🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
ATENTO AOS SINAIS

A Selic cai em agosto? Ata do Copom indica que sim (com condições) e traz “cutucada” no governo às vésperas do CMN

Banco Central fala em “iniciar um processo parcimonioso de inflexão” da Selic já na próxima reunião, mas a visão não é consenso dentro do Copom; entenda a divergência

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
27 de junho de 2023
9:33 - atualizado às 9:51
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, concede entrevista coletiva para apresentar os resultados de implementação da Agenda BC#.
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto - Imagem: Agência Brasil

Depois de um balde de água fria na semana passada, o Banco Central reacendeu as esperanças daqueles que esperam pelo início do processo de corte da taxa básica de juros (Selic) a partir de agosto.

A ata da última reunião do Comitê Política Monetária (Copom) trouxe informações mais relevantes sobre o que esperar dos juros daqui para frente do que o duro comunicado que acompanhou a decisão do BC de manter a os juros em 13,75% ao ano.

Foi uma sinalização bem tênue, é verdade, e nem sequer há consenso entre os membros do Copom liderado por Roberto Campos Neto.

Mas a visão predominante é a de que a "continuação do processo desinflacionário em curso, com consequente impacto sobre as expectativas, pode permitir acumular a confiança necessária para iniciar um processo parcimonioso de inflexão na próxima reunião".

Em outras palavras, o BC praticamente sepultou as chances de um corte mais ousado na reunião de agosto. Mas deixou a porta bem aberta para o início do ciclo de queda da Selic, provavelmente com uma redução de 0,25 ponto percentual.

VEJA TAMBÉM: POR QUE O DÓLAR ESTÁ CAINDO TANTO? I SEU DINHEIRO EXPLICA

Ata do Copom: divergência sobre os próximos passos da Selic

Seja como for, ainda há divergências dentro do BC sobre os próximos passos. Para o grupo mais cauteloso, "é necessário uma maior reancoragem das expectativas longas de inflação" antes de se falar em corte de juros.

Como se sabe, o BC entende que as expectativas de inflação dentro da meta são fundamentais para manter o dragão sob controle. Apesar da melhora recente, o Copom entende que elas seguem acima do esperado, em particular nos prazos mais longos.

O grupo de membros do Copom contrário à uma indicação mais clara de queda da Selic entendem ainda que a queda recente nos índices de inflação reflete o recuo de componentes mais voláteis.

De todo modo, todos os diretores do BC concordam que uma eventual redução dos juros dependerá de uma série de fatores. Entre eles, a evolução da dinâmica inflacionária, em especial dos componentes mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica, das expectativas de inflação, em particular as de maior prazo, das projeções de inflação, do hiato do produto e do balanço de riscos.

  • 5 ações gringas para comprar agora: conheça as melhores apostas nos mercados internacionais para buscar lucros nos próximos meses, segundo analistas da Empiricus Research. [ACESSE A LISTA GRATUITA AQUI]

Cutucada no governo

Os diretores do Banco Central aproveitaram a ata para dar uma espécie de cutucada no governo. Isso porque o documento atribui parte da desancoragem das expectativas de inflação longas "ao questionamento sobre uma possível alteração das metas de inflação futuras".

A afirmação já estava presente na ata da reunião passada do Copom. Mas agora ganha mais força porque o Conselho Monetário Nacional (CMN) se reúne nesta quinta-feira, e um dos temas deve ser justamente a definição das metas de inflação.

O governo já defendeu um possível aumento nas metas de inflação para os próximos anos. Em abril, por exemplo, o presidente Lula afirmou que “se a meta de inflação está errada, muda-se a meta”. Já o Banco Central aceita discutir uma flexibilização do calendário para se alcançar a meta.

Como presidente do BC, Roberto Campos Neto tem direito a um voto nas decisões do CMN. Os outros dois vêm do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e da ministra do Planejamento, Simone Tebet.

"O Comitê avalia que decisões que reancorem as expectativas podem levar a uma desinflação mais célere", avisa o Copom, na ata.

Compartilhe

PRÊMIO BANCO CENTRAL DO ANO

Recado para Lula e Haddad? A declaração de Campos Neto sobre a autonomia do BC e as decisões de juros para conter inflação

12 de junho de 2024 - 19:54

Presidente da autoridade monetária recebeu prêmio o prêmio “Banco Central do Ano”, conferido pelo portal de notícias Central Banking, em Londres e aproveitou para falar sobre sua gestão

AJUDA AO GOVERNO

Dividendos pingando na conta do Tesouro: BNDES eleva pagamento de proventos para 50% — e cifra deve chegar a R$ 16 bilhões

12 de junho de 2024 - 19:30

Aumento do percentual de pagamento de dividendos de 25% para 50% não deve reduzir os desembolsos do banco, segundo Aloizio Mercadante

De olho nos petrodólares

Ministro da Agricultura elege sauditas como “parceiros preferenciais”

12 de junho de 2024 - 18:42

Fávaro disse que tem fechado acordos para infraestrutura e formação de fundos com a Arábia Saudita

PRESTAÇÃO DE CONTAS

O que o TCU viu de certo — e também de errado — nas contas do governo Lula em 2023?

12 de junho de 2024 - 18:21

A auditoria da prestação de contas de Lula no ano passado verificou cerca de R$ 109 bilhões em irregularidades e distorções de valor no balanço da União

MINISTROS DIVIDIDOS

A remuneração do FGTS vai mudar: confira a decisão do STF sobre o cálculo que pode afetar o setor imobiliário

12 de junho de 2024 - 16:15

Atualmente, os valores depositados no fundo remuneram a Taxa Referencial (TR) mais 3% ao ano, além do eventual lucro no período, mas o cálculo vai mudar.

MP da Compensação

Senado avalia usar Imposto de Renda, repatriação e dinheiro esquecido para compensar a desoneração da folha

12 de junho de 2024 - 12:03

Uma das fontes avaliadas pelo Senado para compensar desoneração é a taxação de compras internacionais

AI MINHAS COMPRINHAS

Câmara aprova lei que taxa compras internacionais de varejistas como Shein, AliExpress e Shopee. Lula vai vetar?

12 de junho de 2024 - 10:08

A alíquota de 20% sobre o e-commerce estrangeiro foi um “meio-termo” e substituiu a ideia inicial de aplicar uma cobrança de 60% sobre mercadorias que vêm do exterior

LOTERIAS

Lotofácil faz novos milionários pelo Brasil enquanto Mega-Sena acumula e Caixa recebe apostas exclusivas para a Quina de São João

12 de junho de 2024 - 5:53

Se o prêmio acumulado da Mega-Sena rapidamente atingiu a marca de R$ 40 milhões, a Lotofácil teve 3 ganhadores, mas fez apenas 2 novos milionários

MP da Compensação

Pacheco devolve MP do PIS/Cofins e impõe derrota ao governo Lula

11 de junho de 2024 - 19:03

Presidente do Senado diz que MP descumpre princípio de anterioridade para questões tributárias

Leilão polêmico

O que levou o governo Lula a cancelar o leilão para compra de arroz importado?

11 de junho de 2024 - 16:32

Segundo o governo, anulação se deu por falta de capacidade financeira das empresas em honrar os compromissos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar