2022-06-24T17:45:06-03:00
Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
FIM DO ABORTO LEGAL

Como a suspensão do direito ao aborto pela Suprema Corte dos EUA impacta as grandes empresas do país?

As big techs e os bancos americanos garantem o custeio ou reembolso de viagens para outros estados que permitem o aborto; Disney também se pronunciou

24 de junho de 2022
17:45
mulheres protestam contra o fim do aborto legal nos eua, em frente a Suprema Corte
Mulheres protestam contra a decisão da Suprema Corte que revoga o direito ao aborto legal - Imagem: Reprodução/Reuters

O tema do aborto é visto de forma dual em todo o mundo. Uma discussão que atravessa gerações, sem soluções e acordos. Mesmo em países em que há um diálogo maior e mais maduro sobre o assunto, ainda há polêmicas — e esse é o caso dos EUA

A Suprema Corte americana suspendeu, nesta sexta-feira (24), a decisão “Roe vs Wade”, que há quase 50 anos garantia nacionalmente o direito à interrupção da gravidez, nos dois primeiros trimestres. Com isso, o aborto deixa de ser um direito constitucional. 

Além disso, a derrubada da “Roe vs Wade” devolve aos governos estaduais o poder de definir se permitem ou não esse tipo de procedimento. Essa mudança deve impactar metade dos estados americanos, que podem tornar o aborto ilegal. 

Com políticas pró-aborto por quase cinco décadas, a decisão do colegiado ultrapassou as paredes da Corte e atingiu em cheio as grandes corporações. Isso porque as mulheres são maioria da força de trabalho nos EUA. 

Segundo o relatório de empregos divulgado pelo Escritório de Estatísticas do Trabalho dos Estados Unidos de abril, cerca de 76,5% das mulheres entre 25 e 54 anos trabalham no país, o nível mais alto desde fevereiro de 2020. 

As principais empresas americanas defendem o direito ao aborto e já se pronunciaram sobre a decisão da Suprema Corte. As big techs e grandes bancos afirmaram que vão custear viagens para suas funcionárias realizarem o procedimento. Confira a seguir:

Disney 

A Disney foi pontual e se pronunciou sobre a decisão da Suprema Corte, nesta sexta-feira. A empresa enviou um comunicado interno aos funcionários em que garante o custeio da viagem para outro estado americano que venha manter a legalidade do aborto. 

“Nossa empresa continua comprometida em remover barreiras e fornecer acesso abrangente a cuidados de qualidade e acessíveis para todos os nossos funcionários, os membros da equipe e suas famílias, incluindo o planejamento familiar e cuidados reprodutivos, não importa onde morem”, afirma o comunicado. 

A Disney, porém, não comentou diretamente a decisão da Suprema Corte. Mas, acrescentou que continuará priorizando a saúde, a segurança e o bem-estar dos colaboradores e de suas famílias. 

Big techs 

As grandes empresas de tecnologia já se pronunciaram sobre a questão do aborto, muito antes da decisão de hoje. 

A Amazon, segunda maior empregadora do setor privado do país, afirmou que vai reembolsar funcioários que viajarem para realizar abortos e outros tratamentos. 

Em comunicado enviado em maio, a empresa de Jeff Bezos disse que pagará até US$ 4 mil (aproximadamente R$ 20 mil) por ano para colaboradores e dependentes que quiserem fazer o procedimento em outro estado. 

Tesla, Netflix, Apple e Microsoft também garantem o reembolso e/ou custeio de deslocamento e hospedagem em casos de aborto. 

A Meta (Facebook), de Mark Zuckerberg, não se pronunciou oficialmente sobre o assunto. Mas a COO Sheryl Sandberg, sim. Em sua página no Facebook, ela lamentou a revogação da lei que permitia o aborto legal.

“A decisão da Suprema Corte coloca em risco a saúde e a vida de milhões de meninas e mulheres em todo o país. Ameaça desfazer o progresso que as mulheres fizeram no local de trabalho e despojá-las do poder econômico. Isso tornará mais difícil para as mulheres alcançarem seus sonhos. E afetará desproporcionalmente mulheres com menos recursos”, disse Sandberg. 

Bancos também asseguram o direito ao aborto

O JP Morgan é um dos maiores empregadores do setor financeiro dos EUA. Assim como a Disney, o banco americano enviou um comunicado aos funcionários. 

Mas o documento não é de hoje. Ele foi enviado no início do mês, quando o banco comunicou a expansão dos benefícios médicos que devem entrar em vigor em julho. 

Na ocasião, o JP Morgan afirmou que pagará por viagens a estados que permitem abortos legais.

“Nosso planos de saúde têm historicamente coberto benefícios de viagem para certos serviços. [...] A partir de julho, expandiremos esse benefício para incluir todos os serviços cobertos que só podem ser obtidos longe de sua casa, o que inclui o aborto legal”, afirma o comunicado. 

Na mesma linha do JP Morgan, Mastercard Inc e Citigroup — o primeiro a se pronunciar sobre o assunto  — também afirmaram que financiarão viagens e hospedagem para pessoas que desejarem realizar o procedimento a partir de julho. 

Quais os estados devem proibir o aborto nos EUA? 

A revogação da “Roe vs Wade” foi decidida por 5 votos a 4, e vários estados americanos proibiram o aborto imediatamente após o veredicto. 

Os estados de Louisiana, Missouri, Kentucky e Dakota do Sul foram alguns deles. No caso de Missouri, por exemplo, a interrupção da gravidez passou a ser crime com pena de cinco a 15 anos, com exceção em casos de emergência médica. Os demais, seguem a mesma punição. 

Ao menos, 13 estados, historicamente conservadores, devem acatar a decisão da Suprema Corte. Idaho, Tennessee e Texas devem proibir o aborto em 30 dias. 

Arkansas, Mississippi, Dakota do Norte, Oklahoma, Utah e Wyoming também pretendem criminalizar o aborto, mas precisam do crivo do procurador-geral, governador ou outros órgãos legislativos. 

Além disso, esses estados devem proibir o uso da pílula abortiva mifepristone, que é legal nos EUA e que as mulheres podem tomar até a 10ª semana de gravidez. 

Por outro lado, clínicas do Kansas, local em que o aborto legal deve permanecer, estão com sobrecarga de procedimentos para mulheres em estados vizinhos. A tendência é que a demanda seja ainda maior. 

Por fim, o presidente Joe Biden afirmou que hoje é “um dia triste” e prometeu usar a autoridade do seu governo para proteger o acesso ao aborto. Em pronunciamento na Casa Branca, ele ainda pediu aos eleitores que elejam autoridades estaduais e federais que defendem o procedimento legal e seguro. 

*Com informações de Bloomberg, CNBC, CNN e Reuters

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Um mundo tomado pela inflação: entenda ao que é preciso prestar atenção para saber se os preços vão finalmente parar de subir

9 de agosto de 2022 - 6:10

O processo de normalização dos preços será fundamental para que consigamos ter maior previsibilidade quanto ao futuro dos ativos de risco

COMBUSTÍVEIS

Mudou de ideia? Bolsonaro diz que política de paridade de preços da Petrobras (PETR4) pode ser mantida como está

8 de agosto de 2022 - 20:43

Bolsonaro anunciou que vai manter os impostos federais dos combustíveis zerados no próximo ano

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) perde um pouco de tração, mas segue operando em alta; saiba o que mexe com a maior criptomoeda do mundo

8 de agosto de 2022 - 20:04

O destaque do dia foi para o ethereum (ETH), mas não pela alta de preços e sim pelo volume negociado nas últimas 24h

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro alfineta banqueiros e diz que ações do governo contam mais do que “assinar cartinha”; confira o recado enviado pelo presidente

8 de agosto de 2022 - 18:49

Chefe do Planalto fez referência aos manifestos em defesa da democracia articulados em reação à ofensiva sem provas do governo sobre a lisura do sistema eleitoral brasileiro — e que contou com a assinatura de banqueiros

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Os melhores FIIs do mês, cinco razões para comprar Weg (WEGE3) e o prejuízo do Softbank; confira os destaques do dia

8 de agosto de 2022 - 18:40

Depois que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar a Selic a 13,75% ao ano e deixou claro que, caso um novo aumento ocorra, será apenas um ajuste residual, o mercado financeiro comprou a ideia de que o ciclo de aperto monetário chegou ao fim e já começa a sonhar até […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies