🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Ação da Netflix disparou depois do balanço, mas há algo que justifique isso?

Receita da Netflix continua dependente das assinaturas do streaming e os gastos com novos conteúdos não dão sinais de diminuir

26 de janeiro de 2023
6:15 - atualizado às 11:59
Não Olhe para Cima, filme da Netflix
Não Olhe para Cima, filme da Netflix. - Imagem: Netflix

Olá, seja bem-vindo à Estrada do Futuro, onde conversamos semanalmente sobre a intersecção entre investimentos e tecnologia. No começo da semana, a Netflix divulgou seus resultados do 4T22, encerrando um ano literalmente marcado por altos e baixos.

Em reação aos resultados, a ação da Netflix subiu 8% no dia seguinte. Desde o mínimo alcançado em meados de julho de 2022, a alta é de mais de 100%. Mas há algo novo no front que possa interessar aos investidores?

O fim de uma era na Netflix

Se existe uma empresa que sabe o valor de encerrar uma história antes que ela se torne monótona e repetitiva, é a Netflix.

Nesta semana, em carta aos acionistas, a empresa comunicou que Reed Hastings — o fundador e figura-chave na transformação da Netflix de uma empresa de delivery de DVDs no maior serviço de streaming do mundo — deixará de ser seu co-CEO.

Ele será substituído por Greg Peters, atual COO da companhia, que passará a exercer junto com Ted Sarandos a função de co-CEO.

De agora em diante, Reed atuará apenas como chairman, ou seja, presidente do Conselho da Netflix.

Essa transição vinha sendo preparada desde o ano passado.

  • Em dúvida sobre como investir? Faça o download GRATUITO do e-book Onde investir em 2023 e confira a opinião dos maiores especialistas do mercado financeiro sobre os ativos mais promissores para este ano. BAIXE AQUI

O que o mercado enxergou

Reed é sem dúvida um dos nomes mais influentes do mundo do entretenimento, um empreendedor brilhante e grande responsável pelo sucesso da Netflix.

Diante de uma trajetória tão positiva, o que o mercado viu na transição para que as ações subissem com o anúncio do seu afastamento do dia a dia operacional da companhia?

Bom, como contexto, a transição vem na esteira da implementação do modelo de anúncios e a mudança no perfil estratégico da Netflix, que focará cada vez mais em rentabilidade e menos em crescimento.

Em 2022, a Netflix aceitou seu destino: com mais de 230 milhões de assinantes pelo mundo, essa não é mais uma empresa de crescimento exponencial, e sim uma empresa madura.

A transição simboliza exatamente isso. A saída do executivo que representa o crescimento, para dar espaço a um nome que representa a busca pela rentabilidade.

Madura sim, rentável não

Mais uma vez, os resultados operacionais da Netflix passaram longe do que se espera de uma empresa consolidada.

A receita foi de US$ 7,85 bilhões (+1,9% na comparação anual), e a quantidade de usuários ativos, que somou 231 milhões, representou um crescimento de 4% na comparação anual.

Em termos de rentabilidade, ela apresentou uma margem operacional de 7% e geração de caixa livre positiva, de US$ 322 milhões.

Para o próximo trimestre, a Netflix espera que sua receita seja de US$ 8,1 bilhões, o que representa um crescimento de apenas 3,9% na comparação anual.

Um dos grandes desafios da Netflix, historicamente, foi o de conseguir transformar seu resultado operacional em geração de caixa livre.

Em 2022, dos US$ 32 bilhões em receitas, apenas US$ 1,6 bilhão transformou-se em geração de caixa.

Para 2023, a companhia diz esperar uma geração de caixa livre de US$ 3 bilhões.

Neste momento, a Netflix vale aproximadamente US$ 150 bilhões. Mesmo sabendo que o mercado precifica a capacidade futura de resultados das companhias, um múltiplo de 50x o fluxo de caixa dos próximos 12 meses, com crescimento de receitas em um dígito baixo, não me parece nada atrativo.

O que ainda não funciona nos resultados da Netflix?

A hipótese do conteúdo

A Netflix sempre explicou para os investidores que sua queima de caixa era justificada, pois a empresa estava construindo uma biblioteca de conteúdos e propriedades intelectuais que a permitiriam uma enorme rentabilidade futura.

Nos últimos três anos a empresa investiu US$ 29,3 bilhões em conteúdo, mas apresentou um lucro cumulativo de apenas US$ 12,3 bilhões.

Na teoria, sucessos como Stranger Things, Wandinha, La Casa de Papel, Round 6 e tantas outras propriedades intelectuais permitiriam que, no futuro, a Netflix ganhasse muito dinheiro com produtos patrocinados, games, parques temáticos e tantas outras alternativas.

Essas alternativas teriam custo marginal baixo e rentabilidade elevada.

A Netflix prometia aos investidores tornar-se cada vez mais parecida com a Disney, porém sem os enormes problemas de sucessão e aquisições fracassadas da dona do Mickey.

Como o resumo dos números acima deixa claro, esse futuro nunca chegou.

Dez anos depois, toda a receita da empresa continua dependente das assinaturas do streaming, e os gastos com novos conteúdos não dão sinais de diminuir.

O que todos os investidores descobriram é que o estoque de propriedades intelectuais da Netflix tem um valor muito menor do que se imaginava.

Além de não ter construído fontes de receita importantes fora do streaming, a produção de conteúdo fez a Netflix acumular dívidas de US$ 16,8 bilhões.

Como essas dívidas foram contraídas nos últimos anos, a taxas de juros muito baixas, elas ainda não são um problema.

Na medida em que forem roladas, porém, imagino que possam se tornar um detrator importante da rentabilidade já baixa da companhia.

Depois do sonho, a Netflix precisa se adequar à realidade

Com Reed Hastings fora do dia a dia, a nova dupla de CEOs da Netflix tem a missão de escalar a rentabilidade da empresa.

Os planos passam pela oferta de anúncios, a redução dos investimentos em conteúdo e o banimento de contas com senhas compartilhadas.

Particularmente, como eu disse acima, acredito que o valuation atual não tenha margem de segurança o suficiente para acomodar o risco de execução deste plano.

Netflix (NFLX34) não está em NENHUMA das carteiras recomendadas da Empiricus Research, mas estas 5 outras ações internacionais estão…

Em relatório gratuito, o estrategista-chefe da casa de análise revela quais BDRs são as principais apostas para 2023. A Empiricus Investimentos liberou o relatório para todos os leitores da coluna “Estrada do Futuro” como uma CORTESIA. Libere seu acesso clicando AQUI.

Powered by Empiricus Investimentos.

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Dez anos de “O Fim do Brasil”

20 de maio de 2024 - 20:01

Dez anos de lançamento de “O Fim do Brasil” e, afinal, a que fim chegou a economia do Brasil? Estamos em queda livre em direção ao pior?

Especial IR

Me mudei para Portugal, mas não entreguei a Declaração de Saída Definitiva do País; como regularizar a situação?

18 de maio de 2024 - 8:00

Documento serve para encerrar as obrigações fiscais do contribuinte no Brasil, mas este leitor não a entregou e agora recebeu uma herança

SEXTOU COM O RUY

A Petrobras (PETR4) desabou mais uma vez: surge uma barganha na bolsa com dividendos bilionários?

17 de maio de 2024 - 6:04

Nas últimas várias trocas no comando da Petrobras, não tivemos grandes mudanças no dia a dia da companhia, o que inclusive permitiu ótimos pagamentos de dividendos nos últimos anos, mesmo com CEOs distintos — será que agora também vai ser assim?

CRYPTO INSIGHTS

Os sinais favoritos para entender o curto prazo do bitcoin (BTC)

14 de maio de 2024 - 19:17

A tendência macroeconômica é de expansão de liquidez, e os indicadores de curto prazo que mais gosto estão favorecendo a tese de que estamos próximos do fundo local para a mais recente correção do mercado

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Vai piorar antes de melhorar? Milei começa a arrumar uma Argentina economicamente destruída

14 de maio de 2024 - 6:01

Em poucos meses, Milei conseguiu diminuir inflação, cortar os juros e aumentar reservas do Banco Central da Argentina, mas custo social é alto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: O real vai morrer aos 30?

13 de maio de 2024 - 20:01

A decisão do Copom na semana passada foi inequivocamente ruim. Quando você tem um colegiado dividido entre os “novos” e os “velhos”, alimentam-se os piores medos. O Copom deveria saber disso.

Especial IR

Dúvidas cruéis sobre declaração de ações no IR: isenção, retificação, mudança de ticker, prejuízos e investimento no exterior

11 de maio de 2024 - 8:00

A Dinheirista responde algumas das suas dúvidas mais cabeludas sobre como declarar ações no imposto de renda

SEXTOU COM O RUY

Bolsa barata não basta: enquanto os astros locais não se alinham, esses ativos são indispensáveis para a sua carteira

10 de maio de 2024 - 6:07

Eu sei que você não tem sangue de barata para deixar todo o patrimônio em ações brasileiras – eu também não me sinto confortável em ver os meus ativos caindo. Mas há opções para amenizar as turbulências internas.

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Selic — uma decisão com base em dados, não em datas

8 de maio de 2024 - 16:42

Hoje em dia, ao que parece, tudo tem que terminar cedo, e bebidas alcoólicas são proibidas. Por conseguinte, os debates deram lugar a decisões secas e comunicados pragmáticos

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Divididos entre o conservadorismo salutar e a cautela exagerada, Copom e Campos Neto enfrentam um dilema

7 de maio de 2024 - 6:18

Os próximos passos do Copom dependem, em grande medida, da reação da economia norte-americana à política monetária do Fed

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar