';

[Exclusivo Seu Dinheiro] Guia ‘Onde investir em 2023’; baixe gratuitamente aqui

Cotações por TradingView
2022-12-07T22:39:03-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
FII DO MÊS

Fundos imobiliários que lucram com a Selic alta são os mais recomendados para dezembro; veja as escolhas de 11 corretoras para o final do ano

Vale relembrar que o Copom decide a trajetória da Selic hoje; a expectativa é que a taxa básica brasileira seja mantida em 13,75% ao ano

7 de dezembro de 2022
7:03 - atualizado às 22:39
Selo Melhores Fundos Imobiliários 2 | Fundo Imobiliário Bresco Logística BRCO11 FIIs Magazine Luiza Fundo Imobiliário
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Jogar na retranca pode não ser muito bem visto no futebol. Mas, quando se trata dos fundos imobiliários (FIIs), a defesa pode ser o melhor ataque neste final de ano.

Vale relembrar que o Comitê de Política Monetária do Banco Central decide a trajetória da Selic nesta quarta-feira (7). A expectativa é que a taxa básica brasileira seja mantida em 13,75% ao ano.

E, de olho nas perspectivas para a curva de juros do país, os analistas apostam na estratégia defensiva em dezembro. As corretoras consultadas pelo Seu Dinheiro escalaram dois FIIs de papel — ou seja, que investem em títulos de renda fixa ligados ao setor imobiliário —, para a posição de favoritos do mês.

A classe tem formado a “zaga” da indústria no atual cenário econômico. Especialmente os fundos cujo portfólio é formado por Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) indexados ao CDI — taxa interbancária, que acompanha a Selic.

A remuneração dos ativos segue de perto os movimentos da Selic e deve se manter acima dos dois dígitos no próximo ano.

Esse é o caso dos dois ativos mais recomendados para dezembro, o Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11) e o Valora RE III (VGIR11). Presentes entre os preferidos de quatro corretoras, os FIIs têm carteiras cerca de 98% alocadas em ativos corrigidos pelo CDI.

Com essa composição no portfólio, ambos têm garantido rendimentos interessantes para o cotista. O KNCR11 rendeu CDI+3,69% em outubro, enquanto o VGIR11 pagou o equivalente a 104% da taxa DI. Lembrando que os proventos que caem na conta dos investidores de fundos imobiliários todos os meses são isentos de imposto de renda.

Apesar do destaque para o papel, os analistas também não deixaram na mão quem não gosta de jogar na retranca e busca FIIs mais ofensivos.

Com três indicações cada, dois fundos de tijolo — que investem diretamente em ativos imobiliários, como prédios corporativos e galpões logísticos — empatam na segunda posição do ranking do Seu Dinheiro e ficam no banco de reservas deste mês: CSGH Renda Urbana (HGRU11) e Vinci Logística (VILG11).

Confira a seguir os favoritos de cada corretora entre os indicados nas suas respectivas carteiras recomendadas para dezembro:

Entendendo o FII do Mês: todos os meses, o Seu Dinheiro consulta as principais corretoras do país para descobrir quais são suas apostas para o período. Dentro das carteiras recomendadas, normalmente com até 10 fundos imobiliários, os analistas indicam os seus três prediletos. Com o ranking nas mãos, selecionamos os que contaram com pelo menos duas indicações.

Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11) — defendendo a carteira

Pela segunda vez consecutiva, o Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11) é uma das escolhas favoritas dos analistas para a carteira de fundos imobiliários do mês.

A manutenção do fundo na posição de favorito das corretoras está ligada ao seu portfólio 97,9% indexado ao CDI, referência para o rendimento dos investimentos em renda fixa e diretamente atrelado à variação da Selic.

“Neste momento de juros elevados, o fundo tende a ser mais defensivo e manter seus dividendos, além disso conta com uma carteira pulverizada de crédito com bons devedores”, destaca a Genial Investimentos.

E o cenário positivo para o fundo não deve mudar tão cedo: segundo o último Boletim Focus, o mercado projeta a manutenção da Selic em dois dígitos até o final de 2023.

Com isso, a bola segue na área para que o KNCR11 marque um gol de placa — ou melhor, de dividendos. O FII distribuirá R$ 1,10 por cota em dezembro, o que representa uma rentabilidade de 104% da taxa DI.

Além disso, o fundo conseguiu captar recursos para incrementar ainda mais o portfólio. A nona emissão de cotas, encerrada em novembro, levantou R$ 1,78 bilhão para o caixa do FII.

Valora RE III (VGIR11) — gestão craque em CRIs

Outro fundo de papel escalado para a defesa da carteira em dezembro é o Valora RE III (VGIR11). Depois de bater na trave quatro vezes neste ano, o FII enfim conquistou indicações suficientes para subir ao lugar mais alto do pódio.

A Órama, uma das corretoras a recomendar o fundo neste mês, justifica a escolha com base na expertise do time de gestão em CRIs. “Grande parte das operações foram originadas e estruturadas pela casa, o que traz um diferencial para o fundo”, afirma a corretora.

Uma das vantagens trazidas por essa característica é a possibilidade de negociação de melhores garantias e taxas para cada título, “além do monitoramento próximo das operações”.

Essa vigilância constante sobre o portfólio também é destacada pela gestora do FII, a Valora Investimentos, no último relatório gerencial.

“Todos os CRIs encontram-se adimplentes e, com base nos trabalhos de monitoramento e acompanhamento intensos e próximos de todos os ativos, a carteira do fundo continua saudável”, cita o documento.

A Órama destaca ainda o “spread acima dos pares do mercado” praticado pelo VGIR11, o que implica em remunerações mais elevadas para os cotistas. Nos últimos 12 meses o fundo acumulou uma distribuição de dividendos de R$ 1,24 por cota. A cifra equivale a uma rentabilidade líquida de CDI + 3,9% ao ano sobre a cota patrimonial do FII.

Repercussão — uma macro goleada nos fundos imobiliários

A renovação dos temores fiscais, o avanço da inflação e o risco de recessão global formaram um trio de ataque difícil de parar em novembro. Com isso, o IFIX — índice que reúne os principais FIIs da B3 — tomou uma goleada do cenário macroeconômico e recuou 4,15% no mês.

O campeão do mês passado, Bresco Logística (BRCO11), caiu mais de 9% e anotou um dos piores desempenho do período. Mas a notícia é boa para quem ainda não tem cotas do FII da carteira, pois o fundo costuma negociar com prêmio em relação aos pares do segmento logístico.

Já o Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11), dono da outra medalha de ouro de novembro, contou com o portfólio indexado ao CDI para a defesa de sua remuneração e registrou uma queda bem menor, de 0,40%.

Veja a seguir como operaram todos os fundos dos top 3 das corretoras:

Fonte: B3

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

AS PISTAS DO ROMBO

Americanas (AMER3): Sérgio Rial conta como o buraco de R$ 20 bilhões foi descoberto e afasta especulações

17 de janeiro de 2023 - 14:45

Ele disse ainda que sua saída do cargo de CEO da varejista se deu pela necessidade de abrir espaço para que a empresa pudesse se reestruturar

APERTEM OS CINTOS…

Afetado pela FTX, Silvergate perde US$ 1 bilhão em liquidez após saques massivos dos clientes; ações caem 30% em janeiro

17 de janeiro de 2023 - 14:39

Apesar disso, o CEO do banco, Alan Lane, pontuou que ainda acredita nos ativos digitais: “Continuamos comprometidos em manter a liquidez do balanço e uma posição de capital resiliente”

FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

Em busca de mudança estrutural, Haddad quer proposta de âncora fiscal pronta no máximo até abril

17 de janeiro de 2023 - 12:13

Em Davos, Haddad critica a herança deixada por Bolsonaro e diz que o novo governo pretende promover uma mudança estrutural, o que inclui uma reforma tributária

'Pago quando puder'

Americanas (AMER3) dá calote em debêntures após decisão da Justiça que suspende cobranças por 30 dias

17 de janeiro de 2023 - 11:49

Na sexta-feira (13), a Americanas obteve decisão na justiça do RJ que a permite adiar o pagamento de dívidas

COMPRANDO MAIS

Queridinha no setor de consumo, Arezzo (ARZZ3) compra a fabricante de calçados Vicenza por R$ 103,8 milhões

17 de janeiro de 2023 - 10:58

O negócio total foi avaliado em R$ 173 milhões e o valor restante será pago pela Arezzo (ARZZ3) em ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies