🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2.000,00 POR DIA – VEJA COMO

Governo Lula quer a retomada da indústria naval — e você também pagará a conta

Hoje, os estaleiros que eram símbolo da retomada da indústria naval nos governos do PT de Lula e Dilma estão em recuperação judicial

9 de maio de 2023
10:50 - atualizado às 11:04
Navio cargueiro carregado de contêineres; imagem faz ilusão à exportação e às empresas exportadoras
Imagem: Cameron Venti/Unsplash

“Cada geração de empresários paga a sua conta da indústria naval brasileira.”

— André Esteves

O Museu de Grandes Novidades do Brasil acaba de ganhar mais uma obra: A Retomada da Indústria Naval.

Seu retorno já era dado como certo tendo em vista o que diz o PT sobre ela e as declarações que o presidente Luiz Inacio Lula da Silva já havia dado anteriormente.

Quem cortou a fita na inauguração da obra foi o novo presidente da Transpetro, Sérgio Bacci.

“Chego à Transpetro com essa missão de retomar a construção de navios em estaleiros brasileiros”, disse no último dia 4. Se a declaração de Bacci não diz tudo sobre as intenções do governo para a subsidiária da Petrobras, seu currículo o faz. Ele é ex-vice-presidente do Sinaval, o sindicato da indústria naval.

Apreciar esse tipo de obra é difícil para mim pois eu estava na mesa quando o Market Makers recebeu o Marcos Mendes, doutor em economia e pesquisador do Insper.

Ele nos demonstrou que projetos desse tipo já nascem de premissas erradas e velhas.

“Existe um pensamento, que vem da Cepal, lá dos anos 1940, de que crescimento econômico e prosperidade quem faz é o governo. O governo é que tem que puxar o crescimento, estimular a demanda. Uma ideia de que o governo é que tem capacidade de saber quais setores puxarão a economia e portanto receber financiamento subsidiado”, resume Mendes.

Governos infelizmente não conseguem fazer isso, e, ironicamente, a provar é o próprio setor naval. No episódio 24 do Market Makers, Marcos Lisboa, então presidente do Insper, usou as tentativas do governo PT de transformar o Brasil numa potência de estaleiros como exemplo de como iniciativas assim acabam por se tornar uma coleção de favores a empresários que só criam indústrias pouco competitivas e produtos ruins.

“Se você é o governo que cuida da indústria naval, você está distribuindo os benefícios e você não faz a conta do efeito delegado. Na hora que você subsidia, quem compra navio vai pagar mais caro e o navio vai ser de pior qualidade. E você vai deixar de fazer outra coisa, vai largar estrada, portos… Será que o saldo líquido é positivo ou negativo? Nos casos que conheço a contas é bem negativa para o país”, explica Lisboa.

Entendo que as opiniões dos nossos dois convidados podem não ser suficientes para você, portanto vamos aos fatos.

Hoje, os estaleiros que eram símbolo da retomada da indústria naval nos governos do PT de Lula e Dilma, como Atlântico Sul, Ecovix e Enseada, estão em recuperação judicial, conforme esta reportagem do Valor. Isso mesmo tendo recebido R$ 18,7 bilhões do BNDES.

Não se trata aqui de uma perseguição aos estaleiros ou navios. Não temos nada contra eles.

Mas se trata de querer que o governo aprenda e dessa vez conduza uma boa e justa alocação do dinheiro público, pois, se o governo fizer de novo o que já fez — subsídios que resultam em empresas incompetentes — o resultado será o mesmo: falência, recuperação judicial e navios que não flutuam direito.

Abraços,
Renato Santiago

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Dez anos de “O Fim do Brasil”

20 de maio de 2024 - 20:01

Dez anos de lançamento de “O Fim do Brasil” e, afinal, a que fim chegou a economia do Brasil? Estamos em queda livre em direção ao pior?

Especial IR

Me mudei para Portugal, mas não entreguei a Declaração de Saída Definitiva do País; como regularizar a situação?

18 de maio de 2024 - 8:00

Documento serve para encerrar as obrigações fiscais do contribuinte no Brasil, mas este leitor não a entregou e agora recebeu uma herança

SEXTOU COM O RUY

A Petrobras (PETR4) desabou mais uma vez: surge uma barganha na bolsa com dividendos bilionários?

17 de maio de 2024 - 6:04

Nas últimas várias trocas no comando da Petrobras, não tivemos grandes mudanças no dia a dia da companhia, o que inclusive permitiu ótimos pagamentos de dividendos nos últimos anos, mesmo com CEOs distintos — será que agora também vai ser assim?

CRYPTO INSIGHTS

Os sinais favoritos para entender o curto prazo do bitcoin (BTC)

14 de maio de 2024 - 19:17

A tendência macroeconômica é de expansão de liquidez, e os indicadores de curto prazo que mais gosto estão favorecendo a tese de que estamos próximos do fundo local para a mais recente correção do mercado

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Vai piorar antes de melhorar? Milei começa a arrumar uma Argentina economicamente destruída

14 de maio de 2024 - 6:01

Em poucos meses, Milei conseguiu diminuir inflação, cortar os juros e aumentar reservas do Banco Central da Argentina, mas custo social é alto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: O real vai morrer aos 30?

13 de maio de 2024 - 20:01

A decisão do Copom na semana passada foi inequivocamente ruim. Quando você tem um colegiado dividido entre os “novos” e os “velhos”, alimentam-se os piores medos. O Copom deveria saber disso.

Especial IR

Dúvidas cruéis sobre declaração de ações no IR: isenção, retificação, mudança de ticker, prejuízos e investimento no exterior

11 de maio de 2024 - 8:00

A Dinheirista responde algumas das suas dúvidas mais cabeludas sobre como declarar ações no imposto de renda

SEXTOU COM O RUY

Bolsa barata não basta: enquanto os astros locais não se alinham, esses ativos são indispensáveis para a sua carteira

10 de maio de 2024 - 6:07

Eu sei que você não tem sangue de barata para deixar todo o patrimônio em ações brasileiras – eu também não me sinto confortável em ver os meus ativos caindo. Mas há opções para amenizar as turbulências internas.

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Selic — uma decisão com base em dados, não em datas

8 de maio de 2024 - 16:42

Hoje em dia, ao que parece, tudo tem que terminar cedo, e bebidas alcoólicas são proibidas. Por conseguinte, os debates deram lugar a decisões secas e comunicados pragmáticos

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Divididos entre o conservadorismo salutar e a cautela exagerada, Copom e Campos Neto enfrentam um dilema

7 de maio de 2024 - 6:18

Os próximos passos do Copom dependem, em grande medida, da reação da economia norte-americana à política monetária do Fed

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar