🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2022-09-16T17:19:36-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
ELEIÇÕES 2022

De olho em reeleição, Bolsonaro vai à ONU com discurso revisado por marqueteiro — saiba o que ele vai falar

Apesar da interferência do marqueteiro Duda Lima e de Valdemar Costa Neto, presidente do PL, a versão final do pronunciamento permanece em aberto. Assessores esperam que o presidente exalte suas políticas de governo, em viés mais eleitoral do que de Estado.

16 de setembro de 2022
17:19
bolsonaro onu
Bolsonaro discursa na Assembleia Geral da ONU, em setembro de 2019. - Imagem: TV Brasil / ONU / Reprodução

Dizem que quando uma oportunidade surge, não podemos desperdiçá-la. E é isso que o presidente Jair Bolsonaro (PL) vai fazer na Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU): usar o discurso no evento para impulsionar sua campanha à reeleição. 

Tradicionalmente, o Brasil abre a Assembleia-Geral da ONU e, dessa vez, a ideia é que Bolsonaro explore a economia e passe uma mensagem de chefe de Estado na principal arena da diplomacia internacional, sem deixar de acenar ao público interno do País.

O pronunciamento do presidente será revisado pelo marqueteiro Duda Lima e por Valdemar Costa Neto, presidente do PL. Prepararam contribuições ao texto os ministros Paulo Guedes (Economia), Fábio Faria (Comunicações), Ciro Nogueira (Casa Civil) e Carlos França (Relações Exteriores).

A versão final do discurso permanece em aberto. Assessores governamentais envolvidos na elaboração do texto dizem que a linha será decidida por Bolsonaro. Mas já esperam que o presidente exalte suas políticas de governo, em viés mais eleitoral do que de Estado.

Economia, o carro-chefe do discurso de Bolsonaro

O foco do pronunciamento será a economia. Para se contrapor à inflação e aos estudos que mostram o avanço da fome no Brasil, Bolsonaro deve repetir números positivos mais recentes, como o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), a criação de vagas de emprego, a deflação nos últimos dois meses, com medidas para redução do custo de energia e combustíveis, e o pagamento do Auxílio Brasil de R$ 600, que ele promete manter em 2023, se for reeleito.

Embora a Assembleia-Geral da ONU seja uma agenda de Estado, a coordenação da campanha de Bolsonaro quer que ele faça um aceno ao público interno. O presidente foi aconselhado a não fazer ataques diretos a potências como a China, mas deve se opor a regimes autoritários de esquerda.

"A separação é necessária, mas nem sempre é perfeita", ponderou o embaixador Paulino Franco, secretário de Assuntos Multilaterais Políticos do Itamaraty. "Ele é chefe de Estado e de governo e candidato à reeleição. Ele separará as duas coisas, mas ao mesmo tempo não pode deixar de ser candidato."

Como um dos motes é a campanha é a "liberdade", a tendência é que o presidente se posicione em favor das liberdades individuais, de opinião e de imprensa, em que pesem os retrocessos no País, com o assassinato de jornalistas e perseguição e tentativa de intimidação por parte de seus apoiadores.

Bolsonaro é aconselhado a evitar exageros

No Itamaraty, diplomatas tentam convencer Bolsonaro a seguir uma linha mais centrada do que nas passagens anteriores pela tribuna da ONU e a evitar exageros retóricos e questões ideológicas, algo que fracassou em suas últimas participações. 

No ano passado, o presidente apresentou dados distorcidos em seu discurso na ONU, sobre a dimensão dos atos governistas de 7 de setembro daquele ano e sobre atividades do BNDES no exterior. 

Bolsonaro ainda defendeu o chamado "tratamento precoce", um kit de medicamentos considerados inócuos contra a covid-19 por cientistas e autoridades médicas de diversos países.

Vai falar da eleição? 

Não está decidido se o presidente fará alguma menção ao processo eleitoral interno — depois fracassar na tentativa de aprovar o voto impresso, Bolsonaro envolveu instituições de Estado em campanha para desacreditar as urnas eletrônicas. 

Ele deixou o assunto de lado após propostas das Forças Armadas serem aceitas pela Justiça Eleitoral. E o tema não entrou no rascunho diplomático de sugestões ao presidente.

Os rascunhos do discurso reeditam o tom já empregado na propaganda eleitoral, que associa os percalços nos primeiros anos de governo à pandemia da covid-19 e à Guerra na Ucrânia.

Sem criticar diretamente a invasão russa, Bolsonaro vai dizer que o Brasil defende sempre a integridade territorial das nações e a busca de uma solução duradoura do conflito por meios diplomáticos. 

A arena adequada, do ponto de vista do governo brasileiro, seria o Conselho de Segurança da ONU — o País reivindica a reforma do órgão e um assento fixo no colegiado.

Ao citar a guerra, o presidente deve lembrar o acolhimento aos ucranianos refugiados no Brasil. 

O que Bolsonaro vai falar sobre o clima?

Para responder às cobranças sobre a destruição de biomas como Amazônia e Pantanal, o presidente foi orientado a reforçar os compromissos assumidos na Cúpula do Clima (COP-26): o acordo para cortar as emissões globais de metano em 30% e a meta de zerar o desmatamento ilegal até 2030. 

Uma das linhas de argumentação será afirmar que o combate à mudança do clima é um dever coletivo e que há países com responsabilidade bem maior que o Brasil.

Bolsonaro deve reforçar a posição do País como celeiro do mundo, garantindo a segurança alimentar de bilhões de pessoas por meio das exportações do agronegócio e como gerador e fornecedor de energias renováveis. 

O presidente vai mencionar que os subsídios agrícolas distorcem a produção sustentável e que o País tem uma matriz energética limpa e está disposto a aumentar a oferta de energia ao mundo, no momento em que há aumento do uso de fontes mais poluentes, em decorrência da guerra.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

CAÇADOR DE TEDÊNCIAS

Day trade na B3: Oportunidade de lucro de mais de 7% com ações da Yduqs (YDUQ3); confira a recomendação

27 de setembro de 2022 - 8:16

Identifiquei uma oportunidade de swing trade baseada na análise quant – compra dos papéis da Yduqs (YDUQ3). Saiba os detalhes

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O saldão da B3: Os planos da Dimensa, pechinchas na bolsa, mercado de lítio e outras notícias que mexem com os seus investimentos hoje

27 de setembro de 2022 - 8:14

Ainda nas comemorações pelos 4 anos do Seu Dinheiro, a Ana Carolina Neira entrevistou o CEO da Dimensa, enquanto o colunista Matheus Spiess trouxe uma de suas principais teses de investimento para os próximos quatro anos.

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Joaquim Barbosa, relator do mensalão, grava vídeo em apoio a Lula

27 de setembro de 2022 - 7:35

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

DE OLHO NA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais tentam emplacar alta com busca por pechinchas; Ibovespa acompanha ata do Copom hoje

27 de setembro de 2022 - 7:34

A prévia da inflação brasileira será divulgada na terça-feira e o IPCA-15 deve registrar deflação mais uma vez

União que deu resultados

Com fome de aquisições e dois sócios grandes por trás, Dimensa acirra a disputa pelo mercado de software financeiro e mira IPO

27 de setembro de 2022 - 7:00

A Dimensa é fruto de uma joint venture entre a Totvs (TOTS3), maior companhia de sistemas de gestão do país, com a B3 (B3SA3), a dona da bolsa de valores brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies