🔴 RECEBA TODA SEMANA RECOMENDAÇÕES PARA PODER DOBRAR O SEU DINHEIRO – CONHEÇA O MÉTODO

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
RECUPERANDO OS PROVENTOS

Fundo imobiliário alvo de calote dispara 9% na B3 após anunciar alta nos dividendos

A gestora do FII divulgou um informe sobre proventos que mostra que o fundo distribuirá R$ 0,85 por cota na próxima semana

Larissa Vitória
Larissa Vitória
9 de maio de 2023
13:18 - atualizado às 17:13
Miniaturas de casas sobre moedas representando os fundos imobiliários | fundo imobiliário DEVA11 dividendos
Fundos imobiliários - Imagem: Canva

Nos últimos meses, o fundo imobilário Devant Recebíveis Imobiliários (DEVA11) tem sido alvo da desconfiança do mercado e de quedas bruscas na bolsa após tornar-se vítima de calotes de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) presentes em seu portfólio.

Mas, nesta terça-feira (9), o FII chama a atenção por um motivo diferente: por volta das 13h10, suas cotas saltavam 10,28% na B3, a R$ 53,31, mas encerraram a sessão com ganho um pouco menor, de 8,90%. Por trás da disparada está a notícia de que os dividendos pagos pelo fundo serão maiores neste mês.

  • OS 3 FUNDOS IMOBILIARIOS MAIS RECOMENDADOS DO MÊS DA DOIS CLIQUES DE VOCÊ: acesse o material gratuito se quiser ter a chance de lucrar até o fim de maio. Basta clicar aqui.

A gestora do DEVA11 divulgou um informe sobre proventos que mostra que o fundo distribuirá R$ 0,85 por cota na próxima semana.

A cifra é cerca de 21,4% superior aos R$ 0,70 pagos em abril, quando o rendimento do fundo foi duramente afetado pelas inadimplências do período. Porém, o valor ainda é inferior aos R$ 0,90 por cota distribuídos em fevereiro, antes da onda de calotes.

O que afeta os dividendos do DEVA11 e outros fundos?

Por falar em inadimplência, uma das maiores responsáveis pela queda no resultado (e nos dividendos) do Devant Recebíveis Imobiliários e de outros FIIs é a Gramado Parks. Três das holdings do grupo imobiliário e de turismo estão em recuperação judicial e blindadas contra a execução de dívidas por enquanto.

Mas parte dos detentores de CRIs da companhia não está disposta a deixar que todas as empresas do grupo contem com essa proteção. Segundo um comunicado divulgado na semana passada pelo DEVA11, Hectare CE (HCTR11) e Versalhes RI (VSLH11), uma assembleia foi convocada para discutir a inadimplência de títulos ligados às empresas que ainda não recorreram ao socorro judicial.

Vale relembrar que CRIs possuem garantias, como quotas de empresas e imóveis, que podem ser acionadas em momentos como este. E os detentores dos ativos aprovaram a excussão dessas garantias — termo técnico para a execução judicial.

A assembleia de titulares também deu sinal verde para a exigência da recompra total dos créditos imobiliários e declaração de vencimento antecipado de debêntures, entre outras deliberações.

VEJA TAMBÉM - Enquanto bancos agonizam, o Bitcoin sobe: o ouro digital voltou a brilhar?

Gramado Parks corta ligação com credores

As medidas aprovadas pelos investidores devem ser efetivadas em breve pela Forte Securitizadora (Fortesec), a emissora dos CRIs. Por enquanto, porém, a inadimplência segue afetando o portfólio de DEVA11, HCTR11 e VSLH11 e impedindo que os dividendos voltem ao patamar do início do ano.

Outros fundos imobiliários possuem CRIs da Gramado Parks no portfólio, mas o caso dos três FIIs chama a atenção do mercado pois eles estavam interligados ao grupo por meio da holding RTSC.

O portfólio da RTSC é formado por diversas empresas do mercado financeiro, incluindo três gestoras — Devant Asset, Hectare e RCAP Asset — responsáveis pelos fundos em questão e a Forte Securitizadora.

A RCAP Asset também fazia a gestão do FII Serra Verde (SRVD11), acionista da Gramado Parks. Essa ligação entre o fundo e a holding RTSC foi cortada na última quarta-feira (3), com a substituição da RCAP Asset pela Catalunya Gestão de Recursos na função.

A troca foi aprovada em assembleia geral extraordinária e a identidade dos investidores que propuseram a mudança não foi divulgada. Mas vale destacar que a família Caliari, fundadora da Gramado Parks, é uma das acionistas do FII e travou uma batalha com a Fortesec nos tribunais pelo controle da companhia antes da oficialização da recuperação judicial.

Compartilhe

VISÃO DO GESTOR

Vem IPO pela frente? Nova janela de ofertas de ações deve abrir na B3 até o 2T25, mas Brasil ainda depende de 3 fatores

25 de junho de 2024 - 10:21

Para Fabio Nazari, do BTG Pactual, a bolsa brasileira poderá registrar grandes aberturas de capital em até 9 meses. Mas o que ainda está segurando o apetite por novos IPOs? Confira

O BRILHO DA DÍVIDA

A bolsa não tem um IPO desde 2021 — mas o mercado deu um jeito de continuar em movimento, afirma o CEO da B3

24 de junho de 2024 - 14:23

Para Gilson Finkelsztain, os ativos de crédito corporativo se tornaram o “destaque definitivo” de 2024 em meio à escassez de aberturas de capital na bolsa

MERCADOS HOJE

Ibovespa sobe com força e zera queda mensal na reta final de junho — mas ainda está longe de reverter perdas do ano

24 de junho de 2024 - 12:55

O destaque da manhã foi para o acordo firmado entre AliExpress e Magazine Luiza (MGLU3), que fez as ações da brasileira saltarem mais de 10%

FECHAMENTO DO MERCADO

Dólar supera os R$ 5,46: por que a moeda norte-americana voltou a subir e fechou no maior nível em quase dois anos

20 de junho de 2024 - 17:34

O dólar abriu o dia em queda, mas o alívio pós-decisão do Copom durou pouco e a moeda emendou o quinta pregão consecutivo de ganhos

GESTORAS

Studio Investimentos muda gestão de fundo após queda acumulada de mais de 30% no ano

20 de junho de 2024 - 16:57

A saída aconteceu pela necessidade de “alterar e reforçar a gestão” da família de fundos da casa, de acordo com a Studio, que tem R$1 bilhão sob gestão

(MAIS) DINHEIRO NO BOLSO

Os dividendos deste fundo imobiliário com mais de 40 mil cotistas devem subir nos próximos meses, segundo os cálculos da gestão

20 de junho de 2024 - 15:07

O SNCI11 já pagará proventos cerca de 5% maiores neste mês e, com um novo cenário macroeconômico traçado pelo mercado, a gestão espera dividendos ainda maiores

LADEIRA ABAIXO

Ações da rede social de Trump chegam a cair 15% hoje — o que explica a queda livre dos papéis?

20 de junho de 2024 - 14:11

A empresa que controla Truth Social perdeu US$ 2 bilhões em valor desde o início do mês; entenda o que está acontecendo com os papéis

AS QUERIDINHAS DA BAIXA RENDA

Cinco fatores por trás do otimismo com as ações de Direcional (DIRR3) e Cury (CURY3) — e qual delas é a favorita do Itaú BBA

20 de junho de 2024 - 13:21

O banco de investimentos revisou as suas estimativas para ambas as companhias e reforçou a visão positiva para o setor

MERCADOS HOJE

Lula não gostou, mas o mercado sim: após decisão de manter Selic em 10,5% e comunicado duro, Ibovespa salta 1% hoje

20 de junho de 2024 - 12:15

No mesmo horário, o dólar à vista era negociado próximo da estabilidade, ainda na faixa de R$ 5,40, reagindo ao cenário internacional

REPORTAGEM ESPECIAL

Taesa (TAEE11) e ISA Cteep (TRPL4): por que parte do mercado aposta na queda das ações preferidas dos “caçadores de dividendos”

20 de junho de 2024 - 6:18

Duas das principais transmissoras de energia do País, Taesa e ISA Cteep vêm recebendo desde o ano passado recomendações de “venda” de analistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar