O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-04T18:05:07-03:00
Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Multimercados

Com rentabilidade de 17,15% no ano, SPX mantém aposta na alta do dólar

Principais ganhos do fundo SPX Nimitz no mês passado vieram das apostas na alta da moeda americana e em juros

4 de maio de 2022
18:01 - atualizado às 18:05
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital
Rogério Xavier da SPX - Imagem: Leo Martins

Depois de obter rentabilidade recorde em março, o SPX Nimitz, fundo multimercado da gestora de Rogério Xavier, avançou mais 3,54% em abril.

Assim como em março, a maior parte dos ganhos veio das posições em juros, que renderam 2%. Mas as alocações em moedas vêm logo em seguida, com alta de 1,90%.

De acordo com a SPX, o fundo segue com posições compradas no dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos e emergentes. A gestora não especifica, porém, quais moedas seriam essas.

Nos juros, o SPX Nimitz continua apostando em países onde acredita existir grande desequilíbrio entre as condições econômicas e os preços de mercado. No Brasil, a aplicação está em juros reais na parte intermediária da curva.

A gestora ressalta que as pressões inflacionárias seguem muito fortes no mundo, tanto pelo aperto do mercado de trabalho quanto pelo aumento dos preços das commodities.

"Nesse contexto, Bancos Centrais precisarão continuar com seus ciclos de aperto monetário apesar da piora na perspectiva de crescimento", diz a SPX em comentário sobre a performance do fundo.

O Nimitz também obteve ganhos com as posições em ações. Nos Estados Unidos, o fundo está comprado em papéis mais defensivos e vendido em setores cíclicos.

Já na Europa, a exposição está em empresas ligadas a transição energética e defesa. Na China, houve redução da posição comprada com a deterioração do crescimento econômico.

Por aqui, a SPX reduziu as posições vendidas em empresas de tecnologia listadas no exterior e segue com posições relativas nos setores de consumo, transporte e óleo e gás. Quanto ao setor financeiro, a SPX está vendida.

SPX Nimitz: Atribuição de performance

SPX NIMITZABRIL 20222022
Ações0,35%0,47%
Commodities-0,63%0,37%
Crédito-0,17%0,05%
Juros2,00%13,21%
Moedas1,90%3,90%
Taxas e custos-0,74%-4,13%
CDI0,83%3,28%
TOTAL3,54%17,15%
Fonte: SPX

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies