🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Em default

Após a Azul (AZUL4), Gol (GOLL4) também tem sua nota de crédito rebaixada pela Fitch – e para nível de calote

Agência de rating cortou notas da aérea em três ou quatro níveis após proposta de estruturação que se assemelha a default

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
10 de fevereiro de 2023
19:15 - atualizado às 20:18
Aeronave da Gol no aeroporto de Congonhas (SP)
Segundo os critérios da Fitch, reestruturação de dívida proposta pela Gol já se assemelha a calote. - Imagem: Shutterstock

Após rebaixar as notas de crédito da Azul (AZUL4), atribuindo o corte até mesmo ao caso Americanas, a Fitch também revisou, nesta sexta-feira (10), a classificação de risco da Gol (GOLL4). E foi um corte e tanto.

Todos os ratings da companhia aérea foram rebaixados para o nível C, que classifica empresas que já iniciaram um processo de calote ou similar, ou que ao menos estejam com capacidade de pagamento bastante prejudicada.

Houve corte da classificação de risco das dívidas de longo prazo, tanto em moeda local quanto estrangeira, de B- para C, com perspectiva negativa; da nota dos títulos sem garantia de B- para C; e do rating nacional de longo prazo de BB+ para C, com perspectiva negativa. Ou seja, em todos os casos, a nota de crédito foi rebaixada em três ou quatro níveis.

Segundo a Fitch, o rebaixamento da Gol se deve ao anúncio de um novo compromisso de financiamento assumido pela aérea junto à Abra Group, nova holding estabelecida para controlar as operações de Gol e Avianca.

A transação prevê um investimento da Abra na Gol de cerca de US$ 1 bilhão por meio da aquisição de títulos de dívida seniores (com prioridade de recebimento) com vencimento em 2028 e garantidos por propriedades intelectuais da Gol, como a marca do programa de fidelidade Smiles.

Em adição a isso, a holding se comprometeu a investir, de tempos em tempos, aproximadamente US$ 400 milhões na Gol. Finalmente, a transação prevê o cancelamento de pelo menos US$ 680 milhões de títulos de dívida da Gol, transformando a Abra no maior entre os credores com garantias da Gol.

Fitch considera operação uma espécie de calote e pode rebaixar Gol para nível de default

Acontece que, segundo os critérios da Fitch, esse novo compromisso se equipara, de certa forma, a um calote, pois pressupõe que credores que aceitem descontos no principal da dívida tenham prioridade de recebimento.

A companhia aérea recomprará dívidas que vencem em 2026 a preço de mercado (com desconto em relação ao valor de face) a fim de substituí-las por dívidas mais longas, cujo principal credor será a Abra.

"A transação inclui diferentes níveis de desconto para os títulos seniores da companhia, mais em linha com as atuais tendências de preços de mercado, e está condicionada a limites mínimos de participação e consentimentos de saída para eliminar covenants", diz a Fitch. Entenda o que são covenants numa operação de financiamento.

Assim, a agência de classificação de risco diz que os ratings da Gol serão rebaixados para o nível Restricted Default (RD) - calote restrito - ou abaixo, dependendo do nível de garantia da dívida, caso a transação seja completada com sucesso.

Agência não cita Americanas, mas cenário de crédito no Brasil não é convidativo para empresas endividadas

Embora a Fitch não tenha citado a inadimplência da Americanas na revisão do rating da Gol, como fez mais cedo no caso da Azul, é preciso lembrar que a sequência de eventos que levou à recuperação judicial da varejista abalou o mercado de crédito brasileiro, o que prejudica sobretudo as empresas mais endividadas, como as aéreas.

O rombo bilionário da Americanas derrubou os valores dos títulos de dívida corporativa e deixou os grandes bancos - principais credores da companhia - mais restritivos na concessão de crédito, e isso justo num momento de Selic elevada e perspectivas de desaceleração econômica no exterior.

Compartilhe

Mercado acionário

Bank of America corta preço-alvo para ações de bancões brasileiros, mas mantém recomendação

12 de junho de 2024 - 15:10

Combinação de receitas diversificadas, funding, controle de custos e balanços fortes são os fatores positivos apontados pelos analistas

DINHEIRO NO BOLSO

Dividendos milionários: Grupo Mateus (GMAT3) vai pagar mais de R$ 134 milhões para acionistas; confira os prazos e como receber

12 de junho de 2024 - 12:50

O anúncio da distribuição do JCP ocorre em um momento positivo para a companhia, que vem contrariando a crise no varejo

Quem vai ficar com ela

Acionistas da Braskem descartam negociação com a Petrochina

12 de junho de 2024 - 11:42

Companhia informou à CVM que seus controladores, Petrobras e Novonor, negam as negociações

UM NOVO PEDIDO

Vale (VALE3), BHP e Samarco fazem nova proposta bilionária por desastre em Mariana — mas ainda é menos do que o governo exige

12 de junho de 2024 - 10:39

Junto com a BHP Brasil e a Samarco, as mineradoras se propuseram a pagar R$ 140 bilhões pela tragédia na barragem

MAIS UMA FATIA

Do papel ao pano, Suzano (SUZB3) entra no ramo têxtil e compra 15% de fabricante de fibras por cerca de R$ 1,3 bilhão

12 de junho de 2024 - 8:54

Além da aquisição, o acordo com acionistas da B&C inclui o direito da Suzano a duas cadeiras no conselho de administração da Lenzing

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Diversidade de gênero: presidente da ABVCAP anuncia iniciativa para impulsionar mulheres em carreiras de investimentos

11 de junho de 2024 - 19:45

Em entrevista ao Seu Dinheiro, Priscila Rodrigues, presidente da Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital contou detalhes do projeto de incentivo a mulheres

CONFIRA OS CENÁRIOS

Rede D’Or (RDOR3) quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações e deve usar reserva de lucros para isso; como ficam os acionistas?

11 de junho de 2024 - 18:38

A empresa poderá adquirir até 30 milhões de ações ordinárias, soma que corresponde a 10% do total em circulação no pregão de ontem

APÓS FUSÃO FRUSTRADA

Santander corta o preço-alvo da PetroReconcavo (RECV3), mas mantém recomendação de compra e ações saltam 4% na bolsa

11 de junho de 2024 - 15:25

Para o segundo semestre, a expectativa é de que a PetroReconcavo pise no acelerador, para uma média de 27 mil boed até o fim de 2024 e de 31 mil boed em 2025

Recuperação judicial

Tapando o buraco? Americanas (AMER3) divulga receita e lucro bruto não auditados de 2023 e 1T24; confira os números

11 de junho de 2024 - 13:11

Varejista informou ao mercado que parte dos credores foram quitados ou aderiram ao parcelamento proposto

DE VOLTA AOS TRILHOS?

Lojas Marisa (AMAR3) aprova aumento de capital de até R$ 750 milhões e novas ações terão desconto de quase 20%

11 de junho de 2024 - 9:42

De acordo com a empresa, os acionistas controladores já se comprometeram a investir pelo menos R$ 290 milhões no aumento de capital

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar