🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Estadão Conteúdo
Atraindo procura

Títulos brasileiros atraem uma procura robusta

Em março, o CDS do Brasil estava 130 pontos-base acima da média desse grupo, relação que caiu para 68 pontos-base agora

Brasil rating Fitch
Imagem: Shutterstock

Com a melhora de indicadores da economia, o governo voltou ontem ao mercado internacional para fazer uma dupla captação de bônus da dívida externa brasileira. É a primeira emissão externa do Brasil em 2021.

Segundo informações de mercado, o Tesouro captou US$ 1,5 bilhão em bonds (títulos) com vencimento em dez anos e US$ 750 milhões com a reabertura da emissão de bonds 2050, e encontrou uma demanda robusta (US$ 7,5 bilhões), considerada um indicador de que o País segue beneficiado pela expressiva liquidez global, com investidores atrás de ativos que ofereçam retorno (até o fechamento desta edição, o Tesouro não havia divulgado os números oficiais da captação).

O sócio da Octante, Laszlo Lueska, nota que nos últimos dias os títulos soberanos brasileiros vinham atraindo compras ao oferecer melhor retorno do que os bonds das companhias, que já estão com os prêmios achatados pela alta procura, dada a qualidade do crédito.

"Os bonds soberanos já estavam bem, do ponto de vista técnico, com demanda de contas asiáticas por papéis mais longos e com investidores locais brasileiros focados em papéis mais curtos, como vencimento abaixo de dez anos", diz.

A visibilidade do Brasil, em termos de risco país, medido pelo contrato de credit default swap (CDS), melhorou em relação a uma cesta de quatro países da América Latina - Peru, México, Colômbia e Chile.

Em março, o CDS do Brasil estava 130 pontos-base acima da média desse grupo, relação que caiu para 68 pontos-base agora. Essa diferença, que mostra o quanto o risco brasileiro é maior do que o de outros países da região, era de 35 pontos-base antes da crise da pandemia, em março de 2019.

Conforme informações que circularam no mercado, a taxa de retorno aos investidores para os novos bonds de dez anos ficou em 3,875% e dos bonds de 30 anos, que vêm da reabertura da emissão dos bonds globais 2050, fechou em 4,9251%. Ambas abaixo do anunciado no começo do dia pelo Tesouro como ideia de remuneração, de 4,125% e 5,20%, respectivamente. A compressão da taxa acontece em função da procura.

Lueska cita que o prêmio pago em relação ao patamar de negociação no mercado secundário foi baixo. Os bonds 2050 eram negociados ontem com retorno de 4,85%, por exemplo.

O Tesouro informou que os recursos serão usados para dar liquidez à sua curva de juro em dólar e antecipar vencimentos de dívida em moeda estrangeira. Mas não houve anúncio de nenhuma oferta de recompra de papéis aliada à operação. Uma fonte comenta que não está previsto um anúncio desse tipo no curto prazo.

Uma possibilidade é que o Tesouro use os recursos na liquidação de um bond que vence em janeiro de 2022, no montante de US$ 2,2 bilhões em circulação. Outro vencimento próximo é de mais US$ 2,15 bilhões em bonds em 2023. Não há vencimentos este ano. Bradesco BBI, Goldman Sachs e HSBC estão coordenando a colocação.

Compartilhe

Capital do Bitcoin

Bitcoin City: El Salvador anuncia emissão de dívida em BTC para financiar cidade futurista

21 de novembro de 2021 - 10:25

El Salvador pretende concluir a emissão dos bonds em BTC até o começo de 2022, levantando US$ 1 bi para a construção da Bitcoin City

Em céu de brigadeiro

Gol (GOLL4) capta US$ 150 milhões com reabertura de bonds 2026

24 de setembro de 2021 - 6:51

Captação soma-se a uma série de medidas adotadas recentemente pela companhia para mitigar impactos da pandemia

Pela diversidade

Suzano emite 1º bond da América Latina com meta de inclusão

29 de junho de 2021 - 7:22

Companhia conseguiu captar US$ 1 bilhão com prazo de 10 anos, e assume o compromisso de aumentar a proporção de mulheres em cargos de liderança

Investimento gringo

CSN capta R$ 4,3 bilhões com emissão de bonds de 10 anos

3 de junho de 2021 - 16:49

A demanda pelos títulos, puxada principalmente pela valorização do minério, teria sido ainda maior caso a empresa tivesse mantido a taxa de retorno original

De olho nos títulos

Petrobras anuncia emissão de bonds para recompra de até US$ 2,5 bi em títulos

2 de junho de 2021 - 13:08

Companhia anunciou aos investidores no exterior a taxa de 6,25% como ideia de retorno e intenção de captar montante padrão (benchmark), o que pode variar de US$ 500 milhões a US$ 1 bilhão

captação lá fora

BRF anuncia emissão de US$ 500 milhões em bonds de 30 anos

17 de setembro de 2020 - 7:07

Parte dos recursos obtidos serão para o repagamento de parte de dívidas, diz a empresa; bonds são títulos de dívida emitidos no exterior

Em meio ao bom humor global

Tesouro capta US$ 3,5 bilhões no exterior com títulos de dívida de 5 e 10 anos

3 de junho de 2020 - 16:05

Mais cedo, o Tesouro informou que tinha concedido mandato para a emissão de dois novos papéis

Entrevista exclusiva

Depois de sacode dos mercados, Pimco vê oportunidade de ganho na renda fixa no exterior

4 de fevereiro de 2019 - 10:39

Esteban Burbano, vice-presidente executivo e estrategista da gestora de US$ 1,7 trilhão, avalia que a economia americana não deverá enfrentar uma recessão. Sobre o Brasil, ele se coloca na fileira dos mais cautelosos, apesar de enxergar boas perspectivas para a economia

Bolsa e dólar hoje

Ibovespa dispara e passa dos 91 mil pontos; dólar cai

2 de janeiro de 2019 - 10:32

Eletrobras foi o destaque com privatização à vista. A decisão do PSL de apoiar a reeleição Rodrigo Maia (DEM-RJ) como presidente do Congresso também ajudou

Títulos à solta

Vale lança oferta de aquisição de até US$ 1 bilhão de bonds

9 de novembro de 2018 - 15:28

Proposta abrange os títulos emitidos pela empresa com vencimento em 2022, 2026, 2036, 2039 e 2042

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies