🔴 AÇÃO QUE JÁ DISPAROU 1.200% E AINDA ESTÁ BARATA – VEJA QUAL

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
A EXCEÇÃO DO VAREJO

Por que o rombo bilionário da Americanas (AMER3) derruba Via (VIIA3) e Magalu (MGLU3), mas não afeta o Mercado Livre? BDRs MELI34 sobem mais de 3% hoje

Um dos motivos pelos quais a companhia passa ilesa pelo tsunami é por ser estrangeira e adotar costumes contábeis um pouco diferentes das varejistas nacionais

Larissa Vitória
Larissa Vitória
12 de janeiro de 2023
12:10 - atualizado às 12:58
Mercado Livre (Nasdaq: MELI/B3: MELI34) | Americanas
Mercado Livre (Nasdaq: MELI/B3: MELI34) - Imagem: Shutterstock/Helena Aymee

A descoberta das inconsistências contábeis da ordem de R$ 20 bilhões nos balanços da Americanas (AMER3) e a renúncia do CEO Sergio Rial prometem provocar uma queda brusca nos papéis da empresa — que estão em leilão desde a abertura da bolsa — e contaminam também as perspectivas para outros nomes do setor na B3 nesta quinta-feira (12).

As ações de Via (VIIA3) e Magazine Luiza (MGLU3) dominam a ponta negativa do Ibovespa e até mesmo as varejistas de moda sentem o impacto da notícia — acompanhe a nossa cobertura completa de mercados.

Mas o possível rombo bilionário nas Americanas não tem o mesmo efeito sobre os papéis de uma varejista gringa com operações brasileiras. Por volta das 12h10, os BDRs do Mercado Livre subiam 3,15%, cotados em R$ 41,27.

  • ‘R$ 20 bilhões é só a ponta do iceberg’: veja por que as inconsistências contábeis descobertas na Americanas (AMER3) podem ser só o começo de uma derrocada ainda muito maior, segundo estrategista-chefe da Empiricus Research. LEIA A OPINIÃO DO ANALISTA AQUI

Um dos motivos pelos quais a companhia passa ilesa pelo tsunami provocado pela Americanas é justamente por ser estrangeira e adotar costumes contábeis um pouco diferentes das brasileiras.

O problema na Americanas está nas linhas de exposição à dívida para compra de estoque e dívidas com fornecedores.

A área contábil identificou a existência de financiamentos de compras em cifras bilionárias que tornaram a companhia devedora de instituições financeiras. Essas dívidas "não se encontram adequadamente refletidas na conta de fornecedores" nas demonstrações financeiras até o terceiro trimestre do ano passado.

“Contabilidade criativa” da Americanas não existe na gringa?

E esse imbróglio contábil — que, no caso da Americanas, é estimado em R$ 20 bilhões — pode ser encontrado em outras varejistas do país, de acordo com o ex-CEO da companhia.

Sergio Rial declarou, em conferência organizada pelo BTG Pactual hoje, que as diferentes formas de registrar as contas com fornecedores gerou a inconsistência e não são um problema apenas na empresa, mas uma questão do setor desde os anos 90.

A afirmação gera dúvidas sobre a contabilidade das concorrentes nacionais e, segundo um analista ouvido pelo Seu Dinheiro, abre caminho para que as companhias gringas ganhem a preferência de quem busca uma exposição mais segura ao varejo brasileiro.

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Esquenta dos mercados: Ibovespa busca impulso em tentativa de recuperação em Wall Street

24 de maio de 2024 - 7:16

Os investidores em Wall Street tentam virar o mau humor e recuperar o apetite por riscos. As bolsas de NY amanhecem em leve alta, com os investidores à espera de indicadores e eventuais sinalizações quanto aos juros nos Estados Unidos. Por aqui, os investidores acompanham uma palestra do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto […]

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) e mau humor de Nova York pesam e Ibovespa cai pela quinta vez consecutiva; dólar tem leve queda 

23 de maio de 2024 - 17:33

RESUMO DO DIA: O Ibovespa até tentou romper o ciclo de quedas, mas a aversão ao risco dominou os investidores após dados econômicos mais fortes que o esperado nos Estados Unidos. Pela quinta vez consecutiva, o principal índice da bolsa brasileira fechou em queda de 0,74%, aos 124.729 pontos. O dólar fechou próximo da estabilidade […]

GRUPO DOS EXCLUÍDOS

B3 enquadra Infracommerce (IFCM3) para abandonar a condição de ‘penny stock’, mas solução ainda não foi encontrada  

23 de maio de 2024 - 10:35

Entre o período de 22 de março e 7 de maio deste ano, a dona da bolsa de valores acompanhou as cotações da companhia

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa cai 1% e volta aos 125 mil pontos com NY após ata do Fed; dólar sobe a R$ 5,15

22 de maio de 2024 - 17:10

RESUMO DO DIA: Os olhos dos investidores ficaram concentrados no exterior com a ata da última reunião do Federal Reserve (Fed). Por aqui, o Ibovespa acompanhou a deterioração das bolsas de Nova York, além da repercussão do noticiário corporativo local — que segue agitado com o fim da temporada de balanços. O índice terminou o […]

DESTAQUES DA BOLSA

Por que as ações da XP despencam 15% após o balanço do primeiro trimestre?

22 de maio de 2024 - 12:17

A corretora reportou lucro líquido de R$ 1 bilhão no período, alta de 29% ante os R$ 796 milhões registrados no início do ano passado

AÇÃO ESTÁ CARA?

XP tem apenas um motivo para rebaixar a recomendação das ações da Embraer (EMBR3) — e é por causa de uma assimetria

22 de maio de 2024 - 11:54

Para os analistas, a companhia deixou de atravessar os céus abertos e atingiu a ‘altitude de cruzeiro’ neste momento

EM BUSCA DE SALVAÇÃO

Unidas por Lemann? Americanas (AMER3) propõe grupamento de ações para deixar de ser ‘penny stock’ e abre espaço para aumento bilionário de capital

22 de maio de 2024 - 10:35

Na última terça-feira (21), as ações fecharam a R$ 0,53 na B3; veja o que muda para o acionista

DANÇA DAS CADEIRAS

Mudanças no radar: Magda Chambriard se prepara para mexer em diretorias da Petrobras (PETR4) — mas não em todas

22 de maio de 2024 - 10:07

Embora algumas mudanças sejam esperadas, acredita-se que Magda Chambriard preservará parte dos atuais diretores da Petrobras

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Yduqs (YDUQ3) dispara e Ibovespa sustenta os 127 mil pontos na véspera da ata do Fed; dólar sobe a R$ 5,11

21 de maio de 2024 - 17:23

RESUMO DO DIA: Em um dia marcado pela volatilidade na bolsa local e o avanço mais contido em Nova York, faltou combustível para a tentativa do Ibovespa de recuperar as perdas da sessão anterior. O principal índice da bolsa brasileira fechou em baixa de 0,27%, aos 127.411 pontos. Já o dólar à vista ficou a […]

PINGANDO NA CONTA

Dona da bolsa, B3 (B3SA3) mira ETFs pagadores de dividendos em nova versão do índice IDIV

21 de maio de 2024 - 15:36

Nova forma de cálculo do IDIV B3 permite que índice esteja atrelado a ETFs que repassam pagamentos de proventos aos cotistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar