Menu
Larissa Quaresma
Exile on Wall Street
Larissa Quaresma
Analista de ações e integrante da equipe do Carteira Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-31T19:13:47-03:00
Exile on Wall Street

A empresa muda o ESG, ou o ESG muda a empresa? Como avaliar a nova onda verde

31 de agosto de 2021
11:14 - atualizado às 19:13
ESG (1)
Vem se tornando cada vez mais recorrente empresas que sigam práticas de ESG / Imagem: Shutterstock

A análise de uma empresa sob os critérios ESG (sigla em inglês para governança ambiental, social e corporativa) pressupõe a existência de uma série de métricas em cada uma dessas esferas, métricas essas que variam de acordo com o setor.

Essas medidas, como o volume de emissão de gases de efeito estufa pela indústria siderúrgica, o nível de satisfação dos funcionários de uma empresa de saúde ou o formato de remuneração dos executivos, são largamente opcionais na divulgação de informações pelas companhias (com algumas exceções, quase todas no campo da governança).

O analista que busca avaliar as empresas sob a ótica ESG depende, ao largo, da boa vontade das empresas na divulgação dessas informações.

A situação é tal que a mera existência de um relatório de sustentabilidade já é, em si, uma sinalização positiva do seu compromisso. O que é um pouco tosco, porque os sinais verdadeiramente positivos deveriam ser a melhora dos indicadores na comparação com os pares.

O que me leva à questão filosófica de hoje. Qual é o mais provável dentre os cenários abaixo?

  • i) o ESG é uma das causas da excelência para as empresas; ou
  • ii)  as empresas excelentes são tão boas nos seus negócios que podem se dar ao luxo de olhar para o impacto delas nas esferas ESG?

A determinação de um evento como causa ou consequência é uma tarefa difícil na seara dos investimentos. Como muitas vezes é o caso, a reflexividade toma conta dos mercados, tanto sob a perspectiva da empresa quanto dos investidores.

Do lado das empresas, aquela que age no seu negócio com a perspectiva ESG começa a mandar sinais positivos para o mercado — seja porque isso é visto como um bom indicador de performance futura, seja porque mostra uma operação redonda a ponto de permitir essa investida.

Do lado dos investidores, que começam a integrar o ESG nos seus modelos mentais de análise, de forma bem séria inclusive, as avaliações acabam os levando para os nomes que:

  • i) têm transparência suficiente sobre o tema;
  • ii) mostram indicadores melhores que seus concorrentes.

Via de regra, os investidores convergem para os mesmos nomes.

Aqui no Brasil, estamos falando de Natura, WEG, Ambipar e companhia, entre outros. Como sabemos, o alfa é criado ao enxergar algo antes dos demais investidores (mas isso é papo para outro Day One).

Meu ponto, hoje, é que o tema tomou uma proporção tal, tanto do ponto de vista causal (ou sequencial?), que sua reflexividade já não pode ser ignorada pelo investidor.

É o princípio da incerteza de Heisenberg: o observador não consegue analisar o objeto em estudo sem alterá-lo, como consequência inevitável do próprio estudo. Esse axioma se aplica perfeitamente aos parâmetros ESG

O investidor converge para os mesmos nomes, que ganham notoriedade e conseguem captar dinheiro mais barato, vide a emissão recente de bonds verdes da Natura, os quais reduziram o custo da dívida da companhia a uma fração do que era antes.

Com dinheiro mais barato, a empresa tem mais facilidade para investir em projetos de expansão, que fazem os lucros crescerem, o que, por sua vez, mais cedo ou mais tarde, chega ao olhar do investidor, que passa a reavaliar aquela empresa com novos múltiplos (mais altos).

A reflexividade faz sua bela valsa também no ESG, confundindo causas, consequências e interferências do observador. Não importa. O resumo disso tudo é que quem faz ESG não está vendendo o almoço para comprar a janta.

Um abraço,
Larissa

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mais uma na lista

Corretora de criptomoedas Huobi Global, uma das maiores do mundo, restringe negociações na China

A plataforma também informou que retirará gradualmente as contas existentes no gigante asiático até o fim de 2021

Uma nova gigante tech

Infracommerce (IFCM3) dispara 10% com “aquisição transformacional”; outras techs sentem o baque e caem

A Infracommerce (IFCM3) acertou a compra da Synapcom, ganhando escala no B2B — e pagando um preço relativamente baixo pela rival

NOVO SUSTO

Em crise de liquidez, concorrente da Evergrande esboça pedido de apoio a governo de cidade chinesa

Notícia provocou queda acentuada nas ações da Sunac, que fecharam hoje no nível mais baixo em 4 anos

Crédito disponível

Com juros salgados, Caixa libera empréstimo de até R$ 1.000 no aplicativo Caixa Tem; veja condições

O crédito ficará disponível para assalariados, autônomos, beneficiários de programas sociais e de políticas públicas de distribuição de renda

Bolsa hoje

Destaques do Ibovespa: frigoríficos e empresas ligadas a commodities lideram altas em dia de recuperação; Locaweb (LWSA3) é maior queda

Confira os destaques do pregão desta segunda-feira (27) e não deixe de acompanhar as principais notícias do dia na nossa cobertura de mercados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies