Menu
2021-04-15T18:10:30-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Destaques do PLDO

Confira as previsões do Ministério da Economia para o rombo nas contas públicas, despesas e salário mínimo em 2022

As estimativas incluem um déficit primário de R$ 170 bilhões e salário sem aumento real pelo terceiro ano consecutivo

15 de abril de 2021
18:10
Economia
Imagem: Shutterstock

O governo ainda não chegou a uma alternativa para solucionar o impasse do Orçamento 2021. Mesmo assim, o Ministério da Economia apresentou, nesta quinta-feira (15), a Proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022.

Entre os destaques do documento está uma meta de déficit primário de R$ 170,4 bilhões para as contas do Tesouro Nacional, INSS e Banco Central em 2022.

O montante, que  equivale a 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB), assusta, mas ainda assim representa uma redução em relação ao rombo de até R$ 247,2 bilhões neste ano.

As contas têm ficado “no vermelho” desde 2014 e, segundo o Ministério da Economia, devem seguir assim, com um saldo negativo de R$ 144,9 bilhões em 2023 e descendo a R$ 102,2 bilhões em 2024. Os valores equivalem a 1,5% e 1,0% do PIB, respectivamente.

No quesito dívida bruta, o governo deverá chegar a 86,7% do PIB no próximo ano, 87,3% em 2023 e 88,1% em 2024. Já a dívida líquida foi estimada em 67,1% em 2022, 70,0%  em 2023 e 72,4% do PIB em 2024.

Para onde vai o dinheiro

De volta às apostas para 2022, a pasta projeta o total de despesas em R$ 1,5 trilhão, ou 18,24% do PIB. Já para 2023 e 2024, as contas devem ficar no patamar de R$ 1,6 trilhão, cerca de 16% do indicador econômico.

Entre os gastos obrigatórios, a maior soma vai para os benefícios previdenciários, que consumirão R$ 762,9 bilhões. As despesas com pessoal e encargos sociais foram estimadas em R$ 346,3 bilhões e as previsões para os gastos com abono e seguro desemprego ficaram em R$ 65,2 bilhões. 

Por fim, teremos R$ 71,7 bilhões em desembolsos com Benefícios de Prestação e R$ 14,5 bilhões em subsídios, subvenções e Proagro.

Economia também vai crescer

O PLDO prevê um crescimento de 2,5% no PIB brasileiro em 2022, após um avanço de 3,2% neste ano. A estimativa está levemente acima das projeções de economistas consultados para o Boletim Focus, do Banco Central, que apontam alta de 2,33% na atividade econômica.

Na esteira do crescimento, o documento acredita em uma inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 3,5% em 2022. Já a aposta média para a taxa Selic ficou em 4,7%.

E o salário?

Em meio a tantas despesas, a pasta também divulgou que o palpite para o salário mínimo em 2022 não prevê, pelo terceiro ano seguido, um aumento real. Os R$ 1.147 presentes no documento,  reajuste de 4,27% em relação ao valor pago neste ano, consideram apenas a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Cada R$ 1 de aumento no salário mínimo tem um impacto de aproximadamente R$ 350 milhões nas despesas do governo, uma vez que seu piso é referência para boa parte dos benefícios previdenciários e assistenciais.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Reduzindo a participação

CSN começa a se desfazer de suas ações da Usiminas

Aproveitando o bom momento do setor siderúrgico na bolsa, a CSN vendeu mais de 50 milhões de ações preferenciais da Usiminas

O melhor do Seu Dinheiro

A limonada da bolsa e do dólar, as ações mais indicadas do mês e outros destaques da semana

A semana que passou tinha tudo para ser bem azeda para os investidores. No cardápio de notícias dos últimos dias tivemos: A alta da taxa básica de juros e a sinalização de que novos ajustes vêm por aí; Muito barulho político com a CPI da Covid; O projeto da reforma tributária de volta à estaca […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies