🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-02-28T14:54:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Juros em pauta

Dirigente do Fed não descarta alta maior que 0,25 ponto percentual nos juros em março

Raphael Bostic, da distrital de Atlanta do Federal Reserve (Fed), diz que todas as reuniões deste ano são elegíveis a uma alta de 0,50 ponto

28 de fevereiro de 2022
14:53 - atualizado às 14:54
Cédula de dólar vista com zoom, focada no logo do Federal Reserve (Fed)
Imagem: Shutterstock

Presidente da distrital de Atlanta do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Raphael Bostic defendeu que o BC dos Estados Unidos abandone a postura acomodatícia e suba a taxa de juros a um patamar "razoável". O dirigente defendeu um aumento de 25 pontos-base da taxa dos Fed Funds na reunião de março, mas deixou em aberto a possibilidade de uma alta de 50 pontos-base, caso a inflação siga "em níveis elevados" como os atuais.

Durante palestra a alunos da Universidade de Harvard nesta segunda-feira (28), Bostic ressaltou ser necessário que o Fed seja "enérgico" em relação ao seu objetivo de manter os preços sob controle. Segundo ele, todas as reuniões do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) em 2022 podem ser consideradas para um aumento de 0,5 ponto porcentual do juro.

Ainda que a ampla pressão inflacionária tenha atingido as expectativas de curto prazo, ele disse que as projeções de longo prazo — de cinco a 10 anos — "não se moveram significativamente".

Bostic, que não tem direito a voto nas decisões monetárias do Fed este ano, explicou que o atual nível dos preços nos EUA é provocado por alguns fatores, como a demanda elevada de consumidores, problemas na cadeia de suprimentos que afetam a capacidade do setor privado de suprir a alta demanda, baixa oferta de mão de obra e a postura "massivamente acomodatícia" do Fed durante a crise do coronavírus.

Atualmente, os juros da economia americana estão na faixa de 0% a 0,25% ao ano — o Federal Reserve já deixou claro que a próxima reunião, em março, marcará o início do processo de alta das taxas. Embora não exista consenso, o mercado trabalha com cenários que vão de três a seis elevações de juros ao longo de 2022.

Os comentários de Bostic não provocaram grandes reações do mercado financeiro. Por volta de 14h45, as bolsas americanas operavam em baixa de cerca de 1%, mantendo o comportamento negativo visto desde o começo do dia, em meio à escalada das tensões militares na Europa. A cobertura completa do andamento dos mercados está aqui.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

NOITE CRIPTO

Na luta: bitcoin (BTC) opera em alta, mas performance não dá inveja; confira cotações

Apesar do avanço, o último mês foi o pior da história do bitcoin. A queda de 37,9% se consolidou como a mais terrível da história, desbancando maio de 2021, quando o recuo foi de 35,4%

PROBLEMAS FINANCEIROS

Tenda (TEND3) negocia com credores e consegue sinal verde para flexibilizar endividamento

Os detentores de debêntures da empresa aceitaram mudar os termos das dívidas em troca de garantias – e remuneração – extras

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

‘Pane’ nas exchanges, os limites para a Rússia e a queda do Ibovespa; confira os destaques do dia

Os corredores do mercado financeiro estavam mais silenciosos do que o habitual nesta segunda-feira (04).  Nos Estados Unidos, as bolsas em Wall Street ficaram fechadas devido ao feriado do Dia da Independência americana, mas parece que boa parte dos investidores brasileiros também deu uma esticadinha no fim de semana.  Sem Nova York e com o […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa cai abaixo dos 99 mil pontos em dia de baixa liquidez; dólar e juros sobem com petróleo

Sem Wall Street, o Ibovespa teve um dia de movimentação limitada. Apesar da alta do petróleo, o índice não conseguiu se consolidar em alta

ELEIÇÕES 2022

Quem é Maria Luiza Ribeiro Viotti, a primeira mulher a comandar o Itamaraty se Lula vencer as eleições?

A indicação de uma mulher para o Itamaraty contemplaria o movimento feminino na diplomacia, que ganhou força política no Congresso e foi incentivado por Amorim no passado; o Brasil nunca teve uma chanceler

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies