🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Quem segura a inflação — e as taxas de juros?

Com inflação ainda em alta, cenário para a próxima reunião do BC é de mais uma alta de 0,50 ponto percentual da Selic, para 13,25% ao ano

12 de maio de 2022
19:36
Roberto Campos Neto e Jerome Powell, presidentes dos bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos
Roberto Campos Neto e Jerome Powell, presidentes dos bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos - Imagem: Divulgação

As taxas de juros de hoje e futuras devem balizar toda e qualquer decisão de investimento e essas dependem, a priori, das expectativas de inflação e claro, o que os dados atuais querem nos mostrar. 

Neste contexto, a inflação oficial do país, o IPCA, que influencia os próximos passos da política monetária do Banco Central brasileiro, apresentou alta de 1,06% em abril frente ao mês anterior, acumulando 12,13% em 12 meses e 4,29% no ano. 

Do resultado, observa-se a pressão dos preços dos grupos de alimentação e bebidas, assim como o grupo de transportes, influenciado pela alta de preços dos combustíveis. Ambos os grupos representaram 80% do índice de preços na passagem de março para abril, de acordo com o IBGE.

Já sob a análise do impacto positivo para a redução dos preços, o grupo de habitação teve deflação de 1,14%, influenciado pela entrada da tarifa verde de energia elétrica no início da segunda quinzena de abril. 

Afinal, a inflação atingiu o seu pico em abril? 

Na passagem do mês, a inflação acumulada em 12 meses passou de 11,30% para 12,13%, trazendo o impacto do reajuste dos combustíveis no período. Ademais, a inflação dos serviços, setor que a priori tem mostrado significativo crescimento ao longo dos últimos meses, passou de 0,45% em março para 0,66% em abril. 

Dos pontos negativos do IPCA, as preocupações com a inflação prospectiva podem ser baseadas no indicador de difusão, que passou de 76% para 78%, mostrando que a inflação se espalhou mais entre os itens da cesta do IPCA.

Além disso, os indicadores que buscam excluir itens mais voláteis, como alimentação e energia, mantiveram-se em patamares elevados, o que indica uma possível persistência inflacionária nos próximos meses. 

Já sob os impactos positivos, vimos a deflação resultante da troca da bandeira tarifária da energia elétrica, contribuindo para a deflação observada no grupo de habitação de 1,14%, sendo que impacto na subida dos preços de toda a cesta de inflação, considerando somente a energia elétrica residencial, foi  0,31 ponto percentual.

Neste cenário, ao considerarmos os preços administrados, houve uma significativa desaceleração dos preços, de 2,65% em março para 0,55% em abril.  

Duas hipóteses validam que a inflação pode ter feito o seu pico em abril 

A primeira hipótese dos que acreditam que a inflação enfim chegou às máximas é a tendência de estabilidade de preços para o grupo dos itens monitorados, aqueles que incluem a tarifa da energia elétrica, por exemplo.

A justificativa é a baixa sensibilidade no consumo da energia elétrica frente às mudanças nos preços, ou seja, a queda no preço da energia não leva os consumidores a aumentarem o consumo na mesma proporção.

Além disso, a estabilização dos preços do petróleo, ainda que no atual patamar, favorece menores pressões de preços dos combustíveis. 

A segunda hipótese baseia-se na expectativa do arrefecimento nos preços dos alimentos conforme avança a safra de inverno. Na passagem do mês, observou-se a desaceleração dos preços na alimentação no domicílio e estabilidade para a alimentação fora do domicílio.

Sazonalmente, os impactos na desaceleração dos preços dos alimentos acontecem entre os meses de maio e agosto. 

Por fim, o que esperar da Selic em 2022

Diante da inflação que segue pressionada na passagem do mês, a menção a mais uma alta da taxa básica de juros (Selic) na ata do Copom vai se tornando certa para a reunião de junho, porém segue em aberto sua magnitude. 

Em outras palavras, ainda que a ata do Copom reforce o ambiente volátil influenciado por questões geopolíticas assim como pelas medidas de isolamento na China que têm impactos na inflação de oferta e, por outro lado, trazem a possível reversão dos preços das commodities ao longo dos próximos meses, favorecendo um caminho para a taxa terminal dos juros brasileiros, o cenário para a próxima reunião do Banco Central é de mais uma alta de 0,50 ponto percentual, levando a Selic a 13,25% ao ano.

Leia também

Compartilhe

ENCHENTES NO RS

BTG: PIB do país deve cair no segundo trimestre com as enchentes do RS, mas recuperação será rápida

14 de junho de 2024 - 20:00

Segundo estudo do banco, a arrecadação de ISS e ICMS e a recuperação do emprego nas áreas atingidas apontam para uma retomada acelerada da econômica

FIIs HOJE

Os dividendos do XPLG11 vão aumentar após aquisição de R$ 300 milhões? Veja o impacto da compra nos proventos do fundo imobiliário

14 de junho de 2024 - 11:10

Com a transação, o XP Log terá direito a 100% do resultado operacional líquido do novo ativo, o que pode aumentar as receitas (e os proventos)

LOTERIAS

Quando a Mega-Sena falha, a Lotofácil não decepciona; veja os ganhadores

14 de junho de 2024 - 5:54

Enquanto o prêmio acumulado da Mega-Sena atingiu a marca de R$ 47 milhões, a Lotofácil teve dois ganhadores na noite de quinta-feira

Pressão do mercado

Haddad diz que “vai dar uma geral” no Orçamento 2025 e acelerar agenda de cortes de gastos

13 de junho de 2024 - 16:40

Segundo o ministro da Fazenda, será feita uma “revisão ampla, geral e irrestrita” das propostas para reduzir despesas

Questão fiscal brasileira

‘Modelo de arrecadação esgotou e governo tem que olhar para os custos’, afirma sócio da O2 capital

13 de junho de 2024 - 9:16

Oestes Costa comenta a necessidade de uma mudança na agenda econômica para “destravar o país” e recomenda investimentos para uma carteira diversificada; confira

LOTERIAS

Lotofácil sai para bolão em SP e Caixa recebe apostas exclusivas para a Quina de São João; Mega-Sena acumulada corre hoje

13 de junho de 2024 - 5:54

Enquanto a Lotofácil faz jus à fama de loteria “menos difícil” do Brasil, prêmio da Mega-Sena está acumulado em R$ 40 milhões

PRÊMIO BANCO CENTRAL DO ANO

Recado para Lula e Haddad? A declaração de Campos Neto sobre a autonomia do BC e as decisões de juros para conter inflação

12 de junho de 2024 - 19:54

Presidente da autoridade monetária recebeu o prêmio “Banco Central do Ano”, conferido pelo portal de notícias Central Banking, em Londres e aproveitou para falar sobre sua gestão

AJUDA AO GOVERNO

Dividendos pingando na conta do Tesouro: BNDES eleva pagamento de proventos para 50% — e cifra deve chegar a R$ 16 bilhões

12 de junho de 2024 - 19:30

Aumento do percentual de pagamento de dividendos de 25% para 50% não deve reduzir os desembolsos do banco, segundo Aloizio Mercadante

De olho nos petrodólares

Ministro da Agricultura elege sauditas como “parceiros preferenciais”

12 de junho de 2024 - 18:42

Fávaro disse que tem fechado acordos para infraestrutura e formação de fundos com a Arábia Saudita

PRESTAÇÃO DE CONTAS

O que o TCU viu de certo — e também de errado — nas contas do governo Lula em 2023?

12 de junho de 2024 - 18:21

A auditoria da prestação de contas de Lula no ano passado verificou cerca de R$ 109 bilhões em irregularidades e distorções de valor no balanço da União

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar