🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

Fernanda Mansano
Visão Macro
Fernanda Mansano
Economista-chefe da Empiricus Investimentos
2022-05-20T16:53:28-03:00
VISÃO MACRO

Por que o mercado exagera ao temer uma recessão nos Estados Unidos e na China

Os sinais de uma possível recessão nas grandes economias, como EUA e China, e o aumento de um pessimismo generalizado parecem ter tomado conta dos mercados

20 de maio de 2022
16:53
Reprodução das notas de dólar e iuan
Reprodução das notas de dólar e iuan - Imagem: Shutterstock

Nos últimos dias, os sinais de uma possível recessão advinda das grandes economias, como EUA e China, e o aumento de um pessimismo generalizado parecem ter tomado conta dos mercados. Dentre os motivos: ciclo de alta de juros e inflação na economia americana e as medidas de isolamento social na China. 

Uma das razões do aumento da incerteza recai sobre a impossibilidade do banco central americano, Fed, com a sua política de aumento de juros trazer a inflação para a meta no curto prazo. 

Passando da primeira para a segunda maior economia mundial, as medidas de isolamento na China têm gerado impactos tanto na produção como no consumo, refletindo nas expectativas de uma desaceleração econômica ainda maior no país. 

Então temos de um lado do mundo a curva de juros invertendo nos EUA, com ciclo de alta de juros, e inflação sem sinais de trégua. E do outro, na China, as provisórias — parecendo permanentes — medidas de isolamento social. 

Afinal, recessão à vista? Ainda não. 

Começando pelos EUA, os dados das vendas no varejo divulgados nesta semana indicam que a demanda do americano segue aquecida, mesmo com a inflação na casa dos 8%.

Com crescimento de 0,9% em abril frente ao mês anterior, o que, a priori, pode descartar a recessão, já aventada nas últimas semanas para a economia americana.

Contudo, nem tudo são flores, e o resultado reforça as expectativas de que a inflação no país seguirá pressionada nos próximos meses. 

Já ao analisar a economia chinesa, as medidas de isolamento têm impactos tanto na produção como no consumo, refletindo nas expectativas de uma desaceleração econômica ainda maior no país.

Por outro lado, as políticas monetárias, como a anunciada hoje com o corte da taxa de juros de referência para empréstimos de longo prazo, que passou 4,60% para 4,45%, assim como as fiscais, com as medidas de redução da carga tributária, deverão aquecer a economia conforme as medidas de isolamento arrefecem nos próximos meses. 

O que esperar

Partindo do pequeno resumo acima das duas grandes economias, me parece que o cenário seguirá volátil ao longo dos próximos meses, com os governos das grandes economias buscando políticas econômicas de estímulo em um cenário de inflação pressionada e com os impactos negativos no âmbito geopolítico. 

Em resumo, para este ano espera-se a continuidade do aperto monetário nas grandes economias, ou seja, aumento de juros.

Assim, a expectativa é de preços mais altos e de menor crescimento econômico. Mas a hipótese de grandes economias entrarem em um ciclo de recessão econômica ainda me parece duvidosa. 

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

GALINHA DOS OVOS DE OURO

Subsidiária da MRV (MRVE3) nos EUA garante mais de R$ 1 bilhão para construtora com venda de empreendimentos na Flórida

A Resia vendeu dois conjuntos localizados na Flóridas e a negociação rendeu cerca de R$ 375 milhões aos cofres da incorporadora

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A quadrilha triste do Ibovespa e o nascimento de uma nova gigante; confira os destaques do dia

O mês de junho vai chegando ao fim, mas o mercado financeiro parece longe de se juntar às alegres festividades juninas espalhadas pelo país.  Na B3 e em Wall Street, os investidores dançam uma quadrilha pra lá de triste e cheia de obstáculos.  Não estamos falando de uma ponte quebrada, uma cobra perdida ou uma […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa despenca mais de 11% e tem o pior mês desde março de 2020; dólar sobe a R$ 5,23

O início do aperto monetário do Federal Reserve levou os ativos globais a ter um semestre para esquecer – e o Ibovespa não escapou disso

Proventos

Dividendos: Rede D’Or (RDOR3) e Raia Drogasil (RADL3) vão distribuir quase R$ 300 milhões em juros sobre capital próprio; veja detalhes

Pagamento de nova leva de proventos aos acionistas está previsto para o dia 16 de julho, no caso da Rede D’Or

ALTAS E BAIXAS

Destaques da bolsa: Fleury (FLRY3) e Hermes Pardini (PARD3) disparam com fusão; TC (TRAD3) e Light (LIGT3) despencam

A nova consolidação no setor de saúde mexeu com o segmento nesta quinta; a renúncia do CEO da Light pesou sobre as ações da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies