🔴 AGORA O SEU DINHEIRO ESTÁ NO WHATSAPP! CLIQUE AQUI E RECEBA CONTEÚDOS DIRETO POR LÁ. 

Cotações por TradingView

Mercado em 5 Minutos: Otimismo pós-feriado? Entenda o que faz as bolsas fecharem a semana com chave de ouro

Dados de inflação nos EUA levantam preocupações sobre mais aumentos agressivos das taxas pelo Fed. No Reino Unido, o provável abandono por completo do “mini-orçamento” do governo proporciona maior otimismo

Ilustração utilizada em matéria sobre alta dos fundos multimercado, mostra homem de negócios surfando num vetor para cima
Imagem: iStock

Bom dia, pessoal. Lá fora, os mercados asiáticos encerraram o dia predominantemente em alta nesta sexta-feira (14), acompanhando as movimentações amplamente positivas dos mercados globais durante ontem. 

Um fator regional interessante foi o dado de inflação chinesa, que veio abaixo do esperado (a fraca demanda doméstica não está dando muito impulso aos preços), o que daria margem para mais estímulos.

No ambiente internacional, os dados de inflação nos EUA levantaram preocupações sobre mais aumentos agressivos das taxas pelo Fed, nos EUA, mas os investidores sentiram que tais preocupações com a inflação e as taxas de juros mais altas já foram precificadas nos mercados após as quedas recentes. 

Em paralelo, o dólar americano também recuou e perdeu terreno em relação aos seus principais pares.

Na Europa, os mercados começam o dia em alta, enquanto os futuros americanos sobem, pelo menos por enquanto. 

Chama atenção o provável abandono por completo do "mini-orçamento" do governo do Reino Unido, que proporciona maior otimismo (o mercado gosta de uma política fiscal sensata). 

Por aqui, acompanhamos a dinâmica global, avaliando também as movimentações políticas e os dados locais. A ver...

00:54 — Se preparando para o debate presidencial

No Brasil, os investidores pouco repercutem as movimentações políticas, uma vez que a eleição pouco tem debatido questões de mercado e perspectiva fiscal (o pessoal está mais preocupado com a Guerra Santa entre os candidatos). 

Ainda assim, há quem acompanhe as novas pesquisas até aqui, faltando 15 dias para o segundo turno. 

Hoje, contamos com o novo Datafolha, enquanto esperamos pelo primeiro debate do segundo turno, a ser transmitido domingo à noite na Band.

Fora as novidades políticas, vale acompanhar hoje pela manhã os dados de serviços para o mês de agosto, que devem desacelerar e subir 0,2% na comparação mensal (versus 1,1% do mês anterior). 

Contra o mesmo período do ano passado, o dado deve registrar alta de 6,8% — ainda vemos efeito positivo sobre o setor da retomada do mercado de trabalho e dos benefícios sociais. 

Gradualmente, contudo, assim como outros dados, seria natural esperar que a economia começasse a sentir os efeitos de juros mais elevados. 

Eventuais surpresas podem contagiar com otimismo o mercado.

01:44 — Um dia diferenciado

Nos EUA, o dia de ontem foi curiosamente volátil. As ações oscilaram de perdas acentuadas e altas robustas, com uma reviravolta em Nova York depois do relatório de inflação mais forte do que o esperado.

O núcleo, que exclui os itens mais voláteis, acelerou e veio acima do esperado, subindo 6,6% na comparação anual. 

Em outras palavras, a inflação americana continua exacerbadamente alta, mesmo depois de meses desde o começo do aperto da política monetária pelo Fed.

Dessa forma, a perspectiva é que a autoridade monetária continue a elevar a taxa de juros de maneira significativa em 2022 e 2023. 

O dado não era uma boa notícia, como a reação inicial de queda deu a entender. Mais difícil, no entanto, foi explicar a virada de mão e posterior alta no resto do dia.

Alguns fatores que poderiam nos ajudar a explicar: 

  1. Boa parte do mercado já havia se antecipado e realizado os lucros nos últimos dias, se movimentando de maneira contrária quando o tão aguardado dado chegou; 
  2. As apostas de pico de inflação continuam elevadas; e
  3. Do ponto de vista técnico, a virada de mão poderia ser leve, mas acabou sendo amplificada com vários short squeezes no mercado americano. 

Ao longo do pregão de hoje, podemos eventualmente ver o mercado tentar devolver a alta de ontem, que deve ter sido bastante artificializada, até mesmo porque a inflação continua alta, o movimento de aperto monetário vai continuar, caminhamos para uma recessão nas economias centrais e a temporada de resultados só está começando. 

Mais volatilidade e realizações devem ser aguardadas no futuro.

02:50 — Entendendo o dado de inflação

Vamos separar um pequeno espaço para comentar brevemente o dado de inflação na principal economia do mundo. 

Ontem, nos EUA, a inflação de preços ao consumidor registrou alta de 8,2% na comparação anual no índice cheio e 6,6% no núcleo (o maior salto em 40 anos), que exclui os itens mais voláteis (normalmente, um aquecimento do núcleo é mais preocupante). 

A expectativa é que o Fed continue seu aperto monetário.

Uma coisa curiosa é que os impulsionadores da inflação nos EUA do ano passado se transformaram em deflação. 

Os preços dos bens duráveis, por exemplo, subiram 3,8% na comparação mensal quando atingiram seu pico, em 2021; agora, em setembro, a mesma linha registrou contração de -1,1% no mês, a maior queda de todos os tempos. 

Em outras palavras, a transição de consumo e pressão inflacionária está acontecendo. 

Em setembro, mais de 40% da cesta de consumo contida no índice caiu de preço na comparação mensal. 

É curioso que os consumidores estejam vendo deflação e inflação ao mesmo tempo, o que deveria aumentar sua disposição para consumir na margem — as vendas no varejo americano de hoje podem nos explicar algumas coisas sobre isso.

03:53 — E a temporada de resultados ganha tração

Hoje, os primeiros resultados de bancos do terceiro trimestre nos Estados Unidos estão sendo divulgados, com os balanços do JP Morgan, Wells Fargo, Citigroup e Morgan Stanley. 

Ontem, a expectativa positiva sobre os resultados ajudou na virada dos mercados, como comentamos, mas talvez tenha havido certa afobação.

Em todo o setor, alguns investidores esperam que os lucros caiam 4% na comparação anual, refletindo uma desaceleração na atividade de banco de investimento. 

Mesmo com o aumento das taxas de juros, que se esperava ser uma benção para os credores, a conjuntura econômica deveria inibir a demanda por crédito. 

Dessa forma, é bom que estejamos preparados para más notícias.

Aliás, embora provavelmente não haja muito a temer pelos resultados reais dos bancos, os investidores estão mais preocupados com a chegada de uma recessão, e isso pode significar problemas para os resultados dos credores. 

Tradicionalmente, os resultados dos bancos contam com perspectivas e sinalizações sobre a situação econômica, o que daria um direcionamento mais tangível ao mercado sobre os rumos da economia — o CEO do JP Morgan Chase, Jamie Dimon, já alertou na segunda-feira que os EUA e a economia global devem enfrentar uma recessão em breve.

04:47 — Os anos perdidos de educação

Não foi só no Brasil que a pandemia deixou um legado perverso para a educação. O mundo inteiro se depara hoje com um déficit relevante de aprendizado. 

Provavelmente, muitos pais que lêem a presente newsletter já devem ter percebido que não houve muito “aprendizado” real, pelo menos não na média.

Para se ter uma ideia, um novo relatório de progresso dos EUA descobriu que a pandemia eliminou 20 anos de ganhos dos alunos em leitura e matemática. 

Considerando os muitos desafios que o mundo enfrenta e a necessidade de cidadãos educados para enfrentá-los, esta é uma crise global relevante.

Infelizmente, no entanto, não parece haver vontade política para fazer as escolhas difíceis sobre como corrigir esse problema com a educação. 

O tempo está passando e já começam a projetar impactos no mercado de trabalho daqui alguns anos. 

Compartilhe

MARKET MAKERS

Bilionário “anônimo” da bolsa: Confira as lições de investimentos de um dos investidores mais bem sucedidos do Brasil

26 de setembro de 2023 - 17:20

Quando o assunto é investimento, ninguém tem conselhos melhores do que  Luiz Alves Paes de Barros

ESPECIAL SEU DINHEIRO 5 ANOS

5 investimentos que estão fora do radar agora, mas nos quais é melhor ficarmos de olho nos próximos cinco anos

26 de setembro de 2023 - 6:29

Para comemorar o aniversário de cinco anos do Seu Dinheiro, separamos uma seleção de cinco grandes tendências de investimento para os próximos anos.

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Entenda o que aconteceu com o GetNinjas (NINJ3) nos últimos dias — e por que um ninja nunca será um samurai

25 de setembro de 2023 - 16:51

Getninjas está propondo uma redução de capital de R$ 4,40 por ação. Na prática, equivale a uma distribuição de dividendos de quase todo o caixa da companhia

LINHA D'ÁGUA

MP dos fundos exclusivos e o impacto do come-cotas na rentabilidade de uma estratégia

25 de setembro de 2023 - 12:28

A MP 1184, publicada no final de agosto deste ano, trouxe como principal novidade a inclusão da tributação do “come-cotas” para os fundos fechados

De repente no mercado

Rali de fim de ano do Ibovespa pode ser o ‘Papai Noel’ da Faria Lima e Casas Bahia (ex-Via) tem problemas maiores do que a mudança de ticker

24 de setembro de 2023 - 12:00

Além disso, saiba quais mudanças fazer na sua carteira de investimentos com a Selic a 12,75% e veja qual país assumiu o lugar do Brasil no ranking de maior juro real do mundo

Fundo do poço?

Perdi R$ 7 mil com ações da Via (VIIA3), hoje Grupo Casas Bahia (BHIA3); é hora de vender?

23 de setembro de 2023 - 8:00

Leitora tem ações da Via, rebatizada de Grupo Casas Bahia, e já perdeu uma boa grana; é hora de vender?

SEXTOU COM O RUY

O que rende mais: dividendos ou a conta do Nubank que paga 1% ao mês?

22 de setembro de 2023 - 6:25

Nos últimos 12 meses a conta Nubank conseguiu um retorno de 13%, e com risco muito menor do que as ações que pagam dividendos. Mas a mamata vai acabar com a queda da Selic

MARKET MAKERS

Quantas vezes você muda de ideia? Disputa da Netflix e Disney mostra a importância da moderação para investidores

21 de setembro de 2023 - 13:25

O fundador e primeiro CEO da Netflix, Marc Randolph, tem um ensinamento importante para investidores: mudar de ideia; entenda o motivo

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Como calcular o preço-alvo de uma ação? Entenda as ‘brechas’ do fluxo de caixa descontado

20 de setembro de 2023 - 18:01

Para usar um eufemismo e evitar discórdias, dizemos que o DCF proporciona uma certa “elasticidade interpretativa”; entenda

MARKET MAKERS

Inflação nos Estados Unidos: Qual vai ser o próximo passo do Fed sobre a taxa de juros? Veja o que esperar da decisão do BC norte-americano

19 de setembro de 2023 - 16:41

Uma nova Super-Quarta dos BCs mundiais se aproxima, com a decisão do Federal Reserve sobre a taxa de juros no radar dos investidores

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies