTE

E durante um bom tempo conseguiram. Além da Ambev (ABEV3), a Americanas é um dos símbolos do estilo de gestão desses empresários, voltado para a eficiência e o corte de custos em prol da saúde financeira. Não demorou para o trabalho na empresa virar um exemplo.

Em setembro passado (último dado disponível), a Americanas contava com 3.601 lojas em mais de 900 cidades.

A aposta no varejo digital

Sempre famosa e na memória dos brasileiros, a varejista também conseguiu surfar a onda do início da internet no Brasil e das compras feitas online. Em 2000 surgiu o site Americanas.com.

Nos anos seguintes, o grupo aumentou a aposta nas vendas online com a compra dos concorrentes Shoptime e Submarino. Em 2007, após a incorporação da primeira loja e a fusão com a segunda, foi criada a B2W, uma gigante do comércio eletrônico.

Mas, claro, nenhum crescimento é linear e constante. Ainda mais com o acirramento da concorrência com nomes  como Via (VIIA3) e Magazine Luiza (MGLU3). A rivalidade também veio de fora, com Mercado Livre (MELI34) e Amazon (AMZO34).

Com o objetivo de simplificar a estrutura, em 2021 surgiu a Americanas S.A., combinação dos negócios com a B2W. Isso abriu espaço para que Lemann, Sicupira e Telles deixassem o controle da empresa e virassem o que o mercado chama de "acionistas de referência". 

Hoje eles são donos de 31,13% das ações da empresa, mas pode ser que aumentem essa fatia diante da capitalização que a varejista precisa para se manter de pé

As dificuldades da varejista

A situação da Americanas antes da descoberta do rombo de R$ 20 bilhões já não era das mais favoráveis. Além da concorrência,  o cenário atual de juros altos, endividamento das famílias e a baixa confiança do consumidor estão entre os desafios das varejistas brasileiras.

Para analistas do setor e gestores, enquanto não houver melhora macroeconômica, não haverá descanso para as companhias. Mas a Americanas, especialmente, já estava em desvantagem nessa corrida.

Quando comparada com as demais, ela sempre era apontada como aquela que tinha o balanço menos saudável, com vendas mais fracas e projeções mais pessimistas para o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Se antes a desconfiança com a Americanas já era grande, esse sentimento só aumentou desde a semana passada, uma vez que os analistas sequer conseguem dimensionar quais eram os verdadeiros números dos balanços passados diante da baixa contábil. E pior: essa pulga atrás da orelha ainda se alastra e contamina as demais empresas do setor.

O que o futuro guarda para a Americanas (AMER3)

Ainda sobram perguntas e faltam um bocado de respostas quando falamos do futuro da Americanas (AMER3). Com a recuperação judicial aprovada, o processo ainda deve se arrastar por alguns meses e uma série de etapas

Nesse meio tempo, a varejista deve ficar em um “limbo”, e os concorrentes devem se aproveitar para ocupar esse espaço.

Mesmo antes da revelação do rombo contábil, os números do balanço da Americanas eram pouco animadores. No terceiro trimestre de 2022, o prejuízo líquido da empresa foi de R$ 211,6 milhões, enquanto o Ebitda somava R$ 582,3 milhões.

Nesse contexto, é certo que a Americanas precisará de um plano de recuperação consistente se não quiser entrar para a lista de varejistas brasileiras que não resistiram ao passar dos anos — entre elas Mappin, Mesbla, JumboEletro e Ultralar.

Nomes conhecidos e que ficam na memória de muita gente, mas que não sobreviveram aos períodos de inflação alta e a necessidade de capitalização permanente, duas constantes do setor.

Compartilhe

DEVO, NÃO NEGO...

Unigel entra com plano de recuperação extrajudicial para reestruturar R$ 3,9 bilhões em dívidas

21 de fevereiro de 2024 - 8:40

Indústria química obteve a adesão de pouco mais de um terço dos credores e agora tem 90 dias para aprovar plano de recuperação extrajudicial; veja a proposta

NÃO VAMOS DOBRAR A META?

Por que a Vamos (VAMO3) abandonou de vez o plano de atingir uma frota com 100 mil ativos até 2025

20 de fevereiro de 2024 - 19:50

A meta havia se tornado pública em entrevista concedida pelo CEO da empresa, Gustavo Couto, em meados do ano passado

CONFIRA O CRONOGRAMA

Weg (WEGE3) libera R$ 1,3 bilhão em dividendos extras e data de corte para ter direito à bolada está próxima

20 de fevereiro de 2024 - 19:07

O dinheiro sera depositado na mesma data em que os juros sobre o capital próprio anunciados em dezembro do ano passado

APÓS ENCONTRO COM A ADNOC

Petrobras (PETR4) compra ou vende uma fatia da Braskem (BRKM5)? CEO da estatal conta detalhes da conversa com árabes interessados na petroquímica 

20 de fevereiro de 2024 - 15:42

Jean Paul Prates reuniu-se na semana passada com o CEO da Abu Dhabi National Oil Company (Adnoc), uma das interessadas na petroquímica

JEAN PAUL PRATES REVELA

Petróleo subiu: a gasolina vai aumentar? Veja o que diz o presidente da Petrobras (PETR4)

20 de fevereiro de 2024 - 15:00

Segundo Jean Paul Prates, a discussão sobre eventuais reajustes está sempre no radar

DESTAQUES DA BOLSA

Carrefour de carrinho cheio: ação dispara quase 10% e lidera ganhos do Ibovespa após balanço. É hora de comprar ou vender CRFB3?

20 de fevereiro de 2024 - 13:15

Os papéis entraram em leilão três vezes por oscilação máxima permitida pela B3; a temperatura dos ganhos baixou, mas a varejista ainda aparece entre as cinco maiores altas do principal índice da bolsa brasileira

EM DIREÇÃO AO FUTURO

Sem efeitos colaterais? Como está o paciente da empresa de Elon Musk que implantou chip no cérebro

20 de fevereiro de 2024 - 12:20

Dispositivo desenvolvido por startup de Elon Musk, a Neuralink, deve permitir que seres humanos controlem computadores e celulares por meio do pensamento

O QUE VEM POR AÍ

Rombo ainda maior? Americanas (AMER3) adia de novo a divulgação do balanço e investidor vai ter que esperar para saber se a dívida cresceu

19 de fevereiro de 2024 - 19:56

A última vez que a varejista divulgou resultados financeiros foi em novembro do ano passado, quando a revisão dos balanços fraudados levou ao reconhecimento de prejuízos de bilhões

CONFIRA O CRONOGRAMA

Itaúsa (ITSA4) aprova R$ 3,1 bilhões em dividendos e vai depositar dinheiro na conta dos acionistas todo trimestre até 2025

19 de fevereiro de 2024 - 18:45

Os dividendos aprovados hoje pelo conselho de administração correspondem a R$ 0,3005 por ação e serão pagos em 8 de março

BIG TECHS

‘Similar a 1929’: as “Sete Magníficas” de tecnologia dos EUA já valem mais do que quase todas as bolsas do mundo; e agora?

19 de fevereiro de 2024 - 13:52

Situação é bastante similar à bolha pontocom, em 2000, e ao crash da Bolsa em 29, mas analistas defendem que cenário atual é mais sólido.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies