Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-14T20:49:15-03:00
Estadão Conteúdo
Reforma tributária

Guedes: ‘ideia é reduzir carga de impostos para 25% do PIB ao longo do tempo’

Guedes salientou que é preferível errar pelo lado da redução do que pelo aumento da carga

14 de julho de 2021
12:53 - atualizado às 20:49
Guedes
Imagem: Foto: Isac Nóbrega/PR

Após enfatizar diversas vezes o compromisso da reforma tributária de manter neutro o montante de tributos pagos no Brasil, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira, 14, que, se reeleito, o governo vai perseguir uma redução da carga nacional de impostos.

"Se o governo for reeleito, vamos continuar baixando", comentou o ministro durante live do jornal Valor Econômico. "Somos liberais-democratas. Se os impostos subiram de 18% para 36% ao longo dos últimos 40 anos, nossa ideia é baixar isso para pelo menos 25% do PIB", acrescentou Guedes.

Durante a live, o titular da equipe econômica atribuiu ao excesso de conservadorismo nos cálculos da Receita Federal os erros de calibragem das alíquotas propostas na primeira versão do projeto de reforma do imposto de renda, o que, conforme observou, causou reação negativa do setor empresarial.

Na primeira versão, reconheceu, a desoneração de 5 pontos porcentuais do imposto cobrado das empresas era desproporcional à taxação de 20% dos dividendos. Guedes salientou que é preferível errar pelo lado da redução do que pelo aumento da carga.

"Garanto que a reforma do imposto de renda em si é neutra", pontuou. "Preferimos o risco de redução líquida de impostos do que de aumento da arrecadação", complementou. Um pouco antes, Guedes ressaltou que a reforma tributária proposta pelo governo não vai aumentar a carga de impostos no Brasil.

Depois de quatro décadas de aumento de impostos, nossa promessa desde a campanha era simplificar e reduzir impostos, não aumentar impostos", disse.

O ministro considerou que o andamento da reforma tem sido "muito atribulado" desde o início, lembrando de sua tentativa, malsucedida, de criar um imposto sobre transações eletrônicas nos moldes da antiga CPMF para desonerar a folha salarial das empresas.

"Ainda acho que seria muito melhor do que imposto sobre folha de pagamentos", assinalou, acrescentando que, embora contrariado, acolheu as críticas ao imposto sobre transações, e a proposta foi para outra direção.

Segundo o ministro, o eixo da reforma tributária é a neutralidade - ou seja, não elevar a carga global -, com a taxação de dividendos sendo compensada pela redução do imposto sobre o lucro das empresas. "Estamos tentando deixar a reforma neutra sobre o capital", afirmou.

'Doses equivocadas'

Paulo Guedes admitiu que a primeira proposta do governo de reforma do imposto de renda tinha erros na calibragem das alíquotas.

O titular da equipe econômica disse que o governo consegue reduzir com segurança o imposto cobrado das empresas em 10 pontos porcentuais, de 15% para 5% na alíquota básica.

O ministro reforçou que a primeira versão do governo de mudanças no IR tinha "doses" equivocadas, atribuindo esses erros de calibragem a cálculos conservadores da Receita Federal.

Caso os cortes previstos dos subsídios na reforma funcionem, e com a economia voltando a crescer, Guedes sustentou que será possível promover um segundo corte, de 2,5 pontos porcentuais, levando a alíquota para 2,5%, conforme a nova versão da proposta de reforma tributária.

"Estamos seguros de que podemos baixar em 10 pontos porcentuais o imposto da pessoa jurídica", assinalou o ministro durante live. Guedes disse, ainda, que o rombo de R$ 30 bilhões aberto pela proposta não preocupa em razão da recuperação da atividade em direção a níveis de pré-pandemia, que já permitiu ao governo, segundo ele, arrecadar R$ 100 bilhões acima do previsto no primeiro semestre.

"Se errarmos por R$ 30 bilhões, já está pago antes de começar a reforma." A respeito da tributação de dividendos, o ministro reafirmou que a maioria dos países tributa a distribuição do lucro das empresas a seus sócios entre 20% e 40%. "O Brasil cobrava muito de empresas e nada sobre dividendos", observou.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Exile on Wall Street

Para ser faixa-preta nos investimentos é preciso ter a paciência japonesa

Na literatura de alocação de ativos, “momentum” é a tendência que um ativo tem de continuar subindo apenas porque… já vem subindo. Nos últimos 30 anos, dezenas de estudos acadêmicos e gestores sistemáticos praticantes têm validado a existência de um prêmio por momentum no mercado de ações. Contrariando o senso comum, seria possível ganhar dinheiro […]

MERCADOS HOJE

Com clima doméstico tenso e inflação, Ibovespa não acompanha otimismo de NY; dólar recua

A crise política segue pesando no cenário interno, com a reforma ministerial e os ruídos em Brasília

O melhor do seu dinheiro

O mercado de ações à brasileira, a expectativa contra a realidade dos investimentos e outros destaques

A expressão Made in Brazil já foi muito mais utilizada do que é hoje em dia. Trazia inclusive uma conotação de nacionalismo, de orgulho do que era produzido por aqui e fazia sucesso no exterior. E pesquisando sobre o termo, encontrei uma banda de rock brasileira, bastante importante na cena musical dos anos 1970, exatamente […]

Bitcoin para os ricaços

Milionários passam a ver bitcoin como uma proteção contra a inflação, segundo Goldman Sachs

Confira o que uma pesquisa da instituição financeira descobriu sobre o interesse de escritórios de milionários em criptomoedas

De olho no dragão

IPCA-15 fica em 0,72% em julho e acumula 8,59% em 12 meses; confira o que pesa na inflação

O resultado do mês vem dentro das expectativas do mercado que projetava um crescimento de 0,46% até um teto de 0,78%, com a mediana de 0,65% ao índice

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies