O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-03-28T16:21:00-03:00
Carolina Gama
A FONTE SECOU

Putin ordenou: Rússia vai fechar a torneira do gás para quem não pagar em rublos; veja o que acontece agora

O banco central, o governo e a Gazprom devem apresentar propostas até 31 de março para que países considerados hostis — incluindo membros da União Europeia — façam pagamentos na moeda russa

28 de março de 2022
16:20 - atualizado às 16:21
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, sorrindo
O presidente da Rússia, Vladimir Putin - Imagem: Shutterstock

O presidente russo, Vladimir Putin, está realmente disposto a fechar as torneiras do gás enviado para a Europa. Nesta segunda-feira (28), o Kremlin informou que está elaborando maneiras de aceitar pagamentos pelas exportações de gás natural em rublos, e que tomará decisões sobre os países que se recusarem a fazê-lo. 

Esse é um capítulo da guerra da Ucrânia ainda deve render: de um lado, a Rússia diz que não fará caridade e nem fornecerá gás de graça aos europeus, enquanto, de outro, os países do G-7 (grupo formado por França, Alemanha, Itália, Japão, Estados Unidos, Reino Unido e Canadá) estão alinhados para rejeitar a demanda de Putin. 

A primeira vez que o presidente russo falou oficialmente sobre o assunto foi na quarta-feira (23). Na ocasião, ele afirmou que a medida seria adotada dentro de uma semana.  

Agora, ele deu um prazo até 31 de março para que o banco central, o governo e a Gazprom — a gigante do gás russo — apresentem propostas para que os países considerados hostis por Moscou paguem em rublos pelo gás. 

O que Putin realmente quer com isso?

Desde que invadiu a Ucrânia, em 24 de fevereiro, Putin provocou uma reação em cadeia dos Estados Unidos e aliados em uma tentativa de frear o avanço das tropas russas sobre Kiev.

Embora rejeitem a ideia de pegar em armas e enfrentar Putin no campo de batalha, os países do Ocidente vêm anunciando sanções econômicas e financeiras para tentar estrangular a economia russa e acabar com os recursos que mantêm a invasão. 

Para isso, já foram anunciadas sanções ao setor de óleo e gás — as joias da coroa russa —, ao setor industrial e de defesa, aos oligargas e até ao próprio Putin e ao chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov. 

  • IMPORTANTE: liberamos um guia gratuito com tudo que você precisa para declarar o Imposto de Renda 2022; acesse pelo link da bio do nosso Instagram e aproveite para nos seguir. Basta clicar aqui

Alguns efeitos das sanções foram imediatos: empresas internacionais deixaram o país, a bolsa de valores teve que ser fechada por semanas e o rublo se desvalorizou.

E é aí que o plano de cobrar na moeda russa pelo gás exportado se encaixa. Esse anúncio significa que os membros da União Europeia que impuseram sanções à Rússia terão que comprar rublos a taxas fixadas pelo banco central russo para pagar pelo gás. A medida reforçaria o rublo, aumentando a demanda por ele.

Abre-se uma porta, mas fecha-se outra

Diante da elevada dependência da Europa do gás russo, o plano de Putin parece um xeque-mate para os rivais do Ocidente. Mas nem tudo que parece, é. 

Especialistas apontam que, para ser pago em rublos, a Rússia teria que renegociar seus contratos, abrindo a porta para os países europeus reduzirem a quantidade de gás que compram da Gazprom controlada a cada ano, bem como a duração do contrato.

Além disso, se a Rússia tentar forçar a situação, os países europeus podem levar o país a um tribunal de arbitragem, um processo que pode durar meses ou anos. 

"Há muitos aspectos legais que precisam ser resolvidos antes que você possa realmente mudar uma cláusula do contrato. [A exigência de Putin é] praticamente impossível", disse Carlos Diaz, analista de gás e energia da Rystad Energy, com sede em Oslo, disse à RFE/RL. 

Os países resistem a Putin

Em entrevista à emissora Welt na sexta-feira (25), o ministro das Finanças alemão, Christian Lindner, contou que  aconselhou os fornecedores de energia alemães a não pagarem pelo gás russo em rublos.

Também na semana passada, um importante assessor econômico do governo da Itália disse que seu país continuará pagando à Rússia por energia em euros.

A PGNiG, da Polônia, que tem contrato com a Gazprom até o final do ano, também informou que não pode simplesmente passar a pagar em rublos.

A UE, por sua vez, já indicou que pretende reduzir sua dependência do gás russo em dois terços este ano e acabar com as importações russas de combustíveis fósseis até 2027.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies