Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-30T09:12:59-03:00
Estadão Conteúdo
Atraindo procura

Títulos brasileiros atraem uma procura robusta

Em março, o CDS do Brasil estava 130 pontos-base acima da média desse grupo, relação que caiu para 68 pontos-base agora

30 de junho de 2021
9:12
Brasil (1)
Imagem: Shutterstock

Com a melhora de indicadores da economia, o governo voltou ontem ao mercado internacional para fazer uma dupla captação de bônus da dívida externa brasileira. É a primeira emissão externa do Brasil em 2021.

Segundo informações de mercado, o Tesouro captou US$ 1,5 bilhão em bonds (títulos) com vencimento em dez anos e US$ 750 milhões com a reabertura da emissão de bonds 2050, e encontrou uma demanda robusta (US$ 7,5 bilhões), considerada um indicador de que o País segue beneficiado pela expressiva liquidez global, com investidores atrás de ativos que ofereçam retorno (até o fechamento desta edição, o Tesouro não havia divulgado os números oficiais da captação).

O sócio da Octante, Laszlo Lueska, nota que nos últimos dias os títulos soberanos brasileiros vinham atraindo compras ao oferecer melhor retorno do que os bonds das companhias, que já estão com os prêmios achatados pela alta procura, dada a qualidade do crédito.

"Os bonds soberanos já estavam bem, do ponto de vista técnico, com demanda de contas asiáticas por papéis mais longos e com investidores locais brasileiros focados em papéis mais curtos, como vencimento abaixo de dez anos", diz.

A visibilidade do Brasil, em termos de risco país, medido pelo contrato de credit default swap (CDS), melhorou em relação a uma cesta de quatro países da América Latina - Peru, México, Colômbia e Chile.

Em março, o CDS do Brasil estava 130 pontos-base acima da média desse grupo, relação que caiu para 68 pontos-base agora. Essa diferença, que mostra o quanto o risco brasileiro é maior do que o de outros países da região, era de 35 pontos-base antes da crise da pandemia, em março de 2019.

Conforme informações que circularam no mercado, a taxa de retorno aos investidores para os novos bonds de dez anos ficou em 3,875% e dos bonds de 30 anos, que vêm da reabertura da emissão dos bonds globais 2050, fechou em 4,9251%. Ambas abaixo do anunciado no começo do dia pelo Tesouro como ideia de remuneração, de 4,125% e 5,20%, respectivamente. A compressão da taxa acontece em função da procura.

Lueska cita que o prêmio pago em relação ao patamar de negociação no mercado secundário foi baixo. Os bonds 2050 eram negociados ontem com retorno de 4,85%, por exemplo.

O Tesouro informou que os recursos serão usados para dar liquidez à sua curva de juro em dólar e antecipar vencimentos de dívida em moeda estrangeira. Mas não houve anúncio de nenhuma oferta de recompra de papéis aliada à operação. Uma fonte comenta que não está previsto um anúncio desse tipo no curto prazo.

Uma possibilidade é que o Tesouro use os recursos na liquidação de um bond que vence em janeiro de 2022, no montante de US$ 2,2 bilhões em circulação. Outro vencimento próximo é de mais US$ 2,15 bilhões em bonds em 2023. Não há vencimentos este ano. Bradesco BBI, Goldman Sachs e HSBC estão coordenando a colocação.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Mostrando confiança

BR Distribuidora resolve antecipar R$ 554 milhões em remuneração aos acionistas referente a 2021

Empresa vai pagar os proventos em forma de Juros sobre Capital Próprio, divididos em duas datas, em setembro e em dezembro deste ano

Nova tentativa

Guedes afirma que programa de emprego para jovens terá crédito extraordinário de até R$ 3 bilhões

Segundo ministro, a alternativa foi pensada como forma de enfrentar os efeitos da pandemia no nível de desocupação de jovens, que aumentou no período

SEXTOU COM O RUY

Big Bang, a teoria: As leis da Física e a tributação dos dividendos

As empresas são organismos vivos, que precisam se adaptar às mudanças para sobreviver, como na recente proposta de tributação de dividendos

dinheiro no caixa

Petrobras vende participação em companhias de energia por R$ 160 milhões

Estatal assinou contratos para a venda de suas participações de 20% na Termelétrica Potiguar (TEP) e de 40% na Companhia Energética Manauara (CEM) para a Global Participações Energia S.A. (GPE)

seu dinheiro na sua noite

Mais micro, menos macro: quando os balanços são o destaque na bolsa

Como investidores, sabemos que os mercados estão sujeitos às mudanças no cenário macroeconômico – e, no caso do Brasil e outros países emergentes, os pregões são particularmente suscetíveis também ao noticiário político. Mas, no fim do dia, a bolsa reflete o desempenho das companhias que ali são negociadas. Nas temporadas de balanços trimestrais, analistas e […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies