🔴 [TESTE GRÁTIS] NOVO APP PODE GERAR ATÉ R$ 680 POR DIA COM 3 CLIQUES – CONHEÇA

Empresas de dono ou com capital pulverizado: qual a melhor opção para investir na bolsa?

Capital pulverizado e gestão profissional são considerados boas práticas de governança, mas para o acionista, ações de companhias com controle definido podem trazer retornos formidáveis

16 de dezembro de 2022
6:00 - atualizado às 8:18
Fachada da loja Renner do Shopping Morumbi, zona sul da capital paulista.
Lojas Renner: mesmo sem controlador, ações da varejista viram valorizações gigantescas na década passada. - Imagem: Estadão Conteúdo/Fernando Pereira

"Investir em ações é para o longo prazo." Você já deve ter ouvido essa frase umas cinquenta mil vezes, pelo menos. Basta ler alguns livros sobre os melhores investidores de todos os tempos para que esse "mantra" fique ecoando para sempre na sua cabeça.

O problema é que, depois de analisar e entender as perspectivas do setor e de chegar à conclusão de que aquele será um investimento para o longo prazo, você acaba comprando ações de uma companhia cujo CEO está pensando apenas no bônus do próximo ano, bem diferente de você.

Mas como esse desalinhamento pode te prejudicar?

Um bônus pela irresponsabilidade

Isso já aconteceu muitas e muitas vezes no mercado financeiro, especialmente nos anos de bull market: CEOs cujos bônus são definidos pelo preço das ações no final do ano fazem de tudo para tentar inflar o preço delas antes de a data de corte chegar.

Por exemplo, eles podem tomar uma dívida gigantesca para adquirir a maior concorrente e prometer sinergias impossíveis de serem capturadas.

Isso fará a ação disparar no curto prazo, e provavelmente renderá um belo bônus para o próprio CEO no fim do ano.
E quando ele tiver deixado o comando da companhia alegando "motivos pessoais", já curtindo um ano sabático no Caribe, as ações estarão desmoronando como um castelo de cartas. Ou seja, quem mais deveria ser punido acabou se tornando o maior beneficiário da manobra irresponsável.

Desalinhamento de interesses

Apesar de parecer um caso exagerado, ele já aconteceu inúmeras vezes. Mas problemas ocasionados pelo desalinhamento de interesses acontecem até mesmo sem haver má-fé por parte do gestor.

Por exemplo, muitas vezes o tal CEO até tem boas intenções, mas não tem parte relevante do seu patrimônio investido na empresa. Isso normalmente faz com que as decisões sejam menos responsáveis do que deveriam, já que se tudo der errado ele "somente" perderá o emprego.

Será que se esse CEO, na verdade, fosse o fundador da empresa e tivesse quase todo o seu patrimônio investido nela, as decisões seriam diferentes? Será que o impacto dessas decisões seriam melhores ou piores para os preços das ações?

Para tentar responder essa pergunta, a Bain & Company fez uma pesquisa bastante interessante.

Fundadores são a alma do negócio

O gráfico abaixo mostra o retorno de empresas do S&P 500 lideradas pelo fundador, pela família fundadora ou que contavam com membros fundadores no Conselho de Administração (linha azul) comparado com os retornos das outras empresas que não se encaixavam nessa categoria (linha cinza). O retorno das "founder-led companies" foi 3,1 vezes superior no período destacado.

Por que isso acontece? O que melhora quando os fundadores estão presentes no dia a dia? Entre os motivos, alguns se destacam.

A obsessão pela empresa e seus clientes, o fato de praticamente todo o patrimônio estar investido no negócio, a mentalidade de dono, a alocação de capital mais responsável (fundadores prezam mais pelo caixa e menos por aquisições mirabolantes), a necessidade de receber dividendos e a inspiração para os funcionários se refletem em resultados melhores. Além disso, nunca é demais lembrar que, para um CEO contratado, o cargo normalmente é apenas mais um trabalho, enquanto para um fundador trata-se da vida dele.

O Brasil não é para amadores

Muito bonitos os resultados do estudo lá fora, mas aqui no Brasil as coisas costumavam ser bem diferentes num passado não muito distante.

Para começar, tornou-se frequente que herdeiros sem muita capacidade e disciplina assumissem as empresas de família. Em outros casos, a falta de regras de governança permitiu que famílias fundadoras/controladoras fizessem muita sacanagem com acionistas minoritários em décadas passadas – o empréstimo da Gerdau ao haras da família controladora é um bom exemplo, mas não é o único.

Felizmente, as coisas têm melhorado por aqui. Várias dessas companhias até embarcaram em um modelo mais evoluído, com uma gestão (CEO) profissionalizada acompanhada de perto pelos membros da família fundadora no Conselho. A capacidade técnica de um combinada com o melhor interesse no longo prazo do outro.

A própria Gerdau embarcou nesse modelo, depois de passar por uma crise financeira há alguns anos, e hoje colhe excelentes frutos dessa mudança, como a venda de ativos ruins, boa rentabilidade, baixo endividamento e ótimos dividendos – a GGBR4 está no Vacas Leiteiras, inclusive.

Não existe regra, mas normalmente ajuda

Como vimos, o fato de a família fundadora/controladora estar próxima nem sempre ajudou os acionistas minoritários.
Além disso, o fato de não ter um controlador não impediu empresas como a Lojas Renner de apresentar valorizações gigantescas na década passada.

No entanto, é importante lembrar que isso só aconteceu porque a Renner tinha um bom modelo de negócios e estava sob o comando de um CEO (José Galló) que era tão obsessivo pela empresa e pelos clientes quanto qualquer fundador seria.

Cada caso é um caso, e para colocar as probabilidades a seu favor você vai precisar se certificar que o negócio é bom e que o CEO é competente. Se tiver uma família controladora observando tudo de perto e defendendo os interesses de longo prazo e os dividendos dos acionistas minoritários, melhor ainda.

Duas outras empresas que se encaixam nesse estilo de gestão – família controladora no Conselho e CEO profissional – são a Intelbras (que também está no Vacas) e a Irani. Esta última fabrica e vende embalagens, um modelo de negócios pouco cíclico e que tem permitido a ela atravessar a tempestade da bolsa nos últimos dias sem grande volatilidade.

Por se tratar de uma microcap com ótimo potencial, ela inclusive faz parte do Microcap Alert. Se quiser conferir todos os outros ativos da série, deixo aqui o convite.

Um grande abraço e até a semana que vem!
Ruy

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Copom unânime desfaz margem para ruídos e dá fôlego à bolsa — pelo menos em um primeiro momento

20 de junho de 2024 - 7:53

Parece contraditório, mas Ibovespa busca recuperação depois de o Copom ter decidido por unanimidade pela interrupção do ciclo de corte de juros

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: A Nvidia é fruto de hábitos ultrapassados

19 de junho de 2024 - 20:01

Tudo é muito impressionante na história de Nvidia, mas o mais impressionante é o nome por trás da gigante dos chips

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Expectativa com decisão de juros do Copom dá o tom do dia na bolsa, mas feriado nos EUA drena liquidez do mercado

19 de junho de 2024 - 8:05

Analistas esperam manutenção da taxa Selic a 10,50% ao ano, mas decisão de juros será anunciada somente depois do fechamento da bolsa

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: A banalidade do bem, a zona de desinteresse e o elogio do vira-lata

18 de junho de 2024 - 20:15

Três coisas que precisam ser ditas sobre a política monetária de Lula antes do resultado da reunião do Copom.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa busca recuperação com corte dos gastos em pauta e acordo entre Petrobras (PETR4) e Receita

18 de junho de 2024 - 7:54

Ibovespa começa mais um pregão vindo do nível mais baixo de fechamento no ano; indicadores norte-americanos também estão no radar

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O paradoxo do conservadorismo necessário: para que os juros caiam depois, é preciso mantê-los elevados agora

18 de junho de 2024 - 6:33

Manter os juros altos agora não apenas ajudaria a reancorar as expectativas de inflação, mas também permitiria uma política monetária mais flexível no futuro

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa começa semana de Copom perto das mínimas do ano e com bolsas internacionais sem direção clara

17 de junho de 2024 - 7:41

Investidores estão na expectativa quanto à divulgação de propostas do governo para revisar os gastos públicos na proposta de orçamento para 2025

Mande sua dúvida!

Meu imóvel foi invadido, e parece que os ocupantes obtiveram a usucapião; ainda consigo fazer a reintegração de posse?

15 de junho de 2024 - 8:00

É possível “reverter” ou “anular” um processo de usucapião? E invasor pode mesmo conseguir usucapir um imóvel?

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mais um dia na bolsa de valores: barulheira fiscal no Brasil, eleições municipais, divulgação do IBC-Br e outros destaques que agitam os mercados

14 de junho de 2024 - 9:07

Contribuição da B3 para a forte queda do Ibovespa em maio, venda da Cetrel pela Braskem (BRKM5) e eleições no Reino Unido também agitam as bolsas nesta sexta-feira (14)

SEXTOU COM O RUY

Em plena semana dos namorados, chegou a hora de dar um “pé na bunda” na bolsa brasileira?

14 de junho de 2024 - 7:01

As notícias não têm sido muito animadoras, mas o Ibovespa negocia hoje com descontos que foram vistos pela última vez apenas na crise financeira de 2008; saiba qual ação ainda vale a pena

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar