🔴 EVENTO GRATUITO: COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE

Se o agro é tech, por que não encontramos empresas de tecnologia no segmento para investir?

Embora muito se fale na união entre o agro e o tech, não há empresas na bolsa que, de fato, consigam juntar esses dois mundos. Saiba o motivo

1 de dezembro de 2022
6:11 - atualizado às 18:05
btg agroforum 2022, evento que discute agro e tecnologia
Imagem: Unsplash

Olá, seja bem-vindo à Estrada do Futuro, onde conversamos semanalmente sobre a intersecção entre investimentos e tecnologia.

Toda as vezes em que ministro uma aula nos MBAs da Empiricus, ou alguma palestra sobre investimentos, uma questão obrigatória emerge ao final, na sessão de perguntas e respostas: O que você acha sobre investir em agro tech?

Hoje, cansado de dar a mesma resposta genérica sobre os méritos da inovação (uma resposta que poderia ser dada por um algoritmo de inteligência artificial), tenho devolvido uma pergunta ao interlocutor: Claro, sobre qual empresa você gostaria que eu comentasse?

Nunca obtive resposta para essa pergunta.

Em parte, a inovação é "low profile", ou seja, acontece sem grandes alardes; por outro lado, o investidor toma por "tech" algo que é apenas uma evolução natural dos produtos e modelos de negócios. E, com a tendência da mídia em simplificar termos, muitas coisas hoje abrigadas sob o guarda-chuva da tecnologia não possuem absolutamente nada a ver com o tema.

Será esse o caso de "agrotech"?

Plataforma versus produto

Toda empresa precisa de algum grau de tecnologia para evoluir. Poucas empresas, porém, se darão ao trabalho de alocar o próprio tempo e capital na criação de tais tecnologias.

Da maneira como entrou no imaginário do investidor, se apresentando como teses de exponencialidade, "tech" é basicamente uma outra maneira de se referir a empresas de software.

Obviamente existe muita tecnologia na produção de um Tesla ou na de um painel solar, mas isso não quer dizer que a operação de tais empresas irá crescer exponencialmente.

Não à toa, a margem bruta da First Solar — uma das maiores produtoras de painéis solares nos EUA — oscila entre 15% e 25%; é raro encontrar uma empresa de softwares com tais margens inferiores a 70%.

Na medida em que a First Solar ganha escala, não há muita diferença no custo marginal de se produzir mais um painel. Esse custo, porém, existe.

Numa empresa de software, uma vez que o produto está na rua, o custo marginal tende a zero. Se essa coluna for lida por 1 pessoa, ou por 100 mil pessoas, não fará absolutamente nenhuma diferença em termos de custos para a redação do Seu Dinheiro.

Quando eu esbarro na pergunta sobre agro techs, eu volto a esse pilar: onde estão as empresas genuinamente de tecnologia deste setor, capazes de entregar crescimento com um custo marginal que tende a zero?

Agro é tech, mas também é um monte de outras coisas

Todo software visa resolver algum tipo de grande problema através de uma solução padronizada (ou seja, que possa ser vendida sem grandes customizações).

Recentemente, li um artigo na Bloomberg sobre como a startup Mineral (que pertence ao Google), está utilizando a tecnologia para veículos autônomos que está sendo desenvolvida pela empresa para criar um robô que coleta morangos.

A complexidade é imensa: são centenas de sensores tentando minimizar erros na colheita, manter uma contagem acurada e, o mais importante, não causar danos à plantação.

O custo desses robôs estarem errados não é medido em horas de trabalho, e sim em meses que serão necessários para repor o produto destruído por ele.

Os problemas a serem resolvidos no campo são muito complexos, e o ciclo de feedback é muito longo — bem maior que o padrão das empresas de software.

Além disso, qualquer produto de tecnologia desenvolvido pelo setor precisa considerar que, no local onde será implementado, é provável que haja pouco (ou nenhum) acesso à internet.

Ou seja, é preciso criar soluções com interação direta com o mundo real, de custo marginal maior do que zero, e que ainda funcionem com baixa qualidade de internet.

Hoje, olhando para o Nasdaq 100 — o índice das maiores empresas de tecnologia do mundo —, não há nenhuma "agro tech", considerando esses pontos acima. Na B3, a Bolsa brasileira, também não.

Vou mais longe: como analista de investimentos focado no setor de tecnologia, especialmente em empresas de capital aberto, nunca tive a oportunidade de mergulhar numa empresa listada que pudesse ser definida como Agrotech.

A maioria das empresas que se aventuram nesse complexo negócio conseguem inovar e criar produtos de impacto. Porém, é raro que ganhem muita escala.

No agro, a inovação que você consegue investir hoje não é nada soft

Abaixo, eu trago um gráfico com o retorno das ações da John Deere nos últimos 3 anos.

Retorno da ação da John Deere nos últimos 3 anos | Elaboração: Empiricus | Fonte: Koyfin

A John Deere é uma das maiores fabricantes de veículos agrícolas do mundo, além de ser uma empresa centenária.

Depois de anos de vendas estagnadas, a empresa vem surfando uma reaceleração desde 2017, tanto em volume, quanto em preços.

Certamente, o bom momento das commodities entre 2020 e 2021 contribui diretamente para essa performance, mas muito tem sido feito pela empresa em termos de tecnologia, trazendo vários motivos para os produtores renovarem seus equipamentos.

Por exemplo, há alguns anos que a John Deere já vende tratores 100% autônomos.

Todos os seus novos veículos são equipados com dezenas de sensores, monitorando desde as próprias peças para fins de manutenção, até as condições do terreno e da colheita.

Essa é uma onda de inovação que está apenas começando.

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Enduro da bolsa: mercado acelera com início da temporada de balanços do 1T24, mas na neblina à espera do PCE

23 de abril de 2024 - 8:54

Na corrida dos mercados, Usiminas dá a largada na divulgação de resultados. Lá fora, investidores reagem ao balanço da Tesla

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Decisão do Copom em xeque: o que muda para a Selic depois dos últimos acontecimentos?

23 de abril de 2024 - 6:24

O Banco Central do Brasil enfrentará um grande dilema nas próximas semanas

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: A pobreza das ações

22 de abril de 2024 - 20:00

Em uma conversa regada a vinho, dois sujeitos se envolvem em um embate atípico, mas quem está com a razão?

DE REPENTE NO MERCADO

Enquanto o dólar não para de subir… Brasil sobe em ranking internacional e este bilionário indonésio fica 10x mais rico em um ano 

21 de abril de 2024 - 12:00

Veja os destaques da semana na ‘De repente no mercado’

BOMBOU NO SD

Dividendos de Klabin (KLBN11), Gerdau (GGBR4) e Petrobras (PETR4), halving do bitcoin e Campos Neto dá pistas sobre o futuro da Selic — veja tudo o que foi destaque na semana

20 de abril de 2024 - 14:01

A ‘copa do mundo’ das criptomoedas aconteceu de novo. A recompensa dos mineradores por bloco de bitcoin caiu pela metade

Mande sua pergunta!

Meu pai me ajudou a comprar um imóvel; agora ele faleceu, e meu irmão quer uma parte do valor; foi adiantamento de herança?

20 de abril de 2024 - 8:00

O irmão desta leitora está questionando a partilha da herança do pai falecido; ele tem razão?

SEXTOU COM O RUY

A ação que dá show em abril e mostra a importância de evitar histórias com altas expectativas na bolsa

19 de abril de 2024 - 6:07

Ações que embutiam em seus múltiplos elevadas expectativas de melhora macroeconômica e crescimento de lucros decepcionaram e desabaram nos últimos dias, mas há aquela que brilha mesmo em um cenário adverso

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: ChatGPT resiste às tentações de uma linda narrativa?

17 de abril de 2024 - 20:11

Não somos perfeitos em tarefas de raciocínio lógico, mas tudo bem: inventamos a inteligência artificial justamente para cuidar desses problemas mais chatos, não é verdade?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Ataque do Irã poderia ter sido muito pior: não estamos diante da Terceira Guerra Mundial — mas saiba como você pode proteger seu dinheiro

16 de abril de 2024 - 6:17

Em outubro, após o ataque do Hamas, apontei para um “Kit Geopolítico” para auxiliar investidores a navegar por esse ambiente incerto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Cinco coisas que deveriam acabar no mercado financeiro

15 de abril de 2024 - 20:01

O sócio-fundador da Empiricus lista práticas do universo dos investimentos que gostaria de ver eliminadas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar