🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-06-06T22:45:06-03:00
Guilherme Valle
CLUBE DO BILHÃO

Lebron James é o primeiro jogador de basquete a ficar bilionário antes da aposentadoria; saiba como ele chegou lá

O ‘maior mão-de-vaca’ da NBA agora divide espaço com Michael Jordan no clube do bilhão

2 de junho de 2022
18:53 - atualizado às 22:45
Os bilionários Lebron James e Michael Jordan
Não faltam motivos para sorrir para Lebron James e Michael Jordan, os únicos ex-jogadores bilionários da NBA - Imagem: Reprodução - Youtube/NBA

Desde os 21 anos de idade, Lebron James não ficava fora dos Playoffs da NBA. Agora, aos 37, a superestrela da maior liga de basquete do mundo voltou a assistir à fase decisiva da temporada diretamente do sofá. Mesmo assim, não lhe faltam motivos para comemorar.

Lebron, nascido quando sua mãe, solteira, ainda tinha 16 anos, é conhecido como o ‘maior mão-de-vaca’ da liga por ter o hábito de não comprar aplicativos para celular, músicas, ou pagar para usar a internet fora dos Estados Unidos. 

Pois, com esse estilo regrado, ele agora faz parte de um clube cujo único outro membro é Michael Jordan — o dos jogadores e ex-jogadores da NBA que possuem mais de US$ 1 bilhão em patrimônio.

Lebron já havia dito, há 8 anos, que essa era sua maior meta. Segundo ele, sua vontade era ver seus negócios crescendo e assim, naturalmente, ele se tornaria um atleta de US$ 1 bilhão. Ele chegou lá — mas como? É disso que vamos tratar daqui para frente.

Segundo informações da Forbes, Lebron James, o atleta mais bem pago da NBA, faturou US$ 385 milhões em salários pelos times que passou: Cleveland Cavaliers, Miami Heat e Los Angeles Lakers. O que é muito, mas ainda não seria suficiente para torná-lo um bilionário.

Contudo, mesmo quando não está jogando basquete, Lebron segue faturando alto. Segundo a Forbes, entre acordos de publicidade e outras aventuras no mundo dos negócios, já são mais de US$ 900 milhões acumulados.

Onde tudo começou

Lebron chegou ao mundo do basquete colocando o pé na porta. Em 2003, fechou seu primeiro acordo com a Nike depois de recusar ofertas de duas empresas que, mais tarde, se tornaram uma só: Reebok e Adidas.

Na ocasião, o jogador justificou sua decisão dizendo que priorizaria aquilo que entendia ser benéfico para ele no longo prazo. O que acabou se confirmando quando, mais tarde, Lebron assinou um contrato vitalício com a fabricante de materiais esportivos.

E assim foram se acumulando os patrocínios: empresas de telefonia, alimentos, bebidas e varejistas não pensariam duas vezes antes de associar suas marcas a um craque que deixa multidões hipnotizadas, seja no ginásio ou na TV.

Enquanto uns vão com a farinha, Lebron volta com o bolo

Entretanto, a grande sacada de Lebron foi fugir do papel de mero garoto propaganda, já que na NBA muitos são multimilionários, mas só um se tornou bilionário. 

É que Lebron sempre procurou se tornar sócio dos negócios que promove, abrindo mão, por exemplo, de US$ 15 milhões do McDonald's para investir em uma nova cadeia de restaurantes, em que ele é sócio.

Aliás, na próxima vez que você parar para assistir um jogo do Liverpool, lembre-se que você estará contribuindo com a fortuna de Lebron. 

O jogador de basquete havia se tornado sócio do clube ainda em 2011, mas usou seu apurado senso de negócios e trocou a participação que detinha por algo ainda melhor — 1% do grupo que hoje controla o Liverpool, o Boston Red Sox, e seu estádio, o Fenway Park, além de outras equipes do esporte norte-americano.

E ainda tem mais: Lebron era um sócio minoritário da fabricante de fones de ouvido Beats, vendida por US$ 3 bilhões à Apple em 2014 — e por isso faturou com a transação. A nova empreitada do único bilionário da NBA é uma empresa de nutrição esportiva, que fundou ao lado de Arnold Schwarzenegger.

Leia também:

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

SEMANA EM CRIPTO

Bitcoin (BTC): o pior investimento do semestre tenta sobreviver aos dados de emprego nos EUA; confira o que mexe com as criptomoedas na próxima semana

Entre os destaques da semana, estão a liquidação de ativos da Three Arrows Capital, pechinchas no mercado cripto e mais

CAÇANDO MARRUÁ

Bitcoin (BTC) no cabresto? UE tenta domar o mundo das criptomoedas com marco regulatório; saiba como

O acordo é provisório e inclui uma proposta que cobre emissores de criptoativos não lastreados e também as chamadas stablecoins, bem como as plataformas de negociação e as carteiras nas quais os ativos digitais são mantidos

O MEDO DA RECESSÃO

Meta em crise: Mark Zuckerberg quer contratar menos funcionários e demitir mais gente a partir de agora

A dona do Facebook espera um segundo semestre de vacas magras e enfrentará um severo corte de gastos; por isso, a companhia prioriza equipes mais enxutas e agressivas

ELEIÇÕES 2022

É só mais essa! Líder nas pesquisas, Lula descarta tentar reeleição se derrotar Bolsonaro em outubro

Em entrevista, Lula disse que ‘daqui a 4 anos vai ter gente nova’, criticou o Congresso e prometeu retirar sigilos impostos por Bolsonaro

PROBLEMA DE INTERPRETAÇÃO?

A Tesla não é verde? Depois da empresa de Elon Musk ser excluída de índice ESG, CEO diz que bilionário não entende o significado da sigla

De acordo com a presidente executiva da Clarity AI, Rebeca Minguela, Musk pode ter pensado que o ESG mede apenas os impactos ambientais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies