🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView

Sinto-lhe dizer, mas você não vai enriquecer como o Lemann investindo em Ambev (ABEV3) — entenda por quê

Empresas excelentes podem se tornar péssimos investimentos, a depender dos preços de suas ações

24 de fevereiro de 2023
6:03 - atualizado às 19:32
Jorge Paulo Lemann e família (Ambev)
Jorge Paulo Lemann e família Ambev - Imagem: Shutterstock / Divulgação / Montagem Brenda Silva

Certa vez, eu ouvi um amigo do mercado dizer que só investia em empresas grandes e consolidadas em seus setores, líderes em market share e com longo histórico de execução. 

Numa mesa de bar, já um pouco embriagado e sem muita vontade de discutir com um colega que não via há muito tempo, simplesmente acenei que "sim" com a cabeça, mas discordando com todas as minhas forças por dentro. 

Veja bem, ele não estava totalmente errado. 

Ao investir queremos comprar ações de empresas decentes, consolidadas e com marcas fortes. O problema é que, assim como ele, nove entre dez investidores perseguem essa mesma classe de ativos, o que os torna, na maioria das vezes, muito bem precificados e sem muito espaço para upside. 

Pegue o exemplo da Ambev, a gigante do negócio de bebidas alcoólicas controlada pelo Grupo 3G. Depois de anos crescendo via fusões e aquisições (M&As), hoje a companhia é tão grande que qualquer aquisição faz pouca diferença em termos de receitas ou diluição de despesas. 

Seu market share é tão vasto que se tornou difícil continuar ganhando espaço no mercado. Na verdade, em alguns meses é a competição que rouba participação da gigante. 

Tudo isso acontece enquanto se discute a reforma tributária (que deve afetar os lucros da companhia por distribuir muitos juros sobre capital próprio) e em um momento em que todo o mercado está receoso com as empresas do Grupo 3G após o caso Americanas.  

Tudo bem, a Ambev é realmente uma grande empresa, com marcas fortes, amplo histórico operacional e de distribuição de proventos. 

Mas negociando por 15 vezes lucros (que tem tido dificuldade para crescer) e um dividend yield de apenas 5%, as ações já estão muito bem precificadas frente aos riscos mencionados. A Carteira Empiricus, inclusive, tem uma posição vendida (short) nos papéis neste momento.  

Eu não estou falando que ABEV3 não vai subir. Estou apenas dizendo que, com tantos fatores jogando contra, é difícil imaginar uma grande multiplicação dos papéis neste momento. No futuro, com as ações negociando por múltiplos mais interessantes, pode ser que eu mude de ideia. 

Empresa boa é diferente de ação boa

O caso da Ambev ilustra um erro de julgamento muito comum. Empresas excelentes podem se tornar péssimos investimentos, a depender dos preços de suas ações. 

Uma maneira de evitar esse problema é aguardar momentos propícios para comprar esses ativos. Uma crise financeira, um ciclo de aperto monetário, ou alguns resultados decepcionantes podem abrir janelas interessantes para comprar as famosas "blue chips" por preços atrativos.

Outra maneira é tentar encontrar empresas que ainda não são tão conhecidas quanto a Ambev, o Pão de Açúcar ou a Nike, que ainda não merecem múltiplos tão elevados, mas que possuem capacidade para "chegar lá". 

Um bom exemplo é o BR Partners (BRBI11), sobre o qual comentamos na semana passada. O banco atua em um nicho similar ao do BTG (BPAC11), mas com uma estrutura bem mais enxuta e uma fama muito menor, o "mini BTG" negocia hoje por 1,4 vez valor patrimonial, 30% menos do que BPAC11. 

Por 14 vezes lucros, a Track&Field (TFCO4) pode não parecer uma barganha, mas essa percepção muda radicalmente quando lembramos que a companhia possui uma marca fortíssima dentro do seu nicho de atuação e também quando notamos que a Nike negocia por 30 vezes lucros, mas com menores margens e menor crescimento também. 

Re-rating + crescimento de lucro = supervalorização

Mais uma vez, não há nada de errado em comprar ações de empresas estabelecidas, desde que estejam negociando por preços interessantes. O Itaú, por exemplo, tem um modelo de negócios consolidado, uma capacidade financeira absurda e, principalmente, negocia por preços bastante convidativos (7 vezes lucros), e por isso faz parte da série  Vacas Leiteiras.

Com uma receita de quase R$ 150 bilhões e o maior market share do setor, é difícil imaginar que o Itaú vai conseguir dobrar de tamanho em alguns anos.

Mas nem precisamos disso para conseguir lucrar com as ações. Isso porque um simples retorno dos múltiplos para a média histórica (9 vezes lucros) já representaria uma apreciação de 30% - 40%.

Fonte: Bloomberg | Elaboração: Seu Dinheiro 

No entanto, nas microcaps relativamente desconhecidas, conseguimos capturar não só essa reprecificação de múltiplos (re-rating) como também podemos surfar o crescimento de resultados, já que muitas delas ainda estão em fase de expansão. 

A combinação do re-rating com um forte crescimento de lucros é capaz de provocar as valorizações de 100%, 200%, 300% ou até mais, que observamos com certa frequência no universo das microcaps. 

O BR Partners e a Track&Field são dois dos nossos nomes preferidos nesse universo, e fazem parte da série Microcap Alert.

Caso queira conferir todos os outros ativos que compõem essa carteira, que conta com grande potencial de valorização e já traz retornos muito acima do índice Small Caps em 2023, deixo aqui o convite

Um grande abraço e até a semana que vem!

Ruy

Powered by Seu Dinheiro Select.

O processo de escolher boas ações para colocar na carteira - e saber a hora certa de fazer isso - não precisa ser um grande desafio. 

Com a experiência de mercado que possui, o sócio fundador da Empiricus Research fez a seleção das 16 melhores empresas para investir agora e buscar o depósito de bons dividendos na sua conta.

Para conferir a seleção de forma GRATUITA e "copiar" a estratégia em seu portfólio, é só clicar aqui.

Compartilhe

SEXTOU COM O RUY

A Oi (OIBR3) é uma pechincha? Se você quer ter um sono tranquilo e bons lucros, olhe para outra empresa do setor

1 de março de 2024 - 6:05

Essa companhia distribuiu R$ 4,8 bilhões em dividendos e, como o grosso do investimento em fibra parece ter ficado para trás, a expectativa é de que esses proventos aumentem ainda mais

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Solução de quatro estados

29 de fevereiro de 2024 - 20:02

Como faremos para balancear extremos opostos por meio de um único instrumento mediano nos mercados financeiros?

Diário de Bordo

O que eu penso sobre o bitcoin?

28 de fevereiro de 2024 - 10:29

Diário de Bordo de 28 de fevereiro de 2024

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Campos Neto e Powell navegam em águas incertas: o que esperar dos próximos passos dos banqueiros centrais para os juros

27 de fevereiro de 2024 - 6:29

A trajetória das taxas de juros no Brasil e nos EUA será decisiva para as expectativas dos investidores e a direção dos ativos de risco

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Qual o caminho mais rápido e efetivo para o sucesso no mercado?

26 de fevereiro de 2024 - 20:03

Seja lá qual for o caminho do sucesso, ele começa por uma boa educação. Nada é mais estruturante e transformacional.

LINHA D'ÁGUA

Por que FoFs de previdência privada serão os grandes vencedores das mudanças recentes na tributação

26 de fevereiro de 2024 - 18:46

Esse tipo de fundo mantem a mesma característica tributária de um exclusivo de previdência, mas, por ser um fundo coletivo, de varejo, não tem o limite de R$ 5 milhões de patrimônio

DE REPENTE NO MERCADO

Fênix à solta: Weg (WEGE3) ressurge como ‘fábrica de bilionários’; Oi (OIBR3) deixa de ser penny stock e Nvidia ‘fura’ a bolha da inteligência artificial

25 de fevereiro de 2024 - 12:00

E mais: estrategista-chefe recomenda 3 ações que estão em ‘raríssimo momento na bolsa’ e por que você deveria correr para comprar um imóvel logo

Mande sua pergunta!

Vi que posso perder minha casa para pagar dívidas de donos anteriores; e no caso de imóvel comprado em leilão, que já vem com dívidas?

24 de fevereiro de 2024 - 8:00

Quem compra imóvel em leilão também pode acabar tendo o bem penhorado para pagar dívidas não pagas atreladas a ele?

SEXTOU COM O RUY

Um Big Mac depois da academia: A ação da Petrobras (PETR4) continua subindo, mas é por causa do governo ou apesar dele?

23 de fevereiro de 2024 - 6:31

Petrobras estabeleceu recentemente um novo recorde de valor de mercado, mas a razão para isso é diferente daquela que a direção da empresa acredita ser

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Falácia da troca de narrativa

21 de fevereiro de 2024 - 20:01

Os movimentos de precificação de mercado estão cada vez mais sujeitos ao “arco narrativo”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies