Menu
André Franco
Crypto News
André Franco
É engenheiro e especialista em criptomoedas da Empiricus
2021-03-03T18:03:04-03:00
Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

3 de março de 2021
18:03
shutterstock_1686309298
Imagem: Shuttestock

Existem várias formas de explicar o bitcoin para leigos e não considero nenhuma delas melhor que a outra.

Cá entre nós, são todas ruins, por motivos diferentes, mas são.

Descrever algo tão complexo exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Além disso, as boas explicações demandam tempo, boa concatenação de ideias e um ouvinte muito atento e livre de preconceitos.

Essas características juntas são quase impossíveis de conseguir.

Por outro lado, se optarmos por uma explicação simples, deixaremos vários aspectos importantes de lado e isso possivelmente irá gerar dúvidas no ouvinte e posterior descrença na explanação a respeito do bitcoin.

Dessa forma, vejo que ensinar sobre esse ativo, escassez digital, Web 3.0, finanças descentralizadas (DeFi), tokens não fungíveis, etc. é um processo longo e quase penoso, tanto para quem ouve quanto para quem explica.

Claro que temos boas analogias no mercado, que de alguma forma ajudam a encantar quem as escuta.

Uma das minhas preferidas é quando explicamos a revolução do blockchain pela ótica de desconstrução das verdades e das objeções falaciosas.

“Bitcoin não tem lastro!”

Tem razão, mas o seu dinheiro também não tem lastro. Aliás, o termo “moeda fiduciária” tem origem na palavra “fé” (fides). Sim, o dinheiro do “Banco Imobiliário” não vale nada e a cédula de R$ 10 vale o que vale porque uma nação acredita nisso.

Já mencionei isso algumas vezes: o dinheiro como o conhecemos não passa de uma realidade intersubjetiva.

“Uma canetada dos EUA e o bitcoin já era.”

Uma classe que atingiu a marca de US$ 1 trilhão já deveria ter sido extinta se os congressistas americanos o pudessem fazer por meios que conhecem.

“Bitcoin é dinheiro de máfia.”

Não mais do que todas as outras moedas fiduciárias. O bitcoin existe desde 2009 e não foi há apenas uma década que o termo “lavagem de dinheiro” surgiu.

Além disso, a cripto é o pior meio para se lavar dinheiro. Isso porque todas as transações são registradas no blockchain, diferentemente das transações com dinheiro físico.

“Bitcoin consome mais energia que a Argentina.”

Aí você me pegou, acredito que vamos ter que acabar com aquilo que não gera valor, desculpa hermanos (ba dum tss).

Brincadeiras à parte, um sistema global de transferência de valor que funciona há mais de uma década sem interrupções e nunca foi hackeado deve, sim, consumir energia.

Além disso, o bitcoin representa apenas 0,59% do consumo mundial de energia e está longe de ser comparado ao consumo de EUA e China.

Figura 1. Consumo de energia por país e do bitcoin

Fonte: Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index

Caso não queira ser guiado por argumentos falhos e falaciosos e queira aprender de fato de que se trata o bitcoin, o melhor meio é o Empiricus Crypto Legacy.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Mercados hoje

Bolsas sobem em Nova York após dois dias de queda, mas petróleo pressiona índice de empresas brasileiras

Otimismo com retomada da economia norte-americana impulsiona bolsas. A maior surpresa do dia é o Nasdaq, que sobe mesmo com o peso das ações da Netflix

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies