🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
FII DO MÊS

Fundos imobiliários que lucram com a Selic alta são os mais recomendados para dezembro; veja as escolhas de 11 corretoras para o final do ano

Vale relembrar que o Copom decide a trajetória da Selic hoje; a expectativa é que a taxa básica brasileira seja mantida em 13,75% ao ano

Larissa Vitória
Larissa Vitória
7 de dezembro de 2022
7:03 - atualizado às 22:39
Selo Melhores Fundos Imobiliários 2 | Fundo Imobiliário Bresco Logística BRCO11 FIIs Magazine Luiza Fundo Imobiliário
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Jogar na retranca pode não ser muito bem visto no futebol. Mas, quando se trata dos fundos imobiliários (FIIs), a defesa pode ser o melhor ataque neste final de ano.

Vale relembrar que o Comitê de Política Monetária do Banco Central decide a trajetória da Selic nesta quarta-feira (7). A expectativa é que a taxa básica brasileira seja mantida em 13,75% ao ano.

E, de olho nas perspectivas para a curva de juros do país, os analistas apostam na estratégia defensiva em dezembro. As corretoras consultadas pelo Seu Dinheiro escalaram dois FIIs de papel — ou seja, que investem em títulos de renda fixa ligados ao setor imobiliário —, para a posição de favoritos do mês.

A classe tem formado a “zaga” da indústria no atual cenário econômico. Especialmente os fundos cujo portfólio é formado por Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) indexados ao CDI — taxa interbancária, que acompanha a Selic.

A remuneração dos ativos segue de perto os movimentos da Selic e deve se manter acima dos dois dígitos no próximo ano.

Esse é o caso dos dois ativos mais recomendados para dezembro, o Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11) e o Valora RE III (VGIR11). Presentes entre os preferidos de quatro corretoras, os FIIs têm carteiras cerca de 98% alocadas em ativos corrigidos pelo CDI.

Com essa composição no portfólio, ambos têm garantido rendimentos interessantes para o cotista. O KNCR11 rendeu CDI+3,69% em outubro, enquanto o VGIR11 pagou o equivalente a 104% da taxa DI. Lembrando que os proventos que caem na conta dos investidores de fundos imobiliários todos os meses são isentos de imposto de renda.

Apesar do destaque para o papel, os analistas também não deixaram na mão quem não gosta de jogar na retranca e busca FIIs mais ofensivos.

Com três indicações cada, dois fundos de tijolo — que investem diretamente em ativos imobiliários, como prédios corporativos e galpões logísticos — empatam na segunda posição do ranking do Seu Dinheiro e ficam no banco de reservas deste mês: CSGH Renda Urbana (HGRU11) e Vinci Logística (VILG11).

Confira a seguir os favoritos de cada corretora entre os indicados nas suas respectivas carteiras recomendadas para dezembro:

Entendendo o FII do Mês: todos os meses, o Seu Dinheiro consulta as principais corretoras do país para descobrir quais são suas apostas para o período. Dentro das carteiras recomendadas, normalmente com até 10 fundos imobiliários, os analistas indicam os seus três prediletos. Com o ranking nas mãos, selecionamos os que contaram com pelo menos duas indicações.

Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11) — defendendo a carteira

Pela segunda vez consecutiva, o Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11) é uma das escolhas favoritas dos analistas para a carteira de fundos imobiliários do mês.

A manutenção do fundo na posição de favorito das corretoras está ligada ao seu portfólio 97,9% indexado ao CDI, referência para o rendimento dos investimentos em renda fixa e diretamente atrelado à variação da Selic.

“Neste momento de juros elevados, o fundo tende a ser mais defensivo e manter seus dividendos, além disso conta com uma carteira pulverizada de crédito com bons devedores”, destaca a Genial Investimentos.

E o cenário positivo para o fundo não deve mudar tão cedo: segundo o último Boletim Focus, o mercado projeta a manutenção da Selic em dois dígitos até o final de 2023.

Com isso, a bola segue na área para que o KNCR11 marque um gol de placa — ou melhor, de dividendos. O FII distribuirá R$ 1,10 por cota em dezembro, o que representa uma rentabilidade de 104% da taxa DI.

Além disso, o fundo conseguiu captar recursos para incrementar ainda mais o portfólio. A nona emissão de cotas, encerrada em novembro, levantou R$ 1,78 bilhão para o caixa do FII.

Valora RE III (VGIR11) — gestão craque em CRIs

Outro fundo de papel escalado para a defesa da carteira em dezembro é o Valora RE III (VGIR11). Depois de bater na trave quatro vezes neste ano, o FII enfim conquistou indicações suficientes para subir ao lugar mais alto do pódio.

A Órama, uma das corretoras a recomendar o fundo neste mês, justifica a escolha com base na expertise do time de gestão em CRIs. “Grande parte das operações foram originadas e estruturadas pela casa, o que traz um diferencial para o fundo”, afirma a corretora.

Uma das vantagens trazidas por essa característica é a possibilidade de negociação de melhores garantias e taxas para cada título, “além do monitoramento próximo das operações”.

Essa vigilância constante sobre o portfólio também é destacada pela gestora do FII, a Valora Investimentos, no último relatório gerencial.

“Todos os CRIs encontram-se adimplentes e, com base nos trabalhos de monitoramento e acompanhamento intensos e próximos de todos os ativos, a carteira do fundo continua saudável”, cita o documento.

A Órama destaca ainda o “spread acima dos pares do mercado” praticado pelo VGIR11, o que implica em remunerações mais elevadas para os cotistas. Nos últimos 12 meses o fundo acumulou uma distribuição de dividendos de R$ 1,24 por cota. A cifra equivale a uma rentabilidade líquida de CDI + 3,9% ao ano sobre a cota patrimonial do FII.

Repercussão — uma macro goleada nos fundos imobiliários

A renovação dos temores fiscais, o avanço da inflação e o risco de recessão global formaram um trio de ataque difícil de parar em novembro. Com isso, o IFIX — índice que reúne os principais FIIs da B3 — tomou uma goleada do cenário macroeconômico e recuou 4,15% no mês.

O campeão do mês passado, Bresco Logística (BRCO11), caiu mais de 9% e anotou um dos piores desempenho do período. Mas a notícia é boa para quem ainda não tem cotas do FII da carteira, pois o fundo costuma negociar com prêmio em relação aos pares do segmento logístico.

Já o Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11), dono da outra medalha de ouro de novembro, contou com o portfólio indexado ao CDI para a defesa de sua remuneração e registrou uma queda bem menor, de 0,40%.

Veja a seguir como operaram todos os fundos dos top 3 das corretoras:

Fonte: B3

Compartilhe

MUDANÇA DE FLUXO

Ibovespa vai subir 15%? XP eleva projeção para a bolsa em 2024

1 de março de 2024 - 14:49

XP vê Brasil bem posicionado globalmente para atrair investidores estrangeiros e promove alterações em suas carteiras

FUNDOS IMOBILIÁRIOS HOJE

Nova administração do Devant Recebíveis Imobiliários (DEVA11) diz ter encontrado irregularidades nas despesas e afirma que vai restituir o fundo imobiliário

1 de março de 2024 - 13:08

Uma auditoria conduzida pela gestão identificou cerca de R$ 1,2 milhão em gastos jurídicos pagos pelo FII em dezembro do ano passado

QUER PAGAR QUANTO?

Vitória dos minoritários! Cielo (CIEL3) convoca assembleia para discutir novo laudo de oferta para fechar capital

1 de março de 2024 - 9:19

Bradesco e Banco do Brasil ofereceram R$ 5,35 por ação da Cielo (CIEL3), mas os minoritários entendem que os bancos deveriam pagar bem mais para fechar o capital da companhia

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa fecha em leve alta, mas sustenta os 129 mil pontos com Wall Street positivo; dólar cai a R$ 4,95

1 de março de 2024 - 7:40

RESUMO DO DIA: A bolsa brasileira acompanhou o tom mais positivo do exterior e encerrou a sessão desta sexta-feira (01) no azul. O Ibovespa terminou em leve alta de 0,12%, aos 129.180 pontos. Apesar da valorização tímida, o principal índice de ações da B3 acumulou queda de 0,18% na semana. Por sua vez, o dólar […]

VAREJO EM APUROS

Diluição à vista? Lojas Marisa (AMAR3) quer mais do que triplicar o limite de ações

29 de fevereiro de 2024 - 11:24

Proposta do conselho de administração da Lojas Marisa prevê elevar de 90 milhões para 300 milhões o limite de AMAR3 em circulação

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa recua com pressão de bancos, mas sustenta os 129 mil pontos no fim da sessão; dólar tem leve alta

29 de fevereiro de 2024 - 7:13

RESUMO DO DIA: O Ibovespa terminou a sessão desta quinta-feira (29) em queda, mas conseguiu sustentar o patamar de 129 mil pontos.  Por aqui, a cautela com o rumo dos juros no Brasil e exterior pressionou as ações de bancos, que caíram em bloco na B3. Com isso, o principal índice da bolsa brasileira fechou […]

SUBIU NO TELHADO

Petrobras (PETR4): a fala do CEO sobre dividendos que derruba as ações da estatal hoje na B3

28 de fevereiro de 2024 - 14:47

Em entrevista à Bloomberg, Jean Paul Prates defendeu que a Petrobras tenha “cautela” na distribuição de dividendos; ações reagem em forte queda

PROBLEMAS NOS HOTÉIS?

Por que os dividendos do fundo imobiliário HTMX11 tiveram um corte brusco em fevereiro? Confira a explicação da gestão

28 de fevereiro de 2024 - 12:17

O fundo de hotéis comunicou, no início do mês, que pagaria R$ 0,86 por cota aos investidores, contra R$ 3,25 em janeiro.

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa cai a 130 mil pontos, pressionado pela desvalorização de Petrobras (PETR4) após falas de Prates sobre dividendos; dólar sobe a R$ 4,97

28 de fevereiro de 2024 - 7:24

RESUMO DO DIA: A bolsa brasileira terminou a sessão desta quarta-feira (28) no vermelho, com o cenário corporativo roubando os holofotes do calendário de indicadores econômicos no exterior. O Ibovespa encerrou o dia em baixa de 1,16%, aos 130.155 pontos. Por sua vez, o dólar fechou próximo das máximas do dia, com um avanço de […]

PORTFÓLIO DE GIGANTES

XPML11 fecha acordo com empresa da B3 e pagará mais de R$ 1,8 bilhão por ‘pacotão’ de shoppings centers

27 de fevereiro de 2024 - 18:41

O fundo imobiliário assinou um memorando para ficar com participações detidas pela Syn Prop & Tech em seis shoppings centers

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies