Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-01T17:06:40-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Contas apertadas

Precatórios, salário mínimo, Auxílio Brasil e mais: veja os destaques do Orçamento previsto pelo governo para 2022

No último dia do prazo, a equipe econômica enviou ao Congresso o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) para o próximo ano

31 de agosto de 2021
17:27 - atualizado às 17:06
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes Orçamento 2022
O texto não destina verba para a ampliação do Auxílio Brasil, uma das apostas de Bolsonaro para as eleições do ano que vemImagem: Alan Santos/PR

No último dia do prazo e sem perspectivas para a aprovação da PEC dos Precatórios no Congresso, o governo não teve alternativas e incorporou a despesa na previsão do Orçamento para o próximo ano. 

A equipe econômica enviou ao Congresso o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) para 2022 nesta terça-feira (31), reservando R$ 89,1 bilhões para os precatórios e sem verba destinada à ampliação do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família.

Segundo a Economia, o Orçamento de 2022 destina R$ 34,7 bilhões ao programa social, o suficiente para alcançar 14,7 milhões de famílias. O número se aproxima do total de beneficiários do Bolsa Família neste ano. Segundo informações do Ministério da Economia, o benefício foi pago a 14,69 milhões de famílias em julho. 

O famoso teto de gastos

O teto de gastos, regra que limita o avanço das despesas à inflação, terá um crescimento de R$ 136,6 bilhões em 2022, enquanto o gasto total sujeito ao limite poderá chegar a R$ 1,6 trilhão no período.

O valor comprometido corresponde a 17,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Só os gastos com Previdência devem ser de R$ 765,6 bilhões. 

O espaço “extra” já tem destino certo e será preenchido com um crescimento de:

  • R$ 52,7 bilhões nos benefícios do INSS;
  • R$ 33,7 bilhões em sentenças judiciais;
  • R$ 19 bilhões em outras despesas obrigatórias;
  • R$ 13,5 bilhões em abono salarial e seguro-desemprego;
  • R$ 6,6 bilhões em gasto com pessoal;
  • R$ 5,5 bilhões com benefícios assistenciais (BPC);
  • R$ 5,7 bilhões de outras variações.

O texto também estima insuficiência para cumprimento da regra de ouro de R$ 105,4 bilhões. Com isso, o governo terá de recorrer a pedidos de abertura de crédito extraordinário para não descumprir a norma fiscal.

E a arrecadação?

Do lado das receitas, a arrecadação total deve ficar em R$ 1,958 trilhão, o equivalente a 20,8% do PIB, em 2022. O PLOA também prevê que as receitas com concessões e permissões chegarão a R$ 5,1 bilhões em 2022.

Já os ganhos com royalties sobre a exploração mineral devem somar R$ 85,2 bilhões no próximo ano. O governo espera ainda receber R$ 26,284 bilhões em dividendos — o dobro do observado neste ano.

O projeto também considera que a reforma do Imposto de Renda será aprovada com efeito neutro sobre a arrecadação, ou seja, nem perdas, nem ganhos. Além disso, não foram previstas receitas com privatizações de estatais.

Salário mínimo sem ganho real

O texto prevê um salário mínimo de R$ 1.169 no próximo ano. O valor cresceu desde a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) enviada ao Congresso em abril — que estimava R$ 1.147 — e é R$ 69 maior que o salário mínimo atual, com uma alta de cerca de 6,2%.

Porém, o montante ainda é insuficiente para garantir ganhos reais aos trabalhadores, aposentados e pensionistas.

Isso ocorre porque a correção prevista considera apenas a previsão do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em 2021. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede oficialmente a inflação do Brasil, deve terminar o ano em 7,27%, de acordo com as últimas estimativas do Boletim Focus.

Quem também não sentirá alterações na folha de pagamento serão os servidores públicos. De acordo com o secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal, "o Orçamento já está muito apertado”.

Déficit

Por fim, o Ministério da Economia considera que o Governo Central registrará um déficit primário de R$ 49,6 bilhões no ano que vem, o equivalente a 0,5% do PIB.

O valor é mais de três vezes inferior ao previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022, que projetava um déficit de R$ 170,5 bilhões. Para 2021, a última estimativa é de déficit de R$ 155,1 bilhões, ou 1,8% do PIB.

O PLOA ainda considera déficit primário de R$ 2,6 bilhões para Estados e municípios em 2022 e também déficit de R$ 2,6 bilhões para as empresas estatais no próximo ano.

Com isso, o resultado primário do setor público consolidado deve ser deficitário em R$ 54,8 bilhões (0,6% do PIB). Na LDO de 2022, a projeção era de um rombo de R$ 177,5 bilhões (1,6% do PIB).

Diferentemente da apresentação do PLOA em anos anteriores, desta vez a equipe econômica não indicou as projeções para o resultado primário nos anos à frente da proposta (no caso, 2023 e 2024).

Na LDO de 2022, estavam previstos déficits de R$ 145,0 bilhões e R$ 102,2 bilhões para o Governo Central em 2023 e 2024, respectivamente. Com a nova projeção de déficit menor para 2022, essas estimativas ficaram defasadas.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

sem escassez

Fábrica da Tesla em Xangai deve terminar setembro com 300 mil carros produzidos em 2021

Marca será atingida mesmo em meio a uma escassez global de semicondutores, disseram duas fontes da montadora à Reuters

Fim da pandemia

CEO da Pfizer prevê que voltaremos à vida normal dentro de um ano, mesmo com novas variantes do coronavírus

Albert Bourla acredita que vacinação contra a covid-19 se tornarão anuais, para cobrir novas variantes, e que vacinas durarão um ano

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Mais recursos

Democratas aprovam pacote de US$ 3,5 tri no Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA

Recursos serão destinados à rede de segurança social e programas relacionados a mudanças climáticas. Obtenção de quase unanimidade para aprovação no Congresso é desafio

Clube do livro

“Era para termos entrado no Primeiro Mundo há 30 anos”, escreve Gustavo Franco em seu novo livro “Lições Amargas”; leia a resenha completa

O ex-presidente do Banco Central tece críticas ao Brasil e sua estagnação prolongada e apresenta uma “história provisória da atualidade”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies