🔴 FENÔMENO QUE TRANSFORMOU 1.500 PESSOAS EM MILIONÁRIAS PODE SE REPETIR – VEJA COMO SER O PRÓXIMO

O que a recente movimentação da Apple pode ensinar sobre a dura vida do analista de investimentos?

15 de setembro de 2021
11:19
Apple
Imagem: Shutterstock

Desde que eu comecei a minha carreira profissional, sempre tive a intenção de trabalhar com análise de investimentos.

Estudar o modelo de negócios de uma companhia, analisar o cenário competitivo do setor, as condições macroeconômicas de um determinado segmento… Horas e horas de estudos, buscando as melhores alternativas naquele momento para a carteira.

Entretanto, também devemos ter o controle de nossos próprios vieses. Nos questionar, constantemente, se a ideia que temos sobre determinada empresa faz sentido ou não.

Outro fator importante é o preço que o investidor paga por uma ação. De nada adianta você comprar um ótimo ativo que esteja caro, reduzindo assim seu potencial de ganhos. Ou até mesmo com um preço considerável bom, mas com sinalizações de condições desafiadoras para a companhia.

Aqui também não quero passar a ideia de que nós, analistas, conseguimos acertar o preço “ótimo”. Buscando entender o cenário à nossa volta, cabe ao profissional descobrir se existe a possibilidade de adquirir o ativo em questão com um preço melhor do que o atual.

Aqueles que conhecem as séries internacionais da Empiricus — seja via MoneyRider, seja via As Melhores Ações do Mundo — sabem da nossa visão positiva no longo prazo para as ações da Apple (B3: AAPL34; Nasdaq: AAPL). 

Criadora de alguns dos produtos de consumo de maior sucesso de todos os tempos, a gigante comandada por Tim Cook deveria fazer parte do portfólio de qualquer investidor que se diz global.

Nos últimos dias, contudo, dois eventos devem gerar um momentum negativo para as ações da companhia, pelo menos no curto prazo.

Na sexta-feira (10), a empresa teve o seu pior pregão desde maio, devido à decisão de uma juíza do estado da Califórnia no caso impetrado pela desenvolvedora de jogos Epic Games (criadora do “Fortnite”), que impede que a Apple detenha o meio de pagamento exclusivo dos aplicativos desenvolvidos por terceiros e distribuídos na sua plataforma. 

Essa medida retira a obrigatoriedade dos desenvolvedores de pagar a taxa de 30% cobrada pela Apple para transações por meio da App Store.

Já ontem a empresa realizou o evento “California Streaming”, no qual anunciou as novas versões do iPhone, iPad e Apple Watch, sem grandes novidades nos aparelhos apresentados.

Desde a cotação de fechamento da quinta-feira (9), a ação se desvalorizou cerca de 4%. Ainda que não soe muito, estamos falando de uma perda de quase US$ 100 bilhões — maior que o valor de mercado de qualquer empresa brasileira listada na B3.  

Entretanto, não vejo esses eventos afetando de maneira significativa as perspectivas de longo prazo da companhia. Não acredito que seja necessário zerar uma posição na empresa, por exemplo.  

Isso porque, além de dúvidas de como a cobrança dos desenvolvedores será permitida (o que pode gerar experiências ruins aos usuários), a decisão da magistrada não determinou que a criadora do iPhone seja monopolista, conforme julgava o acusador, não impactando a capacidade de determinação do valor cobrado pela Apple em sua loja de aplicativos.

Mesmo que a companhia seja afetada de alguma forma, estimativas de mercado apontam que as receitas provenientes dos 20 maiores desenvolvedores na App Store devem representar algo em torno de 2% das vendas e 5% do lucro por ação no próximo ano fiscal.  

Sem falar que ambas as empresas podem recorrer da decisão, o que deve postergar ainda mais o impacto nos resultados da Apple.

Mas como gostamos de lembrar, no mundo dos investimentos, “o longo prazo é formado de diversos curto prazos”. Mesmo que eu ache que a companhia não será severamente impactada, o mercado pode não pensar dessa maneira.

Analisando todos os lançamentos de iPhones, as ações da Apple ficam, na média, no zero a zero no mês seguinte. Das 14 vezes desde o primeiro lançamento, em 2007, houve igualdade na quantidade de vezes que o papel terminou o período no positivo (com retorno médio de 3,9%) e no negativo (-4,3%).

Importante salientar que, nos seis meses seguintes, a ocorrência de resultados positivos é bem superior ao de perdas (10 ante 4), com um ganho médio de 13,1% no período.

Só que, nos próximos 30 dias, achamos melhor analisar outros modelos de negócio, cenários competitivos, condições macroeconômicas de outros setores, etc.

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Bugs, bolhas e tecnologia: Big techs azedam o clima nas bolsas em dia de PIB dos EUA e de IPCA-15

25 de julho de 2024 - 8:07

Ibovespa ainda tem que lidar com petróleo e minério de ferro em queda e dólar em alta com mercado à espera do balanço da Vale

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Obrigado, mas não, obrigado

24 de julho de 2024 - 20:30

Recentemente, a startup de cibersegurança Wiz deixou passar uma oferta de US$ 26 bilhões feita pela dona do Google

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A maionese desanda na bolsa: Big techs e minério de ferro pesam sobre os mercados internacionais e Ibovespa paga a conta

24 de julho de 2024 - 7:47

Enquanto resultados trimestrais da Tesla e da dona do Google desapontam investidores, Santander Brasil dá início à safra de balanços dos bancões por aqui

CRYPTO INSIGHTS

Tudo o que você precisa saber sobre os ETFs de Ethereum (ETH) que acabaram de ser lançados

23 de julho de 2024 - 17:36

Segue um dashboard da Bloomberg mostrando as gestoras que estão criando seus respectivos ETF´s de Ether, tickers, taxas, exchanges de negociação e custodiantes

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa fica a reboque do exterior antes dos balanços das big techs

23 de julho de 2024 - 8:02

Enquanto temporada de balanços ganha tração em meio a agenda fraca, Ibovespa se prepara para os resultados dos bancões

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Uma rotação setorial está em andamento — e ela conversa com o ‘Trump Trade’

23 de julho de 2024 - 6:37

Rotação setorial coincide com esgotamento da valorização das ‘big techs’ em Wall Street e inflação desacelerando nos EUA

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Erro de design na indústria de multimercados

22 de julho de 2024 - 20:03

O que aconteceu para os conhecedores de política monetária restritiva perderem tanto dinheiro no começo de 2024?

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O poder dos fatos novos: Ibovespa reage a desistência de Biden e corte de juros na China

22 de julho de 2024 - 8:04

A bolsa brasileira tem pela frente uma agenda carregada, com os balanços da Vale e do Santander e o IPCA-15; lá fora, PCE é o destaque

Mande sua dúvida!

Meus pais fizeram dívidas no meu CPF e fiquei com o nome sujo; terei que processá-los?

20 de julho de 2024 - 8:00

Muitos pais usam o CPF dos filhos menores de idade indevidamente, mas isso pode configurar fraude! Veja o que a vítima deve fazer

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa repercute Orçamento congelado, privatização da Sabesp e pane em sistemas da Microsoft

19 de julho de 2024 - 8:17

Governo anuncia congelamento de R$ 15 milhões no Orçamento de 2024 em tentativa de cumprir meta fiscal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar