Menu
André Franco
Crypto News
André Franco
É engenheiro e especialista em criptomoedas da Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-03T18:03:04-03:00
Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

3 de março de 2021
18:03
shutterstock_1686309298
Imagem: Shuttestock

Existem várias formas de explicar o bitcoin para leigos e não considero nenhuma delas melhor que a outra.

Cá entre nós, são todas ruins, por motivos diferentes, mas são.

Descrever algo tão complexo exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Além disso, as boas explicações demandam tempo, boa concatenação de ideias e um ouvinte muito atento e livre de preconceitos.

Essas características juntas são quase impossíveis de conseguir.

Por outro lado, se optarmos por uma explicação simples, deixaremos vários aspectos importantes de lado e isso possivelmente irá gerar dúvidas no ouvinte e posterior descrença na explanação a respeito do bitcoin.

Dessa forma, vejo que ensinar sobre esse ativo, escassez digital, Web 3.0, finanças descentralizadas (DeFi), tokens não fungíveis, etc. é um processo longo e quase penoso, tanto para quem ouve quanto para quem explica.

Claro que temos boas analogias no mercado, que de alguma forma ajudam a encantar quem as escuta.

Uma das minhas preferidas é quando explicamos a revolução do blockchain pela ótica de desconstrução das verdades e das objeções falaciosas.

“Bitcoin não tem lastro!”

Tem razão, mas o seu dinheiro também não tem lastro. Aliás, o termo “moeda fiduciária” tem origem na palavra “fé” (fides). Sim, o dinheiro do “Banco Imobiliário” não vale nada e a cédula de R$ 10 vale o que vale porque uma nação acredita nisso.

Já mencionei isso algumas vezes: o dinheiro como o conhecemos não passa de uma realidade intersubjetiva.

“Uma canetada dos EUA e o bitcoin já era.”

Uma classe que atingiu a marca de US$ 1 trilhão já deveria ter sido extinta se os congressistas americanos o pudessem fazer por meios que conhecem.

“Bitcoin é dinheiro de máfia.”

Não mais do que todas as outras moedas fiduciárias. O bitcoin existe desde 2009 e não foi há apenas uma década que o termo “lavagem de dinheiro” surgiu.

Além disso, a cripto é o pior meio para se lavar dinheiro. Isso porque todas as transações são registradas no blockchain, diferentemente das transações com dinheiro físico.

“Bitcoin consome mais energia que a Argentina.”

Aí você me pegou, acredito que vamos ter que acabar com aquilo que não gera valor, desculpa hermanos (ba dum tss).

Brincadeiras à parte, um sistema global de transferência de valor que funciona há mais de uma década sem interrupções e nunca foi hackeado deve, sim, consumir energia.

Além disso, o bitcoin representa apenas 0,59% do consumo mundial de energia e está longe de ser comparado ao consumo de EUA e China.

Figura 1. Consumo de energia por país e do bitcoin

Fonte: Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index

Caso não queira ser guiado por argumentos falhos e falaciosos e queira aprender de fato de que se trata o bitcoin, o melhor meio é o Empiricus Crypto Legacy.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: impasse dos precatórios deve pressionar bolsa hoje antes dos dados do varejo nos EUA

Além disso, no radar ficam o risco fiscal antes da eleição de 2022 e os dados da economia dos Estados Unidos, com destaque para os pedidos de auxílio-desemprego

NA B3

Ações do setor de saúde foram as que menos sofreram em agosto

Levantamento da Teva Índices mostra que os papéis do comércio e da construção foram os mais castigados no mês passado

NÃO AGRADOU

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis defende manutenção do modelo de exclusividade no mercado de revenda de derivados de petróleo

Tempo de entrega menor

Randon terá linha férrea própria no interior de SP

Linha férrea partirá de dentro da fábrica e percorrerá 1,5 km transportando vagões, reboques e semirreboques a um ramal principal na mesma cidade; expectativa é de que a obra fique pronta em 2023

Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies